Artigo completo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Autoconceito: qual é a melhor forma de construir o questionário?

Self-concept: what is the best way to construct the questionnaire?

Neves, Cecília Eloy; Campos, Fábio Ferreira da Costa; Franklin, Walter;

Artigo completo:

A presente pesquisa visa, como parte da pesquisa de mestrado, elaborar o questionário do autoconceito para avaliar filmes. O autoconceito vem mostrando ser uma ferramenta útil para entender mais sobre o comportamento do consumidor. O autoconceito foi inicialmente conceituado como os pensamentos e sentimentos que uma pessoa tem sobre ela própria (Rosenberg, 1979). Estudando a visão do usuário sobre ele mesmo. Desta forma, o autoconceito mostra-se muito útil para avaliar a experiência do usuário em relação a um artefato, por meio de questionários. Os questionários são personalizados de acordo com o artefato a ser avaliado, apresentando adjetivos na escala bipolar de diferencial semântico com a escala Likert de 5 ou 7 pontos, onde o usuário marcará qual adjetivo mais se aproximou do sentimento dele antes e durante a experiência. Para selecionar os adjetivos, o método focus group é utilizado para levantar e selecioná-los. Nos últimos estudos sobre autoconceito, voltado para avaliação de artefatos, o focus group mostrou ser o método mais utilizado para a elaboração do questionário, mas não é o único. Também é encontrado o uso da revisão da literatura para levantar os adjetivos. Dito isso, o presente artigo visa aplicar ambos os métodos para avaliar qual é o mais eficiente para levantar os adjetivos que serão utilizados no questionário para avaliar filmes, experiência de ir ao cinema e assistir um filme. Começando com a revisão da literatura sobre avaliação de filmes para selecionar os primeiros adjetivos, seguido da aplicação de um questionário online com usuários de cinema da Grande Recife, total de 83 respondentes, avaliar os adjetivos selecionados. Depois aplicar o método focus group para selecionar mais adjetivos e finalizar comparando ambos os métodos. Concluindo dizendo qual método se mostrou mais eficiente para elaborar o questionário do autoconceito para avaliar filmes.

Artigo completo:

The present research aims, as part of the master's research, to elaborate the self-concept questionnaire to evaluate films. Self-concept has been shown to be a useful tool to understand more about consumer behavior. Self-concept was initially conceptualized as the thoughts and feelings that a person has about himself (Rosenberg, 1979). Studying the user's view of himself. In this way, the self-concept is very useful to evaluate the user experience in relation to an artifact, through questionnaires. The questionnaires are personalized according to the artifact to be evaluated, presenting adjectives in the bipolar scale of semantic differential with the Likert scale of 5 or 7 points, where the user will mark which adjective most approached his feeling before and during the experiment. To select the adjectives, the focus group method is used to pick up and select them. In the last studies on self-concept, focused on artifact evaluation, the focus group was the most used method for the elaboration of the questionnaire, but it is not the only one. We also find the use of literature review to raise adjectives. That said, this article aims to apply both methods to assess which is the most efficient to raise the adjectives that will be used in the questionnaire to evaluate movies, experience going to the movies and watching a movie. Beginning with the review of the literature on film evaluation to select the first adjectives, followed by the application of an online questionnaire with cinema users from Greater Recife, total of 83 respondents, to evaluate the selected adjectives. Then apply the focus group method to select more adjectives and finalize comparing both methods. Concluding by saying what method was most efficient to elaborate the self-concept questionnaire to evaluate films.

Palavras-chave: Autoconceito, focus group, avaliação de artefatos, comportamento do consumidor,

Palavras-chave: Self-concept, focus group, evaluation of artifacts, consumer behavior,

DOI: 10.5151/9cidi-congic-4.0087

Referências bibliográficas
  • [1] Csikszentmihalyi, M. (2008) Flow - the psychology of optimal experience. New York: HarperCollins,.
  • [2] Coimbra, C. G. D. (2017). "O autoconceito e o uso de maquilhagem por parte do sexo feminino". Dissertação de Mestrado, Universidade de Lisboa. Instituto Superior de Economia e Gestão
  • [3] Damásio, A. (2000) O mistério da consciência: Do corpo e das emoções ao conhecimento em si.
  • [4] Hanington, B., & Martin, B. (2012) "Universal Methods of Design: 100 ways to Research Complex Problems, Develop Innovative Ideas, and Design Effective Solutions". Everley, MA, USA: Rockport.
  • [5] Hassenzahl, M., Eckoldt, K., Diefenbach, S., Laschke, M., Lenz, E., & Kim, J. (2013) Designing moments of meaning and pleasure - experience design and happiness. International journal of design v. 7 n. 3.
  • [6] Larrosa, J. (2011) Experiência e alteridade em educação. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul. v.19, n2, p.04-27, jul/dez.
  • [7] Norman, D. (2004) Design Emocional – Por que Adoramos (ou Detestamos) os Objetos do Dia-a-Dia. Rio de Janeiro: Rocco.
  • [8] Neves, M. A. V. B. W. (2017) Caracterização do usuário através de uma perspectiva do comportamento do consumidor / Maria Alice Villas Boas Wanderley Neves. - Recife. 179 f.: il., fig. Orientador: Fábio Ferreira da Costa Campos. Tese (Doutorado) - Universidade Federal de Pernambuco, Centro de Artes e Comunicação. Design
  • [9] Roe; D., & Bruwer; J., (2017) “Self-concept, product involvement and consumption occasions: Exploring fine wine consumer behaviour”, British Food Journal, Vol. 119 Issue: 6, pp. 1362-1377, doi: 10.1108/BFJ-10-2016-0476
  • [10] Schneider, F. M. (2012) "Measuring Subjective Movie Evaluation Criteria: Conceptual Foundation, Construction, and Validation of the SMEC Scales". Universität Koblenz-Landau. Dissertação.
  • [11] Toth; Marisa. (2014) “The Role of Self-Concept in Consumer Behaviour”. UNLV Theses, Dissertations, Professional Papers, and Capstones. 2161. https://digitalscholarship.unlv.edu/thesesdissertations/2161
  • [12] Wright, P., Mccarthy, J., & Meekison, L. (2004) Making sense of experience in Funology. Dordrecht: Kluwer Academic Plublishers.
Como citar:

Neves, Cecília Eloy; Campos, Fábio Ferreira da Costa; Franklin, Walter; "Autoconceito: qual é a melhor forma de construir o questionário?", p. 1640-1649 . In: Anais do 9º CIDI | Congresso Internacional de Design da Informação, edição 2019 e do 9º CONGIC | Congresso Nacional de Iniciação Científica em Design da Informação. São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/9cidi-congic-4.0087

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações