Resumo - Open Access.

Idioma principal

Autonomia, Liberdade e Tolerância: Uma análise normativa dos direitos reprodutivos e da liberdade sexual no Brasil contemporâneo

OLIVEIRA, Monica;

Resumo:

Este resumo refere-se ao meu projeto de mestreado que propõe-se a contribuir analiticamente para o debate contemporâneo brasileiro acerca dos direitos reprodutivos e da liberdade sexual a partir da ótica do liberalismo igualitário e da critica feita pela teoria feminista. Para tal, visa focar nos projetos de lei nº 478/2007, que trata de garantir plenos direitos ao nascituro, e nº 882/2015, que trata da legalização do aborto.

Resumo:

Palavras-chave: ,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/socsci-secunifesp2015-0014

Referências bibliográficas
  • [1] AUAD, D. ‘’Educação para a democracia e co-educação: apontamentos a partir da categoria de gênero’’. In: Revista USP, São Paulo, n. 56, pág. 136-143, dezembro/fevereiro, 2002-2003.
  • [2] BIROLI, F. ‘’Gênero e família em uma sociedade justa’’. In: BIROLI, F. & MIGUEL, L. F. (Org.) Teoria Política e Feminismo: abordagens brasileiras. Vinhedo: Editora Horizonte, pág. 211-242, 201
  • [3] _________. ‘’Autonomia, opressão e identidades: a ressignificação da experiência na teoria política feminista’’. In: Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, 21(1): 424, janeiro-abril/2013, pág. 81-104.
  • [4] BOBBIO, N. Igualdade e liberdade. São Paulo: Ediouro, 1997.
  • [5] __________. Liberalismo e democracia. Trad. Marco Aurélio Nogueira. São Paulo: Editora Brasiliense, 1993
  • [6] BRANDÃO, Débora Vanessa Caús. Do casamento religioso com efeitos civis e o novo Código Civil. Jus Navigandi, Teresina, ano 7, n. 54, 1 fev. 2002
  • [7] BUTLER, J. Problemas de gênero; Feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro:
  • [8] Civilização Brasileira. Tradução de Renato Aguiar, 2012.
  • [9] _________. Corpos que pesam: Sobre os limites discursivos do ‘’sexo’’. -In: LOURO, G. L. (org.) O corpo educado: pedagogias da sexualidade, pág.151-72. Belo Horizonte: Autêntica, 2001.
  • [10] CAETANO, Andre J., ALVES, Jose. E. D., CORRÊA, Sonia. (Orgs.). “As Políticas Populacionais e os Direitos Reprodutivos: ‘O Choque de Civilizações ’versus Progressos Civilizatórios “In: Dez anos do Cairo: tendências da fecundidade e direitos reprodutivos no Brasil. 1 ed. Campinas: ABEP/UNFPA, 2004, v. 1, 27
  • [11] CYPRIANO, B. ‘’Construções do pensamento feminista latino-americano’’. In: Estudos Feministas, Florianópolis, 21(1): 424, janeiro-abril/2013, pág. 11-39.
  • [12] FRASER, N. ‘’Reconhecimento sem Ética?’’. In: Lua Nova, São Paulo, 70: 101-138, 2007a.
  • [13] ___________. Mapeando a imaginação feminista: da redistribuição ao reconhecimento e à representação. In: Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, 15(2): 240, maio-agosto, pág. 291- 307, 2007b.
  • [14] ___________. Reenquadrando a justiça em um mundo globalizado. In: Lua Nova. São Paulo, n.77, pág. 11-39, 2009.
  • [15] FRIEDAN, B. Mística Feminina. São Paulo: Editora Vozes Limitada, 1971.
  • [16] GARCIA, C. Breve História do Feminismo. São Paulo: Editora Claridade, 2011..
  • [17] GILLIGAN, C. Uma voz diferente: Psicologia da Diferença entre Homens e Mulheres da Infância à Vida Adulta. Rio de Janeiro: Editora Rosa dos Tempos, 1982. Tradução: Nathanael C. Caixeiro.
  • [18] HOLMES, S. Gag rules and the politics of omission. In: J. Elster and R. Slagstad, eds. Constitutionalism and democracy. Cambridge: Cambridge University Press, 1988.
  • [19] HONNETH, A. Luta por reconhecimento: A gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora 34, 2003.
  • [20] _____________. ‘’Teoria Crítica’’. In: GIDDENS, A.; TURNER, J. (Org.) Teoria Social Hoje. São Paulo: Unesp, 1999.
  • [21] KOLLER, S.; NARVAZ, M. ‘’Metodologias Feministas e Estudos de Gênero: articulando pesquisa, clínica e política’’. In: Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n. 3, setembro-dezembro/2006, pág. 647-654.
  • [22] KRITSCH, R. ‘’O gênero do público’’. In: BIROLI, F. & MIGUEL, L. F. (Org.) Teoria Política e Feminismo: abordagens brasileiras. Vinhedo: Editora Horizonte, pág. 17-45, 2012.
  • [23] LASKI, H. O liberalismo europeu. São Paulo: Editora Mestre Jou. 1973
  • [24] LOCKE, John. Carta acerca da tolerância. In.: LOCKE, John. Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1973.
  • [25] ________“Segundo Tratado sobre o Governo”. In.: Dois tratados sobre o governo. São Paulo: Martins Fontes, 1998. (Capítulos V, VIII, IX, XIII, XVI a XIX.)
  • [26] LUNA, Clara. "Fetos anencéfalos e embriões para pesquisa: sujeito de direitos?" Revistas de estudos feministas, Florianópolis, 17(2): 307-333, maio-agosto/2009.
  • [27] LUNA, L. ‘’Maternalismo y discurso gaitanista, Colombia 1944-48’’. In: Hojas de Warmi nº 9: Barcelona, 1998.
  • [28] MARIANO, S. A. ‘’O sujeito do feminismo e o pós-estruturalismo’’. In: BIROLI, F. & MIGUEL,
  • [29] L. F. (Org.) Teoria Política e Feminismo: abordagens brasileiras. Vinhedo: Editora Horizonte, pág. 127-156, 2012.
  • [30] MAQUIPAVEL, N. Comentários sobre a primeira década de Tito Lívio. Brasília: Editora UnB.
  • [31] MILL, J. S. Sobre a liberdade. Editora Vozes: Petrópolis, 1991.
  • [32] MATOS, M. ‘’Movimento e teoria feminista: é possível reconstruir a teoria feminista a partir do Sul global?’’. In: Revista de Sociologia e Política. Vol.18, n.36, pág. 67-92, 2010.
  • [33] MATOS, M.; CYPRIANO, B. Críticas feministas, epistemologia e as teorias da justiça social: em busca de uma teoria crítico-emancipatória de gênero. In: ‘’Para onde vai a Teoria Social Contemporânea?’’ 32º Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-graduação e Pesquisa em
  • [34] Ciências Sociais (ANPOCS). Caxambu, 27 a 31 out. 2008.
  • [35] MATTOS, P. O reconhecimento, entre a Justiça e a Identidade. In: Lua Nova, n. 63, pág. 143-161, 2004.
  • [36] MELO, Jéssica. O grande lar argentino: A Cidadania feminina segundo Eva Perón. Guarulhos: Universidade federal de São Paulo, 2014.
  • [37] MIGUEL, Luis Felipe. Aborto e democracia. Estudos Feministas, Florianópolis, 20(3), setembro-dezembro de 2012, pp. 657-672.
  • [38] NICHOLSON, L. ‘’Interpretando Gênero’’. In: Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, 2000, v. 8, n. 02, pág. 09-41. Tradução: Luiz Felipe Guimarães Soares.
  • [39] NOZICK, R. Anarchy, State, and Utopia. New York: Basic Books, 1974.
  • [40] OKIN, S. ‘’Gênero, o público e o privado’’. In: Revista de Estudos Feministas, Florianópolis, 16(2): 440, maio-agosto/2008, pág. 305-332. Tradução: Flávia Biroli.
  • [41] _______. ‘’Es el multiculturalismo malo para las mujeres?’’ In: Is Multiculturalism Bad for Women? Joshua Cohen, Matthew Howard, and Martha C. Nussbaum. Editores. Princenton, New Jersey: Princenton University Press, 1999. Tradução: María Cristina Irutita Cruz.
  • [42] PATEMAN, C. Críticas Feministas a la dicotomía público/privado. Barcelona: Editora Paiadós, pág. 2-23, 1996.
  • [43] PINTO, C. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Editora Perseu Abramo, 2003.
  • [44] RAWLS, J. O liberalismo político. Editora Ática: São Paulo, 2000.
  • [45] __________ Uma teoria de Justiça. Martins Fontes: São Paulo, 2000.
  • [46] __________. Justiça como equidade. IN: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010264451992000100003&script=sci_arttext
  • [47] ___________O direito dos povos. Trad. Luís Carlos Borges. São Paulo: Martins Fontes, 2004
  • [48] RUBIN, G. O tráfico de mulheres: Notas sobre a ‘’Economia Política’’ do sexo. Recife: Edição S.O.S. Corpo, março de 2013. Tradução: Christine Rufino Dabat; Edileusa Oliveira da Rocha; Sonia Corrêa.
  • [49] SANTOS, J. ‘’Vôo sobre abismos: Política de reconhecimento em Nancy Fraser, Movimentos Sociais e Efetividade Normativa’’. In: XVII Anal do Congresso do CONPEDI. Brasilia – DF, pág. 750-761, 20-22 de nov. 2008.
  • [50] SARTI, C. O feminismo brasileiro desde os anos 1970: revisitando uma trajetória. Revista de Estudos Feministas. v.12, n.2, pág. 35-50, 2004.
  • [51] SILVA, Rosana. “’O direito à vida” vs “Direito de decidir’ Reflexões sobre o debate legislativo do aborto à luz da noção de direitos reprodutivos” Brasília: Universidade federal de Brasília, 2009.
  • [52] TAYLOR, Charles. The politics of recognition. In: TAYLOR, Charles. ‘’Multiculturalism: examining the politics of recognition’’. Ed. Amy Gutmann. Princeton, New Jersey: Princeton University Press, 1994..
  • [53] TOSOLD, L. ‘’Do problema do essencialismo a outra maneira de fazer política’’. In: BIROLI, F. &
  • [54] MIGUEL, L. F. (Org.) Teoria Política e Feminismo: abordagens brasileiras. Vinhedo: Editora Horizonte, pág. 189-209, 2012.
  • [55] WALZER, M. On Toleration. New Haven and London: Yale University Press, 1997.
  • [56] WEBER, Max. (1993), “A política como vocação”. Ciência e política: Duas vocações. 9º Ed. São Paulo: Cultrix. PP. 55-124.
  • [57] _____________.2006, “Os três tipos puros de dominação legitima”. In COHN, Gabriel. (org.). Max Weber. 7ºEd. São Paulo. Editora Ática. PP 128-141
  • [58] _______________. A “objetividade” do conhecimento na ciência social e na ciência política. In: Metodologia das Ciências Sociais. Parte 1. Tradução de Augustin Wernet. 4. ed. São Paulo: Cortez; Campinas, SP: Universidade Estadual de Campinas, 2001. p. 107-154
Como citar:

OLIVEIRA, Monica; "Autonomia, Liberdade e Tolerância: Uma análise normativa dos direitos reprodutivos e da liberdade sexual no Brasil contemporâneo", p. 91-100 . In: Anais do VIII Semana de Ciências Sociais UNIFESP - Educação com o Recorte de Combate às Opressões [=Blucher Social Science Proceedings, v.2, n.1].. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2359-2990, DOI 10.5151/socsci-secunifesp2015-0014

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações