Artigo - Open Access.

Idioma principal

AVALIAÇÃO DA EXTENSÃO DE ZONAS DE MISTURA DE EFLUENTES PARA A PORÇÃO SUPERIOR DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA

FIM, Bárbara Moreto; REIS, José Antônio Tosta dos;

Artigo:

Os modelos de qualidade da água utilizados em rios, em geral, são unidimensionais, desprezando as variações vertical e transversal do campo de velocidades e assumem que os cursos d’água apresentam regime permanente uniforme (TUCCI, 1998). Desta forma, os tradicionais modelos unidimensionais não permitem a simulação da zona de mistura de efluentes em rios, uma vez que assumem a perfeita mistura entre curso d’água e efluente imediatamente à jusante do ponto de disposição final. O presente estudo tem como principal finalidade estimar, com auxílio de modelos empíricos, a extensão da zona de mistura de efluente na porção superior do rio Santa Maria da Vitória. Para a avaliação das extensões das zonas de mistura foram empregadas as expressões propostas por Fischer et al (1979), Tsai e Holley (1978) e Yotsukura e Sayre (1976). Adicionalmente foi utilizado o modelo clássico de Streeter e Phelps para avaliar, em trechos com extensão correspondente a extensão da zona de mistura, variações nas concentrações de oxigênio dissolvido e de demanda bioquímica de oxigênio. Os resultados obtidos indicam que a zona de mistura representa de 2 a 15 % da extensão de cada trecho estudado, e que, nestas extensões, as variações nas concentrações de oxigênio dissolvido e demanda bioquímica de oxigênio não seriam significativas.

Artigo:

Palavras-chave: Zona de mistura, Coeficiente, Dispersão transversal,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/engpro-eneeamb2016-rh-005-4947

Referências bibliográficas
  • [1] CONAMA. Resolução nº 357, de 17 de março de 2005. Publicada no Diário Oficial da União nº 053, de 18/03/2005. Acesso em: 20/03/2016. Disponível em: http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res05/res35705.pdf
  • [2] FISCHER, H. B.; LIST, E. J.; KOH, R. C. Y. IMBERGER, J.; BROOKS, N. H. Mixing in Inland and Coastal Waters. New York: Academic Press, 1979.
  • [3] REIS, J. A.T.; MENDONÇA, A. S. F. Análise dos padrões para compostos amoniacais segundo a Resolução CONAMA 20/86. Engenharia Sanitária e Ambiental, Rio de Janeiro, v. 3, n. 4, p. 146-154, 1998.
  • [4] SALIM, F.P.C. Desenvolvimento de sistema de suporte a decisão para o gerenciamento da qualidade das águas em rios considerando múltiplas fontes de poluição pontual. Vitória, 200 Dissertação (Mestrado em Engenharia Ambiental) – Universidade Federal do Espírito Santo.
  • [5] STREETER, H. W.; PHELPS, E. B. A study of the pollution and natural purification of the Ohio River. Public Health Bulletin 146, U.S. Washington: Public Health Service, 192
  • [6] TSAI, Y. H.; HOLLEY, E. R. Temporal Moments for Longitudinal Dispersion. Journal of Hydraulics Division, no 103, p. 1617-1634, 1978.
  • [7] TUCCI, C. E. M.; SILVEIRA, G. Monitoramento em pequenas bacias para a estimativa de disponibilidade hídrica. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v. 3, n. 3, p. 97-110, 1998.
  • [8] VON SPERLING, M. Estudos e modelagem da qualidade da água de rios. 1. ed. Belo Horizonte: Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental; Universidade Federal de Minas Gerais, 2007. 588 p.
  • [9] YATSUKURA, N.; SAYRE, W. W. Transverse Mixing in Natural Channels. Water Resouces Research, no 12, p. 695-704, 1976.
Como citar:

FIM, Bárbara Moreto; REIS, José Antônio Tosta dos; "AVALIAÇÃO DA EXTENSÃO DE ZONAS DE MISTURA DE EFLUENTES PARA A PORÇÃO SUPERIOR DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SANTA MARIA DA VITÓRIA", p. 292-301 . In: Anais do XIV Encontro Nacional de Estudantes de Engenharia Ambiental [= Blucher Engineering Proceedings v.3 n.2]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/engpro-eneeamb2016-rh-005-4947

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações