Artigo - Open Access.

Idioma principal

As contribuições aos aspectos cognitivos em diferentes abordagens teóricas

Arantes, Lídia Silveira; Araújo, Talita Jéssica do Nascimento de; Rohenkohl, Júlio Eduardo; Viegas, Thales de Oliveira Costa;

Artigo:

A noção de indivíduo, tal como seus aspectos ligados à cognição eaprendizagem, se diferencia na medida em que se altera a perspectiva teóricaadotada para analisar esse tema. Nesse contexto, o presente trabalho pretendeabordar diferentes prismas acerca da cognição dos indivíduos, os quais estãoassociados a abordagens teóricas distintas. Destaforma, o objetivo geral é o de resgatar abordagens teóricas que inserema noção de indivíduo que altera, paulatinamente, sua forma de agir e decidir,mediante o aprendizado institucionalizado. Além disso, confronta a concepção deindivíduo com perfil de decisão único e repetido. Essa última concepção doindivíduo é apriorística e objetiva adequar o indivíduo ao marco epistemológicoda precisão científica. Neste sentido, para uma construção mais afeita aprocessos de mudança são aportadas contribuições de três diferentes abordagens,com a indicação do grau de ruptura “incremental”, representada pela proposiçãode utilidade de Lancaster e pela abordagem evolucionária neoschumpeteriana deNelson e Winter, e a “radical”, identificada com o institucionalismo originalde Veblen. Enveredando pela troca interdisciplinar subjacente aos trabalhos deVeblen, aportam-se contribuições de Richard Scott, e a noção de identidades deJames March para uma melhor caracterização de sujeito cognoscenteinstitucionalizado. Constata-se que a concepção radical é complementar àincremental evolucionária neoschumpeteriana na medida em que processos deaprendizagem tecnológico em organizações convergem para propensões a agirbaseadas em identidades.

Artigo:

Palavras-chave: cognição, indivíduos, institucionalismo,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/enei2018-87

Referências bibliográficas
  • [1] ALMEIDA, Jose Felipe Araujo de. Thorstein Veblen and Albert Bandura: a modern psychological reading of the conspicuous consumer. Journal of Economic Issues, v. 48, n. 1, p. 109-122, 2014. ALMEIDA, Jose Felipe Araujo de. Uma abordagem institucional-psicológica da tomada de decisão dos consumidores. 201 BANDURA, Albert. Social foundations of thought and action: a social cognitive theory. New Jersey: Prentice Hall, 1986. CAVALCANTE, Carolina Miranda. Institutional economics and the three dimensions of institutions. Revista de Economia Contemporânea, v. 18, n. 3, p. 373-392, 2014. CONCEIÇÃO, Octavio Augusto Camargo. O conceito de instituição nas modernas abordagens institucionalistas. Revista de economia contemporânea. Rio de Janeiro. Vol. 6, n. 2 (jul./dez. 2002), p. 119-146, 2002. DA COSTA, Fernando Nogueira. Comportamentos dos investidores: do homo economicus ao homo pragmaticus. 2009. DA GAMA CERQUEIRA, Hugo EA. Sobre a filosofia moral de Adam Smith. Síntese: Revista de Filosofia, v. 35, n. 111, p. 57-86, 2010. DA SILVA, Vagner Luís. Fundamentos do institucionalismo na teoria social de Thorstein Veblen. Política & Sociedade, v. 9, n. 17, p. 289-323, 2010. DEMO, Pedro. Introdução da Metodologia. São Paulo: Atlas, 1985. ENDERLE, Rogério; GUERRERO, Glaison. A herança patrimonialista na burocracia estatal do Brasil: path dependence patrimonialista e a falta da autonomia enraizada do estado brasileiro. ENCONTRO DE ECONOMIA DA REGIÃO SUL, v. 11, 2008. ESTIMA, Camilla de Chermont Prochnik et al. Fatores determinantes de consumo alimentar: por que os indivíduos comem o que comem?. Revista brasileira de nutrição clínica, v. 24, n. 4, p. 263-268, 2009. FERNANDES, Karina Ribeiro; ZANELLI, José Carlos. O processo de construção e reconstrução das identidades dos indivíduos nas organizações. Revista de Administração Contemporânea, v. 10, n. 1, p. 55-72, 2006. GARCIA, Bruno Gaspar. Responsabilidade social das empresas: a contribuição das universidades. Editora Peirópolis, 2002. HODGSON, Geoffrey M. Thorstein Veblen and post-Darwinian economics.Cambridge Journal of Economics, Cambridge, n. 16(3), p. 285-30 1992. JUNIOR, Ronaldo Rodrigues Teixeira; SOUZA, MAO de. Vocabulário de Análise do Comportamento: um manual de consulta para termos usados na área. Santo André: esetec, 2006. LANCASTER, Kelvin J. A new approach to consumer theory. Journal of political economy, v. 74, n. 2, p. 132-157, 1966. LONG, Norman; PLOEG, Jan Douwe van der. Demythologizing planned intervention: an actor perspective. Sociologia Ruralis, v. 29, n. 3‐4, p. 226-249, 1989. LOUVIERE, J. J.; HENSHER, D. A.; SWAIT, J. D. Stated Choice Methods: Analysis and Application. Cambridge: Cambridge University Press, 2000. MARCH, James G. How decisions happen in organizations. Human-computer interaction, v. 6, n. 2, p. 95-117, 199 MARCH, James G. Primer on decision making: How decisions happen. Simon and Schuster, 1994.MARCH 1994. Markus, H., &Zajonk, R.B. 1985. The cognitive perspective in social psychology.In G.Lindsey& E. Aronson (Eds.) Handbook of social psychology: 137-230. New York: Random House. MATURANA, Humberto R. et al. Cognição, ciência e vida cotidiana. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 200 MONASTERIO, Leonardo Monteiro. Veblen e o Comportamento Humano: uma avaliação após um século de “A Teoria da Classe Ociosa”. Cadernos IHU Idéias, v. 42, n. 3, 2005. NELSON RICHARD, R.; WINTER SIDNEY, G.An evolutionary theory of economic change. Harvard Business School Press, Cambridge, 1982. NELSON, Richard R.; WINTER, Sidney G. Evolutionary theorizing in economics. The journal of economic perspectives, v. 16, n. 2, p. 23-46, 2002. NELSON, Richard R.; WINTER, Sidney G. Uma teoria evolucionária da mudança econômica. Editora Unicamp, 2005. PINKER, S. O instinto da linguagem: Como a mente cria a linguagem (1954). Tradução Claudia Berliner. São Paulo: Martins Fontes, 2002. SANTINELLO, Jamile. A identidade do indivíduo e sua construção nas relações sociais: pressupostos teóricos. Revista de Estudos da Comunicação, v. 12, n. 28, 2017. SCOTT, W. Richard et al. Institutional theory: Contributing to a theoretical research program. Great minds in management: The process of theory development, v. 37, p. 460-484, 2005. SCOTT, W. Richard. Approaching adulthood: the maturing of institutional theory. Theory and society, v. 37, n. 5, p. 427, 2008. SCOTT, W. Richard. Instituitions and organizations. Thousande Oakes: Sage, 200 SIMON, Herbert A. Rationality as process and as product of thought. The American economic review, p. 1-16, 1978. STEINGRABER, Ronivaldo; FERNANDEZ, Ramon Garcia. A racionalidade limitada de Herbert Simon na Microeconomia. Revista da Sociedade Brasileira de Economia Política, n. 34, 2013. Wicks, D. 200Institutionalized mindsets of invulnerability: Differentiated institutional fields and the antecedents of organizational crisis. Organization Studies, 22(4): 659-692. ZULIAN, A. Indivíduos e comportamento: aspectos cognitivos, institucionais e identidades sociais. 2015. Dissertação (Mestrado em Economia e Desenvolvimento) – Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, 2015.
Como citar:

Arantes, Lídia Silveira; Araújo, Talita Jéssica do Nascimento de; Rohenkohl, Júlio Eduardo; Viegas, Thales de Oliveira Costa; "As contribuições aos aspectos cognitivos em diferentes abordagens teóricas", p. 1586-1600 . In: . São Paulo: Blucher, 2018.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/enei2018-87

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações