Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

ANÁLISE ERGONOMICA DA TAREFA DOS ENFERMEIROS DAS CLÍNICAS CIRÚRGICAS DA INTERNAÇÃO DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFPE - Um estudo com o uso da Termografia Digital

SILVA, José Roberto Rocha da; MARÇAL, Márcio; OLIVEIRA, Jacqueline Augusta do Nascimento; SOARES, Marcelo Márcio;

Artigo Completo:

Avaliar a atividade laboral dos enfermeiros, a partir da análise ergonômica dos postos de trabalho das clínicas cirúrgicas do hospital das clínicas da UFPE, aplicando a técnica da termografia digital. A pesquisa ocorreu por meio da captura das imagens termográficas. Os resultados evidenciam alterações fisiológicas apontadas pelos pontos de hiperradiação devido ao aumento do metabolismo cutâneo nos pesquisados, apresentadas nas áreas em destaque, sendo as regiões corporais admitidas topograficamente: as regiões da coluna cervical, da coluna torácica, lombar e dos ombros. Recomenda-se a prevenção dos transtornos musculoesqueléticos para melhorias do bem-estar no ambiente laboral.

Artigo Completo:

Palavras-chave: Ergonomia. Enfermagem. Posto de trabalho. Termografia digital,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/engpro-conaerg2016-7046

Referências bibliográficas
  • [1] AHN, Correlation Between Pain Scale and Infrared Thermogram in Unilateral Pain Patients After Nerve Block. (abstract). J Korean Med Thermol ., p. 59, 2002.
  • [2] ABERGO - Associação Brasileira de Ergonomia. Fonte: http://ergonomiaaplicada.blogspot.com.br/2007/08/abergo-associao-brasileira-de-ergonomia.html. Acesso em abril de 2016.
  • [3] ANVISA.Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RESOLUÇÃO-RDC Nº 50, DE 21 DE FEVEREIRO DE 2002. Regulamento Técnico para planejamento, programação, elaboração e avaliação de projetos físicos de estabelecimentos assistenciais de saúde. 2002.
  • [4] BACH, V, et al. The interaction between sleep and thermoregulation in adults and neonates. Sleep medicine reviews, v.6, n.6, 481-492.2003.
  • [5] BERENGUER, F., SILVA, D., CARVALHO, C. Influência da posição ortostática na ocorrência de sintomas e sinais clínicos de venopatias de membros inferiores em trabalhadores de uma gráfica na cidade do Recife-PE. Rev Bras Saúde Ocupacional, 153-161. 2011.
  • [6] BRIOSCHI, M. Infrared thermal imaging in patients with chronic pain in upper limbs. J Korean Med Therm. 2002; 2(1):73-73., pp. 73-73. 2002.
  • [7] DIEGO-MÁS, J. A., CUESTA, S. A. (NIOSH (National Institute for Occupacional Safety and Health, http://www.ergonautas.upv.es/metodos/niosh-ayuda.php. Acesso em 02 de outubro de 2015. 2015.
  • [8] DOBRATZ, R. J. et al. Predicting energy expenditure in extremely obese women. J Parenter Enteral Nut, 217-27. 2007.
  • [9] COFEN.http://www.cofen.gov.br/.revista.portalcofen.gov.br/index.php/enfermagem/article//195/131. Fonte: COFEN. Acesso em março de 2016. 2011.
  • [10] CONNELL, R. W. Políticas da masculinidade. Educação e Realidade. Políticas da masculinidade. Educação e Realidade, 185-206. 20
  • [11] EDWIN, C. Effects of pilatesbased exercises on pain and disability in individuals with persistent nonspecific low back pain: a systematic review with meta-analysis, pp. 70-80. 20
  • [12] GOMES, M., BORGES, L. NASCIMENTO, J. Ciclos de Desenvolvimento Profissional e a Qualidade de Vida de Professores de Educação Física da Região Sudoeste da Bahia.Rev Bras Educ Física Esporte Lazer e Dança, 104-114. 2007.
  • [13] INOUE, K. C. Dimensionamento de pessoal de enfermagem em Unidade de Terapia Intensiva para adultos. ACTA, 379-384. 2010.
  • [14] HIGNETT, S. MCATAMNEY, L. Rapid entire body assessment (REBA). Applied Ergonomics, p201-205. 2005.
  • [15] KATCH, F. I. McARDLE, W. D. (2006). Nutrição, exercício e saúde. . Rio de Janeiro: Medsi.
  • [16] KIRCHHOF, A. et al. Compreendendo cargas de trabalho na pesquisa em saúde ocupacional na enfermagem. Colomb Med., 113-19. 2011.
  • [17] MAFRA, S. C. A Ergonomia Como Ferramenta Para a Melhoria da Qualidade de Vida nos Departamentos e Setores da Universidade Federal de Viçosa. XII Simpep – Bauru, São Paulo: Novembro. 2010.
  • [18] MORAES, A. PEQUINI, S. Ergonomia e usabilidade. Salvador: UNEB. 2004.
  • [19] MORAES, A. MONT'ALVÃO, C. Ergonomia: conceitos e aplicações. Teresópolis: 4. ed. rev. atual e ampl. 2010.
  • [20] MEDEIROS, S. M. As novas formas de organização do trabalho na 3ª revolução industrial e a força de trabalho em enfermagem: estudo em Natal/RN. Tese de doutorado em enfermagem/Universidade de São Paulo. Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil: Escola de Enfermagem de ribeirão Preto. Programa de Pós-gradução Interunidades. Departamento materno infantil e saúde pública. 2006.
  • [21] Ministério da Saúde. BRASIL.Ministério da Sáude.Doenças relacionadas ao trabalho. Manual de procedimentos para o serviço de saúde, Brasília (DF). 2001.
  • [22] NBR 10898/99. (s.d.). Sistema de Iluminaçao de Emergencia.
  • [23] NBR 13534-95. (s.d.). NBR- NORMAS PARA INSTALAÇÕES ELÉTRICAS .
  • [24] NBR10152. TÉCNICAS, ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS. Nível de rúido para conforto acústico. 2000.
  • [25] NBR5413. Iluminação de interiores. 1992.
  • [26] NBR8995-1. NBR ISSO/CIE 8995-1. Iluminação de ambientes de trabalho. 2013.
  • [27] PANERO, Julius, MARTINS Zelnik. Dimensionamento humano para espaços interiores. Barcelona: Editora Gustavo Gili,7ª edição, 2012.
  • [28] PASCHOAL, T.TAMAYO, Á. Validação da Escala de Estresse no Trabalho. Estudos de Psicologia. Universidade de Brasília. , 45-52. 2004.
  • [29] PINHEIRO, F. A. TRÓCOLI, B. T. CARVALHO, C. V. Validação do Questionário Nórdico de Sintomas Osteomusculares como medida de morbidade, Rev Saúde Pública, 307-312. 2005.
  • [30] POLIT, D. BECK, B. HUNGLER. Fundamentos de pesquisa em enfermagem: métodos, avaliação e utilização. Porto Alegre: Artmed. 2004.
  • [31] RIBEIRO, S. O. O processo de trabalho em enfermagem. pp. 616-623. 2003.
  • [32] SOARES, M. M. Fundamentos em Ergonomia. . Apostila do primeiro Curso de Mestrado em Ergonomia. Departamento de Design. Recife, Pernambuco: Universidade Federal de Pernambuco. 2013.
  • [33] STACCIARINI, J.TRÓCOLLI, B. Instrumento para mensurar o estresse ocupacional: inventário de estresse Rev.latino-am.enfermagem. Ribeirão Preto, v. 8, n. 6, 40-49. 2000.
  • [34] UNBEHAUM, S. G. Gênero, masculinidade e prevenção. . Anais do seminário sobre cultura, saúde e doença. Londrina: Universidade Estadual de Londrina., 150-162. 2013.
  • [35] VIVIANI, M. T. e colaboradores. Correlação entre o gasto energético, peso corporal e massa magra de mulheres sedentárias e ativas. Colloquium Vitae. São Paulo. Vol. 1. Núm. 2. , 75-83. 2009.
  • [36] VOLP, A. C. e colaboradores. Energy expenditure: components and evaluation methods. Nutr Hosp. Vol. 26. Núm. 3. Nutr Hosp. Vol. 26. Núm. 3. , 430- 440. 2011.
Como citar:

SILVA, José Roberto Rocha da; MARÇAL, Márcio; OLIVEIRA, Jacqueline Augusta do Nascimento; SOARES, Marcelo Márcio; "ANÁLISE ERGONOMICA DA TAREFA DOS ENFERMEIROS DAS CLÍNICAS CIRÚRGICAS DA INTERNAÇÃO DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA UFPE - Um estudo com o uso da Termografia Digital", p. 686-696 . In: 1º Congresso Internacional de Ergonomia Aplicada [=Blucher Engineering Proceedings, v.3 n.3]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/engpro-conaerg2016-7046

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações