Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE ESPACIAL EM SHOPPING CENTER: O CASO DO SHOPPING PELOTAS

ANDRADE, Isabela Fernandes; RODEGHIERO NETO, Italo; ZANCHIN, Mayara; BROMBILLA, Douglas de Castro;

Artigo Completo:

Para criar ambientes acessíveis a todos os usuários, é necessário o conhecimento das habilidades dos diferentes indivíduos e, ainda, das deficiências que podem acometê-los. Sendo o Shopping Center uma edificação pública utilizada por elevado número de pessoas diariamente, o projeto traz como objetivo avaliar as condições de acessibilidade espacial do Shopping Pelotas sob o ponto de vista do técnico frente ao espaço e, ainda, de dois usuários: cego e indivíduo em cadeira de rodas. Para isto, foram aplicados dois métodos: visita exploratória e passeio acompanhado. A maior parte dos resultados obtidos na visita foi ratificada nos passeios. Entretanto, alguns problemas em relação à acessibilidade espacial ainda foram identificados. Pode-se citar, como exemplo, que, embora exista piso tátil instalado nas áreas de acesso ao Shopping, o indivíduo cego não o identificou visto que sua textura se assemelha ao piso adjacente.

Artigo Completo:

Palavras-chave: acessibilidade espacial; visita exploratória; passeio acompanhado,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/despro-eneac2016-POST05

Referências bibliográficas
  • [1] ANDRADE, I.F; BINS ELY, V.M. Edificações Históricas Preservadas: Intervir para Torná-las Acessíveis. Ação Ergonômica - Revista Brasileira de Ergonomia, Florianópolis, v7, n.2, p.80, 2009.
  • [2] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. 3. ed. Rio de Janeiro: ABNT, 2015. Disponível em: http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/sites/default/files/arquivos/%5Bfield_generico_imagens-filefield-description%5D_164.pdf. Acesso em Novembro de 2015.
  • [3] BINS ELY, V.M. Seminário Acessibilidade no Cotidiano. Palestrante da Mesa Redonda Estudos da Acessibilidade no Espaço Construído, com o tema Orientar-se no espaço: condição indispensável para a acessibilidade. 2004.
  • [4] BITTENCOURT, Maria Cristina. Arquitetura de shopping centers: usabilidade relacionada à atratividade nos espaços semipúblicos para os usuários idosos / Maria Cristina Bittencourt; orientadora, Vera Lucia Duarte do Valle Pereira; co-orientador, Waldemar Pacheco Júnior. Florianópolis, SC, 2013.
  • [5] CARLIN, Fernanda. Acessibilidade espacial em Shopping Centers: um estudo de caso / Fernanda Carlin ; orientadora, Vera Helena Moro Bins Ely. – Florianópolis, 2004. 191 f.: il ; tabs.
  • [6] Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (2007). Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: Protocolo Facultativo à Convenção sobre os Direitos das
  • [7] Pessoas com Deficiência: decreto legislativo nº 186, de 09 de julho de 2008: decreto nº 6.949, de 25 de agosto de 2009. -- 4. ed., rev. e atual. – Brasília : Secretaria de Direitos Humanos, Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência, 2011.
  • [8] DE ALMEIDA, Paula Aparecida Santini; BARTHOLOMEI, Carolina Lotufo Bueno. Acessibilidade de “cadeirantes” no espaço de ensino público. UNESP, Campus de Presidente Prudente – SP, 2012.
  • [9] DISCHINGER, Marta. Designing for all senses: accessible spaces for visually impaired citizens.
  • [10] Goteborg, Suécia: Department of Space and Process, School of Architecture, Chalmers University of Technology, 2000.
  • [11] DISCHINGER, Marta. Promovendo acessibilidade espacial nos edifícios públicos: Programa de
  • [12] Acessibilidade às Pessoas com Deficiência ou Mobilidade Reduzida nas Edificações de Uso Público / Marta Dischinger, Vera Helena Moro Bins Ely, Sonia Maria Demeda Groisman Piardi. – Florianópolis: MPSC, 20 161 p.
  • [13] GUIMARÃES, Marcelo Pinto. Uma Abordagem Holística na Prática do Design Universal. In: CORREAA, R. M. (Org.). Avanços e Desafios na Construção de uma Sociedade Inclusiva. Belo Horizonte: Editora PUC-Minas. 2009.
  • [14] LIMA, P. A. Locomoção e orientação espacial como fatores de inclusão de pessoas cegas na escola e no trabalho. Revista Nossos Meios- Dez/2008.
  • [15] ORNSTEIN, S.W., ROMERO, M (colaborador) . Avaliação Pós-Ocupação (APO) do Ambiente Construído. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1992.
  • [16] SHOPPING PELOTAS. Informações técnicas sobre o Shopping Pelotas. Disponível em . Acessado em: 26 de junho de 2015.
Como citar:

ANDRADE, Isabela Fernandes; RODEGHIERO NETO, Italo; ZANCHIN, Mayara; BROMBILLA, Douglas de Castro; "ANÁLISE DAS CONDIÇÕES DE ACESSIBILIDADE ESPACIAL EM SHOPPING CENTER: O CASO DO SHOPPING PELOTAS", p. 708-718 . In: Anais do VI Encontro Nacional de Ergonomia do Ambiente Construído & VII Seminário Brasileiro de Acessibilidade Integral [=Blucher Design Proceedings, v.2 n.7]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/despro-eneac2016-POST05

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações