Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

ARTE GRÁFICA DE PROTESTO: REFLEXÕES ACERCA DOS CARTAZES POLÍTICOS DAS JORNADAS DE JUNHO

Silva, Rubens Rangel; Veneroso, Maria do Carmo de Freitas;

Artigo Completo:

A humanidade tem uma trajetória contínua de guerras e conflitos e as artes gráficas têm papel importante nessa história. Assim como a obra Guernica (1937), de Pablo Picasso, o cartaz pode configurar-se como instrumento de impor supremacia ou salvaguardar interesses culturais, materiais, ideológicos e políticos. Essa importância pode ser observada nas guerras mundiais e civis, nas ditaduras militares e nas insurreições populares ocorridas em diversos países e diferentes tempos. Em junho de 2013 o cartaz político teve grande importância e participação nas manifestações que tomaram as ruas das cidades brasileiras, também conhecidas como Jornadas de Junho. Nesses atos percebeu-se significativa presença da mídia cartaz como ferramenta de expressão e de propagação de ideias. Isso porque o cartaz dialoga rapidamente com as pessoas e o ambiente urbano, acompanhando o desenvolvimento das relações sociais, culturais, econômicas, políticas e tecnológicas.

Artigo Completo:

Palavras-chave: arte gráfica de protesto; Jornadas de Junho; cartaz político.,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/despro-ped2016-0052

Referências bibliográficas
  • [1] AGAMBEN, Giorgio. O que é contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009.
  • [2] CHAGAS, Mário. Cultura, Patrimônio e Memória. In: Revista Museu: cultura levada a sério. 2013. Disponível em: . Acesso em: 18 ago. 2015.
  • [3] FLUSSER, Vilém. O mundo codificado: por uma filosofia do design e da comunicação. São Paulo: Cosac Naify, 2007.
  • [4] HARDT, Michael; NEGRI, Antonio. Multidão: guerra e democracia na era do Império. Trad. Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Record, 2005.
  • [5] HOLLIS, Richard. Design gráfico: uma história concisa. Trad. Carlos Daudt. 2a. tiragem. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
  • [6] LÉVY, Pierre. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. São Paulo: Editora 34, 1993.
  • [7] MELO, Chico Homem de. Linha do tempo do design gráfico no Brasil. São Paulo: Cosac Naify, 2011.
  • [8] MOLES, Abraham Moles. O cartaz. São Paulo: Perspectiva, 1974.
  • [9] NEVES, Flávia de Barros. Design gráfico e mobilização social. 200 148 f. Dissertação (Mestrado). Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Escola Superior de Desenho Industrial, Rio de Janeiro, 200
  • [10] PECHMAN, Robert Moses. No avesso dos cartazes, uma Cidade Perversa. In: PEIXOTO, Elane Ribeiro; DERNTL, Maria Fernanda; PALAZZO, Pedro Paulo; TREVISAN, Ricardo (Org.). Tempos e escalas da cidade e do urbanismo: Anais do XIII Seminário de História da Cidade e do Urbanismo. Brasília, DF: Universidade Brasília- Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, 2014. Disponível em: . Acesso em: 11 ago. 2015.
  • [11] SONTAG, Susan. Pôster: anúncio, arte, artefato político e mercadoria. In: BIERUT, Michael; HELFAND, Jessica; HELLER, Steven; POYNOR, RiALESE, Adriana. Design vernacular urbano: a produção de artefatos populares em São Paulo como estratégia de comunicação e inserção social. 2007. 107 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Semiótica) - Pontifícia Universidade Católica de São Paulo – PUC/SP, São Paulo, 2007.
Como citar:

Silva, Rubens Rangel; Veneroso, Maria do Carmo de Freitas; "ARTE GRÁFICA DE PROTESTO: REFLEXÕES ACERCA DOS CARTAZES POLÍTICOS DAS JORNADAS DE JUNHO", p. 607-617 . In: Anais do 12º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design [= Blucher Design Proceedings, v. 9, n. 2]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/despro-ped2016-0052

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações