Artigo completo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

Análise do crescimento industrial dos aglomerados produtivos de Santa Catarina

Analysis of Industrial Growth in the Productive Clusters of Santa Catarina

Kretzer, Jucélio; Cário, Sílvio Antônio Ferraz;

Artigo completo:

O presente trabalho tem por objetivo examinar o potencial de crescimento de pequenas empresas industriais catarinense no contexto de aglomerações produtivas. Fatores como produtividade e outros associados à eficiência produtiva determinam o crescimento industrial. Trata-se de um estudo empírico com base em informações estatísticas disponibilizadas pelo IBGE e pela RAIS, que visa analisar indicadores de produção industrial, inclusive no âmbito de aglomerados produtivos. A manufatura catarinense apresenta-se fortemente especializada em atividades baseadas em recursos naturais e intensivas em trabalho. Sob a ótica da demanda, as estimativas dos parâmetros da análise estatística da agregação de valor pelos grupos setoriais que abrigam os aglomerados produtivos de SC revelam que, principalmente, os setores fabricantes de bens de investimento, que operam com níveis de eficiência similares, indicam um potencial de crescimento industrial muito promissor para o estado. Políticas de desenvolvimento local focar, de um lado, na promoção de vínculos produtivos e transferências tecnológicas entre clusters afins e na necessidade de transformação do atual padrão de especialização centrado em recursos naturais e trabalho, de modo a avançar para setores intensivos em conhecimento e com maior valor adicionado. Por outro, as medidas de cluster no estado de SC devem promover os setores de bens de consumo e bens de investimento pelas seguintes razões: são setores com (1) maior peso na composição da produção industrial local; (2) maior potencial de dinamizar as cadeias produtivas existentes; e (3) maior incidência de aglomerações produtivas com potencial de ganhos de produtividade intersetorial e com relação a um aumento na renda per capita.

Artigo completo:

The present work aims to examine the growth potential of small industrial companies in Santa Catarina in the context of productive agglomerations. Factors such as productivity and others associated with productive efficiency determine industrial growth. This is an empirical study based on statistical information provided by IBGE and RAIS, which aims to analyze industrial production indicators, including in the context of productive clusters. The manufacture of Santa Catarina is strongly specialized in activities based on natural resources and labor intensive. From the perspective of demand, the estimates of the parameters of the statistical analysis of the aggregation of value by the sector groups that house the productive clusters of SC reveal that, mainly, the sectors that manufacture investment goods, which operate with similar levels of efficiency, indicate a very promising industrial growth potential for the state. Local development policies focus, on the one hand, on the promotion of productive links and technological transfers between similar clusters and on the need to transform the current pattern of specialization centered on natural resources and labor, in order to advance to knowledge-intensive sectors and with greater added value. On the other hand, cluster measures in the state of SC should promote the sectors of consumer goods and investment goods for the following reasons: they are sectors with (1) greater weight in the composition of local industrial production; (2) greater potential to boost existing production chains; and (3) a higher incidence of productive agglomerations with potential for gains in intersectoral productivity and in relation to an increase in per capita income.

Palavras-chave: Crescimento da produção industrial; produtividade; economias de aglomeração; Santa Catarina.,

Palavras-chave: Industrial production growth; productivity; agglomeration economies; Santa Catarina.,

DOI: 10.5151/v-enei-768

Referências bibliográficas
  • [1] ANDERSEN, A. D.; JOHNSON, B. H.; MARÍN, A.; KAPLAN, D.; STUBRIN, L.; LUNDVALL, B-Å.; KAPLINSKY, R. Natural resources, innovation and development. 2015. Globelics Thematic Reiew. Aalborg Universitet. Disponível em: https://doi.org/10.5278/VBN/MISC/NRID. Acesso em: 26 mar. 2020.
  • [2] BCB - BANCO CEBNTRAL DO BRASIL. Sistema Gerenciador de Séries Temporais – SGST. Brasília: BCB, 2020. Disponível em: https://www3.bcb.gov.br/sgspub/localizarseries/localizarSeries.do?method=prepararTelaLocalizarSeries. Acesso em: 19 ago. 2020.
  • [3] BENTO, P.; RESTUCCIA, D. On average establishment size across sectors and countries. Working Paper N. 24968. Cambridge, MA: National Bureau of Economic Research Massachusetts, August 2018, 49 p.
  • [4] CALIGNANO, G.; FITJAR, R. D. Strengthening relationships in clusters: How effective is an indirect policy measure carried out in a peripheral technology district? The Annals of Regional Science 59, p. 139–169, 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1007/s00168-017-0821-x. Acesso em 25 mar. 2021.
  • [5] CARRIÓN, L. F.; BERCOVICH, N.; PATON, J.; CASTILLO, J. Contribution of cluster strategies and inter-cluster cooperation for the competitive progress of the EU and LAC. Congress of the Latin American Studies Association. 2018. Barcelona, Spain, May 23 - 26, 2018. 19 p. Disponível em: https://mpra.ub.uni-muenchen.de/87274/. Acesso em 20 mar. 2021.
  • [6] CHENERY, H. B. Patterns of industrial growth. The American Economic Review, v. 50, n. 4, p. 624-654, September, 1960.
  • [7] CICCONE, A.; HALL, R. Productivity and the density of economic activity. American Economic Review, v. 86, n. 1, p. 54–70, 1996.
  • [8] COSTA, F. N. Por que a indústria é relevante para o desenvolvimento brasileiro? IEDI, 2012. Disponível em: https://fernandonogueiracosta.wordpress.com/2012/06/29/iedi-por-que-a-industria-e-relevante-para-o-desenvolvimento-brasileiro/. Acesso em: 15 mar. 2020.
  • [9] FESER, E. The relevance of clusters for innovation policy in Latin America and the Caribbean. Background paper prepared for the World Bank, LAC Group. 2002. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/228791274_The_Relevance_of_Clusters_for_Innovation_Policy_in_Latin_America_and_the_Caribbean. Acesso em 1 abr. 2021.
  • [10] FITJAR, R. D.; RODRÍGUEZ-POSE, A. Nothing is in the air. Growth and Chang, v. 48, n. 1, p. 22-39, 2016. Disponível em: https://doi.org/1111/grow.12161. Acesso em 20 mar. 2021.
  • [11] FURTADO, C. Teoria e prática do desenvolvimento econômico. 10. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra. 2000. 355 p.
  • [12] GABRIEL, L. F.; RIBEIRO, L. C. D.; JAYME JR, F. G.; OREIRO, J. L. C. Manufacturing, economic growth, and real exchange rate: empirical evidence in panel data and input-output multipliers. PSL Quarterly Review, v. 73, n. 292, p. 51-75, March 2020.
  • [13] GARONE, F. L.; MAFFIOLI, A., NEGRI, J.A., RODRIGUEZ, C. M.; VÁZQUEZ-BARÉ, G. Cluster development policy, SME’s performance, and spillovers: evidence from Brazil. Small Business Economics, n. 44, p. 925–948, 2014.
  • [14] GIULIANI E.; BELL, M. The micro-determinants of learning and innovation: evidence from a Chilean wine cluster. Research Policy, v. 34, n.1, p. 47–68, February 2005.
  • [15] HAUSMANN, R.; RUDRIK, D. Economic development as self-discovery. Working Paper N. 8952. Cambridge, MA: National Bureau of Economic Research, May, 2002. 44 p.
  • [16] HENDERSON, V.; KUNKORO, A.; TURNER, M. Industrial development of cities. Journal of Political Economy, vol. 103, n. 5, p. 1067–1090, 1995.
  • [17] IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Sistema de Contas Nacionais Trimestrais - SCNT. Rio de janeiro: IBGE, 2020a. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/economicas/contas-nacionais/9300-contas-nacionais-trimestrais.html?=&t=o-que-e. Acesso em: 1 out. 2020.
  • [18] IBGE - INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Sistema IBGE de Recuperação Automática – SIDRA. Pesquisa Industrial Anual – Empresa. Rio de Janeiro: IBGE, 2020b. Disponível em: https://sidra.ibge.gov.br/tabela/1848. Acesso em: 2 set. 2020.
  • [19] IEDI - INSTITUTO DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL. A indústria como motor do crescimento. Carta IEDI Edição 1065. São Paulo: IEDI, 2021. Disponível em:https://www.iedi.org.br/cartas/carta_iedi_n_1065.html. Acesso em: 22 mar. 2021.
  • [20] IEDI - INSTITUTO DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL. Indústria de transformação: investimento, produtividade e lucro. Carta IEDI Edição 943. São Paulo: IEDI, 2019. Disponível em: https://iedi.org.br/cartas/carta_iedi_n_943.html. Acesso em: 21 mar. 2021.
  • [21] IEDI - INSTITUTO DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL. A produtividade industrial no período recente. Carta IEDI Edição 864. São Paulo: IEDI, 2018. Disponível em: https://www.iedi.org.br/cartas/carta_iedi_n_864.html. Acesso em: 15 set. 2020.
  • [22] IEDI - INSTITUTO DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL. Indústria, desenvolvimento e política industrial. Carta IEDI Edição 530. São Paulo: IEDI, 2012. Disponível em: https://www.iedi.org.br/cartas/carta_iedi_n_530.html. Acesso em: 23 mar. 2021.
  • [23] IPARDES - INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Identificação dos setores estratégicos da indústria de transformação no Paraná. Caderno Ipardes: Estudos e Pesquisas. Curitiba: IPARDES, v.1, n.2, p. 17-35, jul./dez. 2011.
  • [24] IPARDES - INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Arranjos produtivos locais do Estado do Paraná: identificação, caracterização e construção de tipologia. Curitiba: IPARDES, 2006, 156 p.
  • [25] IPARDES - INSTITUTO PARANAENSE DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL. Arranjos produtivos locais e o novo padrão de especialização regional da indústria paranaense na década de 90. Curitiba: IPARDES, 2003, 95 p.
  • [26] JIMÉNEZ F.; LUCIO, I. F.; MENÉNDEZ, A. Los sistemas regionales de innovación: experiencias concretas en América Latina. In: LLISTERRI, J. J.; PIETROBELLI, C.; LARSSON M. (Eds.). Los sistemas regionales de innovación em América Latina. New York: Banco Interamericano de Desarrollo, p. 58-103. 2011.
  • [27] KATZ, J.; PIETROBELLI, C. Natural resource based growth, global value chains and domestic capabilities in the mining industry. Resources Policy, v. 58, p. 11-20, 2018.
  • [28] MARCHALL, A. Princípios de economia: tratado introdutório. Volume 1. São Paulo: Editora Nova Cultural Ltda. Tradução revista de Rômulo Almeida e Ottolmy Strauch. 1996[1890], 368 p.
  • [29] MCMILLAN, M.; RODRIK, D.; VERDUZCO-GALLO, I. Globalization, structural change, and productivity growth, with an update on Africa. Published by Elsevier Ltd. World Development, v. 63, p. 11–32, 2014.
  • [30] MONTEBELLER FILHO, G.; BINOTTO, P. A. “Caracterização geral da economia regional”. In: CÁRIO, S. A. F. et al. (Orgs.) Economia de Santa Catarina: inserção industrial e dinâmica competitiva. Blumenau: Nova letras, p. 25-64, 2008.
  • [31] MORCEIRO, P. C. A indústria brasileira no limiar do século XXI: uma análise da sua evolução estrutural, comercial e tecnológica. Tese de Doutorado. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Departamento de Economia. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2018, 198 p.
  • [32] MORRISON, A.; RABELLOTTI, R.; ZIRULIA, L. When do global pipelines enhance the diffusion of knowledge in clusters? Economic Geography, v. 89, n. 1, p. 77–96, Janary 2013. Disponível em: https://doi.org/10.1111/j.1944-8287.2012.01167.x. Acesso em: 20 mar. 2021.
  • [33] PHILIPPEN, S.; KNAAP, B. van der. When clusters become networks. A study into the causes of strategic collaboration amongst geographically clustered organizations. Tinbergen Institute Discussion Paper - TI 2007-100/3, p. 1-32, 2007. Disponível em: https://papers.tinbergen.nl/07100.pdf. Acesso em 20 mar. 2021.
  • [34] PINDYCK, R.; RUBINFELD, D. Microeconomia. Tradução Daniel Vieira, revisão técnica Edgard Merlo, Julio Pires. 8. ed. São Paulo: Pearson Education do Brasil, 2013.
  • [35] PORTER, M. E. “Aglomerados e competição: novas agendas para empresas, governos e instituições”. 2ª ed. In: PORTER, M. E. Competição: estratégias competitivas essenciais. Rio de Janeiro: Elsevier, p. 209-303, 2001.
  • [36] RAIS - RELAÇÃO ANUAL DE INFORMAÇÕES SOCIAIS. (2020). Base de dados. Brasília: Ministério do Trabalho. Disponível em: http://bi.mte.gov.br/bgcaged/caged_rais_estabelecimento_id/login.php. Acesso em: 15 jun. 2020.
  • [37] SCHETTINI, D. C. D. Eficiência produtiva da indústria nas regiões brasileiras: uma análise de fronteiras estocásticas e cadeias espaciais de Markov. Tese de Doutorado. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Departamento de Economia. Universidade de São Paulo. São Paulo, 2010, 198 p.
  • [38] SCHMITZ, H. Eficiência coletiva: caminho de crescimento para a indústria de pequeno porte. Ensaios FEE, v. 18, n. 2, p. 164-200, 1997.
  • [39] SCHMITZ, H.; NADVI, K. Clustering and industrialization: introduction. World Development, v. 27, n. 9, p. 1503-1514, 1999.
  • [40] SEPLAN - SECRETARIA DE ESTADO DO PLANEJAMENTO. Portal Estatístico. Diretoria de Estatística e Cartografia. Gerência de Estatística. Disponível em: https://sites.google.com/a/spg.sc.gov.br/portal/indicadores/ind_economia. Acesso em: 28 maio 2020.
  • [41] SNODGRASS, D. R.; BIGGS, T. Industrialization and small firm: partner and policies. A copublication of the International Center for Economic Growth and the Harvard Institute for International Development. San Francisco, 1996, 316 p.
  • [42] STATEY, E.; MORSE, R. Industrialização e desenvolvimento: a pequena indústria moderna para países em desenvolvimento. São Paulo: Editora Atlas, 1971[1965].
  • [43] TATSCH, A. L.; BOTELHO, M. R. A.; MATOS, M. P. “Arranjos produtivos locais como instrumento de promoção do desenvolvimento local e regional: as experiências do Sul e Sudeste”. In: MATOS, M. P. et al. (Orgs.). Arranjos produtivos locais: referencial, experiências e políticas em 20 anos da RedeSist. Cap. 12, p.371-390. 2017. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/340388774. Acesso em: 25 mar. 2021.
  • [44] YOUNG, A. A. Increasing returns and economic progress. The Economic Journal, v. 38, n. 152, p. 527-542, December 1928.
Como citar:

Kretzer, Jucélio; Cário, Sílvio Antônio Ferraz; "Análise do crescimento industrial dos aglomerados produtivos de Santa Catarina", p. 2120-2141 . In: Anais do V Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação (ENEI): “Inovação, Sustentabilidade e Pandemia”. São Paulo: Blucher, 2021.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/v-enei-768

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações