Artigo - Open Access.

Idioma principal

ANÁLISE DA QUALIDADE DO AR NA BIBLIOTECA PÚBLICA DE UM CAMPUS UNIVERSITÁRIO

SOUSA, Dálete Maria Lima de; PANTOJA, Lydia Dayanne Maia; NUNES, Ana Bárbara de Araújo;

Artigo:

Os fungos são ditos anemófilos quando dispersos por via atmosférica e são causadores de doenças alérgicas. O objetivo da presente pesquisa foi analisar a qualidade do ar de uma biblioteca pública universitária, no município de Fortaleza-CE, através de identificação da microbiota fúngica. Para tanto, analisou-se 4 setores, a saber: Recepção, Acervo Geral, Sala de Estudo Coletivo e Administração. Foram realizadas coletas mensais em cada setor, através do método da sedimentação passiva em placas de Petri, contendo o meio de cultura Ágar Batata Dextrose (Himedia®). Cada placa ficou exposta por 8 horas. Findo o período de coleta, as amostras vedadas seguiram para o laboratório, onde permaneceram incubadas a temperatura ambiente durante sete dias, realizando-se observações diárias. A partir do aparecimento de colônias fúngicas procedeu-se a contagem global e identificação das mesmas através de análise macro e micromorfológica. No total de 36 placas expostas, isoladas 187 colônias e identificados 4942 unidades formadoras de colônias com 25 gêneros fúngicos. A sequência dos locais mais contaminados foi: Recepção, Acervo, Sala de Estudo Coletivo e Administração. No geral, foram verificados importantes fungos desencadeadores de alergias respiratórias, como: Aspergillus sp., Penicillium sp., Alternaria sp. e Cladosporium sp. Um dos gêneros de maior expressão foi a Chrysonilia sp, patógeno vegetal que potencializa a degradação do acervo presente. Por fim, pondera-se que diferentes ambientes de uma biblioteca podem ser insalubres, pois possui grande quantidade de fungos anemófilos que podem desencadear alergias respiratórias nos frequentadores sendo assim necessários mais estudos do caso e monitoramento periódico do ar na biblioteca.

Artigo:

Palavras-chave: Chrysonilia sp., Fungos Anemófilos, Aspergillus sp., Patologia, Campus universitário, Fortaleza-CE,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/engpro-eneeamb2016-qa-001-4975

Referências bibliográficas
  • [1] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS- ABNT. NBR ISO 14644-1: Salas limpas e ambientes controlados associados – Parte 1: Classificação da limpeza do ar, 2005.
  • [2] BEAUMONT, F., H. F. KAUFFMAN, H. J. SLUITER, and K. De Vries. 1985. Sequential sampling of fungal air spores inside and outside the homes of mould-sensitive, asthmatic patients: a search for a relationship to obstructive reactions. Ann. Allergy 55:740–746.
  • [3] BURGE, H.A. An update on pollen and Fungal spore aerobiology. Journal of the Allergy and Clinical Immunology, v.110, n.4, p.544-552, 2002.
  • [4] BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Orientação técnica sobre padrões referenciais de qualidade do ar interior em ambientes climatizados artificialmente de uso público e coletivo. Resolução nº 176,24 de outubro de 2000. Brasília: Centro de Documentação do Ministério da Saúde, 2000.
  • [5] CRUZ P, STETZENBACH LD. Specific detection of fungi associated with SBS when using quantitative polymerase chain reaction. Adv Appl Microbiol. 2004.
  • [6] CORRÊA, B. Micotoxinas humanas e micetismos. In: ZAITZ, C.; CAMPBELL, I.; MARQUES, S.A.; RUIZ, L.R.B.; SOUZA, V.M., eds. 1998. Compêndio de micologia médica. Rio de Janeiro: Medsi, cap. 27, p.339-34
  • [7] GERGEN, P. J., TURKELTAUB P. C, and KOVAR M. G..198 The prevalence of allergic skin test reactivity to eight common aeroallergens in the U.S. population: results from the second National Health and Nutrition Examination Survey. J. Allergy Clin. Immunol. 80:669–679.
  • [8] GRAVESEN, S. 1979. Fungi as a cause of allergic disease. Allergy 34:135–154.
  • [9] HOOG, G.S.; GUARRO, J.; GENÉ, J. Atlas of Clinical Fungi. 2.ed. Barcelona: Universitat Rovira i Virgilli, 2000.p.1125.
  • [10] KENDRICK, B. 1985. The fifth kingdom. Mycologue Publications, Waterloo, Canada.
  • [11] MADELIN, T.M. Fungal aerosols: a review. Journal of Aerosol Science, v.25, n.8, p.1405-1412, 1994.
  • [12] MENEZES, E.A.; TRINDADE, E.C.P.; COSTA, M.M.; FREIRE, C.C.F.; CAVALCANTE, M. DE S.; CUNHA, F.A. Fungos anemófilos isolados na cidade de Fortaleza, Estado do Ceará, Brasil. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, v.46, n.3, p.133-137, 2004.
  • [13] MEZZARI, A.; PERIN, C.; JÚNIOR, S. A. S.; BERN, L. A. G.; GESU, G. D. 2003. Os Fungos e sensibilização em indivíduos atópicos em Porto Alegre, RS. Revista Brasileira de Associação Médica. São Paulo. Vol. 49, n 3.
  • [14] MOHOVIC, J., GAMBALE, W.; CROC J., Cutaneous Positively in Patientswith Respiratory Allergens to 42 Allergenic Extracts of Air Bone Fungi Isolated in São Paulo, Brasil. 1998. Allergologia et Immunopathologia., v. 16: 397-340
  • [15] SOUZA, E. F.; VIEIRA, K. V. M.; ARAÚJO, V.G. 2008. Isolamento e Identificação da Microbiota Fúngica Anemófila em Diversos Setores do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Estadual da Paraíba. ISSN 1983-4209–Vol. 2 (2):131-149.
  • [16] TORTORA, J.T.; FUNKE, B. R.; CASE, C. L.6 ed. Microbiologia. 6ª ed. Porto Alegre: Artmed, 2000, 827p.
  • [17] WALLACE, J. M. and HOBBS P. V. Atmospheric science: An introductory survey. New York, Academic Press, 1977.
  • [18] WALSH, T. J., GROLL, A., HEIMES, J. 2004. Infections due to emerging and uncommon medically important fungal pathogens. Clinical Microbiology and Infection. v.10 (1): 48–66.
  • [19] WESTBROOK, J.K. & ISARD, S.A. Atmospheric scales of biotic dispersal. Agricultural and Forest Meteorology, v.97, n.4, p.263-274, 1999.
Como citar:

SOUSA, Dálete Maria Lima de; PANTOJA, Lydia Dayanne Maia; NUNES, Ana Bárbara de Araújo; "ANÁLISE DA QUALIDADE DO AR NA BIBLIOTECA PÚBLICA DE UM CAMPUS UNIVERSITÁRIO", p. 552-559 . In: Anais do XIV Encontro Nacional de Estudantes de Engenharia Ambiental [= Blucher Engineering Proceedings v.3 n.2]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/engpro-eneeamb2016-qa-001-4975

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações