Artigo - Open Access.

Idioma principal

Análise da aderência das taxonomias industriais à realidade da indústria de transformação brasileira

Marques, Mabel Diz; Roselino, José Eduardo; Mascarini, Suelene;

Artigo:

Este artigo analisa aaderência das taxonomias industriais à realidade da indústria de transformaçãobrasileira, a partir da seleção de indicadores de esforços inovativos etecnológicos, qualificação da mão de obra e produtividade. A abordagemfundamenta-se no arcabouço teórico neoschumpeteriano e faz o uso da análise deagrupamento. Os resultados sugerem relativa aderência aos padrõesinternacionais. Contudo, a atividade de refino de petróleo apresenta elevadosesforços inovativos, mão de obra altamente qualificada e alta produtividadequando comparada com outras atividades no Brasil ou mundo. Neste sentido, essaatividade se diferencia da classificação da OCDE em que é apontada comomédia-baixa tecnologia. Em contrapartida, atividades classificadas com maiorintensidade tecnológica e baseada em ciência como de instrumentos,materiais para uso médico, odontológico e de artigos ópticos estão muito aquém disso no Brasil quandoavaliamos principalmente o perfil da mão de obra e a produtividade.

Artigo:

Palavras-chave: Taxonomia Industrial. Intensidade Tecnológica. Análise de Cluster,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/enei2018-81

Referências bibliográficas
  • [1] AREND, M. 50 Anos de Industrialização do Brasil (1955-2005): uma análise evolucionária. 2009. 252f. Tese de Doutorado em Economia, Programa de Pós Graduação em Economia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009. CAMPOS, B.; RUIZ, A. U. Padrões setoriais de inovação na indústria brasileira. Revista Brasileira de Inovação, v. 8, n. 1 jan/jun, 2009. p. 167-210. CARLIN, D. O.; CHEVARRIA, D. G. Investigação da Relação Entre a Estrutura de Capital e Inovação e Intensidade Tecnológica nas Companhias Abertas Brasileiras: Uma análise com base na Taxonomia de Pavitt. In: XXVI SIMPÓSIO DE GESTÃO DA INOVAÇÃO TECNOLÓGICA, 26, 2012, Salvador. Simpósio. Salvador: Anpad, 2012. p.1-15. Disponível em: . Acesso em: 02 maio 2018. CARVALHO, A. et al. Clusterização hierárquica espacial com atributos binários. Texto para Discussão, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), 2009. CASTRO, D. F. Padrões setoriais da inovação tecnológica na indústria brasileira: uma análise de cluster a partir da PINTEC. 2010. 125 f. Dissertação (Mestrado em Economia Política). Pontifica Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 2010. CATELA, E. S. E PORCILE, G. HETEROGENEIDADE ESTRUTURAL NA PRODUTIVIDADE DAS FIRMAS BRASILEIRAS. BRASÍLIA, DF: CEPAL. ESCRITÓRIO NO BRASIL/IPEA, 2013 (TEXTOS PARA DISCUSSÃO CEPAL-IPEA, 55). CAVALCANTE, L. R. Classificações tecnológicas: uma sistematização. Nota Técnica, n. 17. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), Brasília, 2014. DOSI, G. Technological paradigms and technological trajectories: a suggested interpretation of the determinants and directions of technical change. Research policy, v. 11, n. 3. p. 147-162, 1982. DOSI, G. et al. The nature of the innovative process. Technical change and economic theory, v. 2. 1988. p. 590-607. FEIJÓ, C. A.; CARVALHO, P; ALMEIDA, J. S. G. Ocorreu uma desindustrialização no Brasil? São Paulo: IEDI, 2005. FIELDING, A. Cluster and classification techniques for the biosciences. Cambridge: Cambridge University Press, 2007. FURTADO, A. T.; CARVALHO, R. Q. PADRÕES DE INTENSIDADE TECNOLÓGICA DA INDÚSTRIA BRASILEIRA: Um estudo comparativo com os países centrais. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 19, n. 1, p.70-84, mar. 2005. GONÇALVES, E.; SIMÕES, R. Padrões de esforço tecnológico da indústria brasileira: uma análise setorial a partir de técnicas multivariadas. Revista Economia, 2005. GUIDOLIN, S.M; MARTINELLI, O. Regimes tecnológicos da indústria brasileira: uma contribuição para a análise empírica. In: Encontro Nacional dos Centros Nacionais de Pós-Graduação em Economia – ANPEC, 36, Salvador, Dez. 9-12, 2008. HAIR, J. et al. Análise multivariada de dados. Bookman Editora, 2009. HATZICHRONOGLOU, T. Revision of the high-technology sector and product classification. OECD Science, Technology and Industry Working Papers, 1997 (working paper nº 1997/02). INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Coordenação de Indústria. Pesquisa de inovação 2014. Rio de Janeiro, 2016a. ________. (IBGE). Pesquisa Industrial - Empresa 2014. Rio de Janeiro, 2016b. ________. (IBGE). Classificações Estatísticas e a comissão nacional de classificação. Disponível em: . Acesso em: 02 de fev de 2018. JOHNSON, S. C. Hierarchical clustering schemes. Psychometrika, v. 32, n. 3, p. 241-254, 1967. LINDEN, R. Técnicas de agrupamento. Revista de Sistemas de Informação da FSMA, v. 1, n. 4, p. 18-36, 2009. MACIENTE, A. N.; ARAÚJO, T. C. A demanda por engenheiros e profissionais afins no mercado de trabalho formal. Radar, Brasília: Ipea, n. 12, fev. 201 MORCEIRO, P. C. et al. Por que não baixa tecnologia. In: Proceedings of the 9th GLOBELICS International Conference. 201 NELSON, R.; WINTER, S. Evolutionary Theory of Economic Change. Cambridge MA. Belknap Press of Harvard University Press, 1982. ORGANIZAÇÃO PARA A COOPERAÇÃO E DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO - OCDE. Science, Technology and Industry Scoreboard. Paris: OCDE, 201 ________. ISIC REV. 3 TECHNOLOGY INTENSITY DEFINITION. Paris: OCDE, 201 PAVITT, K. Sectoral patterns of technical change: towards a taxonomy and a theory. Research Policy, v.13, p. 343-373, 1984. RAIS. Relação Anual de Informações Sociais. Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Disponível em: http://www.rais.gov.br/. Acesso em: 15 de nov. de 2017. ROBSON, M.; TOWNSEND, J.; PAVITT, K. Sectoral patterns of production and use of innovations in the UK. Research Policy, 17: p.1–14, 1988. ROHLF, F. J. Adaptative hierarquical clustering schemes. Systematic Zoology, v.19, n.1, p.58-82, 1970. SBRAGIA, R.; KRUGLIANSKAS, I.; ARANGO-ALZATE, T. Empresas inovadoras no Brasil: uma proposição de tipologia e características associadas, FEA/USP: Série Working Papers, n.001/003, 2002. Disponível em http://www.ead.fea.usp.br/wpapers. Acesso em 10/05/2018. SILVA, E. H. Sectoral taxonomy with indicators of innovative effort. Revista de Economia Contemporânea, v. 17, n. 1, p. 129-152, 2013. SILVA, C. F; SUZIGAN, W. Padrões setoriais de inovação da indústria de transformação brasileira. Estudos Econômicos (São Paulo), v. 44, n. 2, p. 277-321, 2014. VARGAS, M. A et al. Reestruturação na indústria farmacêutica mundial e seus impactos na dinâmica produtiva e inovativas do setor farmacêutico brasileiro. Artigo apresentado a sessões ordinárias do GIS (Grupo de pesquisa e “Complexo Industrial e inovação em Saúde”, da Fundação Oswaldo Cruz), 2009. VASCONCELOS, Lucas Ferraz; NOGUEIRA, Mauro Oddo. Heterogeneidade estrutural no setor industrial. Radar: tecnologia, produção e comércio exterior, n. 14, p. 21-26. Brasília: Ipea, jun. 201 Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/radar/110727_radar14.pdf YONAMINI, F. M. Nova taxonomia de regimes tecnológicos para o caso de um país em desenvolvimento como o Brasil. 201 109 f, Tese de Doutorado, Curso de Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Econômico, Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 201
Como citar:

Marques, Mabel Diz; Roselino, José Eduardo; Mascarini, Suelene; "Análise da aderência das taxonomias industriais à realidade da indústria de transformação brasileira", p. 1481-1497 . In: . São Paulo: Blucher, 2018.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/enei2018-81

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações