Dezembro 2020 vol. 8 num. 5 - Colóquio Internacional de Design 2020

Artigo completo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Atividade editorial no Brasil: primórdios daprodução tipográfica e circulação de impressos nopaís

Editorial activity in Brazil: beginnings of typographic activity and circulation ofprints in the country

Godin, Juliana; Silva, Sérgio Antônio;

Artigo completo:

Ao completar pouco mais de dois séculos em que se autorizou, definitivamente, a implantação daprimeira tipografia no Brasil, este artigo traz um resgate histórico dos caminhos permeados pelasprimeiras casas tipográficas e livrarias, da Colônia ao final do século XIX. A investigação se baseia empesquisa bibliográfica, cujo objetivo é compreender processos e rupturas que possibilitaram, enfim, aconsolidação da atividade editorial no Brasil. A tentativa de inserção de impressos na ColôniaPortuguesa, especialmente livros, carrega forte carga política, econômica e social. Privilégio de poucospor mais 300 anos, a Coroa se preocupava com a disseminação de textos contrários à ordem vigente,instituindo rigoroso controle através da Censura Prévia. A proliferação de periódicos manuscritostornou-se a estratégia encontrada, cuja disseminação dos textos preocupava autoridades de todos osníveis. Os títulos impressos aos quais se tinham acesso eram importados de outros países e, grandeparte, contrabandeados. O estudo nos permite concluir que os processos de publicação no Brasilestiveram atrelados a interesses variados, condicionantes históricas, sociais, culturais, econômicas epolíticas. Os primórdios do percurso editorial brasileiro compõem um retrato multifacetado dosdesafios que a atividade editorial enfrentou para se estabelecer.

Artigo completo:

After just over two centuries in which the implantation of the first typography in Brazil wasdefinitively authorized, this article brings a historical rescue of the paths permeated by the firsttypographic houses and bookstores, from Colony to the end of the 19th century. The investigation isbased on bibliographic research, whose objective is to understand processes and ruptures that havefinally made it possible to consolidate editorial activity in Brazil. The attempt to insert printed materialin the Portuguese Colony, especially books, carries a strong political, economic and social burden. Aprivilege for some people for more than 300 years, the Crown was concerned that the disseminationof texts against the current order, instituting strict control through the Previous Censorship. Theproliferation of manuscript journals became the strategy, whose dissemination of texts concernedauthorities at all levels. The printed titles to which they had access were imported from othercountries and, to a large extent, smuggled. The study allows us to conclude that the publishingprocesses in Brazil were linked to varied interests, historical, social, cultural, economic and politicalconditions. The beginnings of the Brazilian editorial path comprise a multifaceted portrait of thechallenges that the editorial activity faced to establish itself.

Palavras-chave: Atividade editorial no Brasil; Tipografia no Brasil; Imprensa Régia,

Palavras-chave: Editorial activity in Brazil; Typography in Brazil; Royal Press.,

DOI: 10.5151/cid2020-24

Referências bibliográficas
  • [1] ARAÚJO, Emanuel. A Construção do Livro: Princípios da Técnica de Editoração. Nova Fronteira. Rio de Janeiro:1986.
  • [2] BARBOSA, Marialva (Org.). Os manuscritos do Brasil: uma rede de textos no longo século XIX. EDUFF. Rio de Janeiro, 2017.
  • [3] BERGER, Paulo. A tipografia no Rio de Janeiro: Impressores bibliográficos 1808-1900. Cia. Industrial de Papel Pirahy. Rio de Janeiro, 1984.
  • [4] BRASIL. Decisão n. 51, de 28 de agosto de 1821. Sobre a liberdade de imprensa. Coleção das decisões do Governo do Brasil. Rio de Janeiro: 1889.
  • [5] CAMARGO, Ana Maria de Almeida; MORAES, Rubens Borba de. Bibliografia da Impressão Régia do Rio de Janeiro: (1808-1822). Edusp/ Kosmos, 2vols. São Paulo: 1993.
  • [6] CARVALHO, A. de. Annaes da Imprensa Periódica Pernambucana de 1821-1908. Typographia do Jornal do Recife. Recife:1908.
  • [7] CAVALCANTI, N. O Rio de Janeiro setecentista: a vida e a construção da cidade da invasão francesa até a chegada da Corte. Zahar Editor. Rio de Janeiro: 2004.
  • [8] COSTA, H. J. Correio Braziliense ou Armazém Literário. Edição fac-similar. Imprensa Oficial do Estado. São Paulo: 2001-2002.
  • [9] COSTA, H. M. P. da. O protestantismo no Brasil: aspectos jurídicos, culturais e sociais de sua implantação, in: Ciências da Religiã
  • [10] DIRETORIA GERAL DE ESTATÍSTICA. Recenseamento do Brazil: 1872-1920. Rio de Janeiro: (187?) – 1930.
  • [11] FARIAS, Priscila; BRAGA, M. da Costa (Orgs). Dez ensaios sobre Memória Gráfica. Editora Blucher. São Paulo: 2018.
  • [12] FLUSSER, Vilém. The Shape of Things: a Philosophy of Design. Reaktion Books. London: 1999.
  • [13] FONTOURA, Antônio Matiniano. O livro do livro. Editora Gramofone. Curitiba: 2007.
  • [14] GOMES, Laurentino. 1808 – Como uma rainha loca um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a história de Portugal e do Brasil. Editora Planeta. São Paulo: 2011.
  • [15] GONÇALVES, Jayci de M. Madeira. IBGE: um retrato histórico. Memória Institucional 5. Rio de Janeiro: 1995.
  • [16] HALLEWELL, Laurence. O livro no Brasil (sua história). EDUSP. São Paulo: 1985.
  • [17] HOLANDA, S. B. de. Raízes do Brasil. José Olympio, 21. ed. Rio de Janeiro: 1989.
  • [18] INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Brasil: 500 anos de povoamento. IBGE. Rio de Janeiro: 2000.
  • [19] KURY, Lorelai (org.). Iluminismo e Império no Brasil: 'O Patriota' (1813-1814). EditoraFiocruz/Fundação Biblioteca Nacional. Rio de Janeiro: 2007.
  • [20] LIMA SOBRINHO, Alexandre José Barbosa, org. Antologia do Correio Braziliense. Cátedra. Brasília: 1977.
  • [21] LOPES, Antonio. História da imprensa no Maranhão. DASP. Rio de Janeiro:1959.
  • [22] MARTINS, Wilson. A palavra escrita. Ática. São Paulo: 1996.
  • [23] McLUHAN, Marshall. A Galáxia de Gutenberg. Editora Nacional. São Paulo: 1977.
  • [24] MORAES, R. B. de. Livros e bibliotecas no Brasil Colonial. Secretaria da Cultura, Ciência e Tecnologia do Estado de São Paulo. São Paulo: 1979.
  • [25] MORAES, Rubens Borba de. O bibliófilo aprendiz. Briquet de Lemos/Casa da Palavra. Brasília, 2005.
  • [26] MOREL, Marco. Papéis incendiários, gritos e gestos: a cena pública e a construção nacional nos anos 1820-1830. In: Topoi 4 - Revista de História da UFRJ, pp. 39-58. Rio de Janeiro: 2002.
  • [27] ONG, W. J. Orality and literacy: The technologizing of the word. London: Methuen, 1982.
  • [28] PAIVA, Ana Paula Matias. A Aventura do Livro Experimental. Autêntica Editora. Belo Horizonte, 2010.
  • [29] PLAZA. Julio. O livro como forma de arte. Arte em São Paulo. São Paulo: 1982.
  • [30] RIBEIRO, Maria Luisa Santos. História da educação brasileira: a organização escolar. Autores Associados, 21° edição. Campinas: 2010.
  • [31] RIZZINI, C. O jornalismo antes da tipografia. Companhia Editora Nacional. São Paulo: 1977.
  • [32] RIZZINI, Carlos. O livro, o jornal e a tipografia no Brasil – 1500-1822 com um breve estudo geral sobre a informação. Editora Imprensa Oficial. São Paulo: 1988.
  • [33] ROCHA, Claúdio. A letra impressa. SENAI. São Paulo: 2013.
  • [34] ROMANCINI, Richard. A Querela da Imprensa: conflitos regionais e institucionais na construção da história. In: I Seminário Brasileiro sobre Livro e História Editorial. FCRB; UFF-PPGCOM; UFFLIHED. Rio de Janeiro: 2004. www.livroehistoriaeditorial.pro.br/trabalhos4.shtml [acesso em 17 de julho de 2020.
  • [35] SANTOS, Francisco Marques dos. José Joaquim Viegas de Menezes. Ministério da Educação e Saúde. Rio de Janeiro: 1938.
  • [36] SAVIANI, Dermeval. História das ideias pedagógicas no Brasil. 3 ed. Autores Associados. Campinas: 2010.
  • [37] SEMERARO, Claudia Marino; AYROSA, Christiane: História da tipografia no Brasil. Museu de Arte de São Paulo. São Paulo: 1979
  • [38] SETUBAL, Maria Alice. A Formação do Estado de São Paulo, seus habitantes e os usos da terra. Imprensa Oficial de SP. São Paulo: 2004
  • [39] SILVA, M. B. N. da. A Gazeta do Rio de Janeiro (1808-1822): cultura e sociedade. Eduerj. Rio de Janeiro: 2007.
  • [40] SODRÉ, N. W. História da imprensa no Brasil. Editora Mauad. Rio de Janeiro: 1998.
  • [41] TAUNAY, A. De Brasíliae rebus pluribus: o primeiro livro impresso no Brasil. Anais do Museu Paulista. São Paulo:1936.
  • [42] TOFFLER, Alvin. The Third Wave. Bantam Books. New York: 1991.
  • [43] VILLALTA, L. C. Censura literária e inventividade dos leitores no Brasil Colonial. In: CARNEIRO, M. L.T. (Org.). Minorias silenciadas: história da censura no Brasil. Edusp, Imprensa Oficial do Estado, Fapesp. São Paulo: 2002.
Como citar:

Godin, Juliana; Silva, Sérgio Antônio; "Atividade editorial no Brasil: primórdios daprodução tipográfica e circulação de impressos nopaís", p. 301-316 . In: Anais do Colóquio Internacional de Design 2020. São Paulo: Blucher, 2020.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/cid2020-24

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações