Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

(AUTO)FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR EM SEU LOCAL DE TRABALHO: ROMPIMENTO DE ASSIMETRIAS E FORTALECIMENTO DE IDENTIDADES DOCENTES

DE GRANDE, Paula Baracat;

Artigo Completo:

Este artigo tem por objetivo discutir a ação de formadores de professores com base na análise de eventos de letramento de (auto)formação continuada de professores em seu local de trabalho, mais especificamente, reuniões de corpo docente dos anos iniciais do Ensino Fundamental que, no Estado de São Paulo, eram chamadas de Hora de Trabalho Pedagógico Coletivo. As análises fazem parte de minha pesquisa de doutorado, cujo objetivo foi conhecer e compreender práticas de letramento formativas do professor em seu local de trabalho. De caráter qualitativo-interpretativista e de cunho etnográfico, a pesquisa tem como corpus dados gerados em observação participante realizada durante um ano com um grupo de professoras em uma escola pública do interior paulista. A perspectiva teórica adotada é baseada na abordagem sociocultural dos Estudos de Letramento e na concepção dialógica da linguagem do Círculo de Bakhtin. No contexto observado, as professoras construíram dois tipos de eventos distintos: um deles ocorria entre professoras e a coordenadora pedagógica de uma mesma unidade escolar e suas características interacionais se assemelhavam às da aula expositiva; o outro era realizado entre professoras de toda a rede municipal de ensino atuantes no 5º ano para discussão de conteúdos cobrados em avaliações sistêmicas e se assemelhava, em termos interacionais, a uma oficina, na qual as professoras encenavam situações e estratégias de ensino. Ao serem colocadas na função de formadoras de suas colegas, as professoras adotam o jogo simbólico que atualiza os papéis de alunos e professores e dissolve relações de poder que as colocam em papéis assimétricos. Isso possibilita a construção de uma formação mais direcionada a suas necessidades profissionais e mais fortalecedora de suas identidades profissionais. A análise dessas práticas apontam para possíveis caminhos para a ação de formadores de professores, principalmente na modalidade continuada.

Artigo Completo:

Palavras-chave: formação do professor; local de trabalho; interação,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/edupro-clafpl2016-050

Referências bibliográficas
  • [1] BAKHTIN, M. O discurso no romance. In: _________. Questões de Literatura e Estética. São Paulo: Hucitec, 1988.
  • [2] _______. Estética da Criação verbal. Tradução Paulo Bezerra 4a. ed. Martins Fontes, 2003.
  • [3] CAZDEN, C. Classroom discourse: Classroom Discourse: The Language of Teaching and Learning, 2 ed., Heinemann Press, 2001.
  • [4] DABÉNE, M. Le discours évaluatif du lecteur d'écrits manuscrits ordinaires. Études de linguistique appliquée, nº 53, pp.47-79 Paris, Didier. 198
  • [5] DE GRANDE, Paula Baracat. Formação continuada no local de trabalho do professor: possibilidades de agência e construção de sentidos para a docência. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada) – Universidade Estadual de Campinas, Unicamp, Campinas, 201
  • [6] ERICKSON, F. Classroom discourse as improvisation. Relationships between academic task structure and social participation structure in lessons. IN: WILKINSON, L.C. (Org.) Communicating in the classroom. NY. Academic Press, 1982.
  • [7] GARCEZ, P. A organização da fala-em-interação na sala de aula: controle social, reprodução de conhecimento, construção conjunta de conhecimento. Calidoscópio. v. 4, n. 1 , p. 66-80, jan/abr 2006.
  • [8] GARCEZ, P. E SCHLATTER, M. Criação de possibilidades de desenvolvimento do professor-autor: metas para a formação de professores de línguas. Conferência. VI CLAFPL (Congresso Latino-Americano de Formação de Professores de Línguas), Londrina, 2016.
  • [9] GATTI, B.A. e BARRETO, E.S.S. (coord.). Professores do Brasil: impasses e desafios. Brasília: UNESCO, 200
  • [10] KLEIMAN, A. b. A construção de identidade em sala de aula: um enfoque interacional. In: Signorini, I, (org.) Língua(gem) e identidade. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1998.
  • [11] _________. O estatuto disciplinar da Linguística Aplicada: o traçado de um percurso, um rumo para o debate. In: Inês Signorini; Marilda Cavalcanti. (Org.). Linguística Aplicada e Transdiciplinaridade. 1ed.Campinas: Mercado de Letras, 1998b, v. 1, p. 51-77.
  • [12] ________. As metáforas conceituais na educação lingüística do professor: índices da transformação de representações e saberes na interação. In: Kleiman, Angela B.; Matencio, Maria de Lourdes M.. (Org.). Letramento e formação do professor. Práticas discursivas, representações e construção do saber. 1ed. Campinas: Mercado de Letras, 2005, p. 203-228.
  • [13] _______. Agenda de pesquisa e ação em Linguística Aplicada: problematizações. In: MOITA LOPES, L. P. Linguística Aplicada na modernidade recente: festschrift para Antonieta Celani. São Paulo: Parábola, 20
  • [14] MATENCIO, M.L.M. Estudo de Língua falada e aula de língua materna: uma abordagem processual da interação professor/alunos. Tese (Doutorado), Linguística Aplicada, Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1999.
  • [15] ___________. Práticas discursivas, gêneros do discurso e textualização. Estudos Lingüísticos XXXV, Trabalhos apresentados no 53º Seminário do GEL - UFSCAR - São Carlos, 2005. p. 138-145, 2006.
  • [16] __________. Estudos do letramento e formação de professores: retomadas, deslocamentos e impactos. Caleidoscópio. V.7, n.1, p. 5-10, jan/abr 2009.
  • [17] MOITA-LOPES, L. P. Uma lingüística aplicada mestiça e ideológica. Interrogando o campo aplicado como lingüista aplicado. In: Moita Lopes, L. P. (org) Por uma Lingüística Aplicada Indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.
  • [18] SAWYER, K. Creative teaching: collaborative discussion as disciplined improvisation. In: Educational Researcher, 33: 12, 2004.
  • [19] SILVA, S. B. B. Formação de Professores e PCN: um olhar sobre a leitura e o material de leitura. Tese (Doutorado), Linguística Aplicada, Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2003.
  • [20] STREET, B. Literacy in theory and practice. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.
  • [21] _______. The new literacy studies. In: STREET, B. (org.). Cross-cultural approaches to literacy. Cambridge: Cambridge University Press, 1993.
  • [22] TARDIF, M. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários. Revista Brasileira de Educação. no. 13, Jan/Fev/Mar/Abr 2000.
  • [23] VOLOCHINOV. Marxismo e Filosofia da Linguagem. Ed. 7. São Paulo: Hucitec, 1995.
Como citar:

DE GRANDE, Paula Baracat; "(AUTO)FORMAÇÃO CONTINUADA DO PROFESSOR EM SEU LOCAL DE TRABALHO: ROMPIMENTO DE ASSIMETRIAS E FORTALECIMENTO DE IDENTIDADES DOCENTES", p. 628-642 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2318-695X, DOI 10.5151/edupro-clafpl2016-050

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações