Artigo completo - Open Access.

Idioma principal

AMPLIAÇÃO DE CAPACIDADES TECNOLÓGICAS DE EMPRESAS LATECOMERS COMO FUNDAMENTO DA COMPLEXIDADE ECONÔMICA: ESTUDO DE CASO DA WEG S.A.

Nardo, Aulo Pércio Vicente; Bittencourt, Pablo Felipe;

Artigo completo:

O objetivo do artigo é destacar o acúmulo de certo nível de capacidade (capabilitie) tecnológica como fator determinante da diversificação produtiva que aumenta a complexidade econômica. Para isso, sob a perspectiva neoschumpeteriana da firma, o artigo apresenta analise dos processos de aprendizagem e de construção de competências tecnológicas que permitiram diversificação produtiva da WEG, empresa brasileira, uma das líderes tecnológicas de segmentos em que atua no mundo. A pesquisa de campo centra-se nas diversificações de motores para geradores elétricos e de geradores elétricos para aerogeradores. Os resultados revelaram que, a partir de uma postura empresarial agressiva de aprendizagem, um nível intermediário avançado de capacidade inovadora foi altamente relevante aos processos de diversificação avaliados. Neste sentido, a investigação permitiu levantar a hipótese de que a diversificação que aumenta a complexidade produtiva, tem como um de seus fundamentos a ofensividade tecnológica empresarial entendida como uma constante busca ao longo do tempo por acumular capacidade de gerar e gerir mudança tecnológica.

Artigo completo:

Palavras-chave: Ofensividade estratégica; Mecanismos de Aprendizagem; Capacidades Tecnológicas; Diversificação,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/iv-enei-2019-1.4-014

Referências bibliográficas
  • [1] AMIT, R.; SCHOEMAKER, P. J. H. Strategic assets and organizational rent. Strategic Management Journal, [s.l.], v. 14, n. 1, p. 33-46, 1993.
  • [2] ARAÚJO, Bruno Plattek de; WILLCOX, Luiz Daniel. Reflexões críticas sobre a experiência brasileira de política industrial no setor eólico. 2018.
  • [3] ARIFFIN, N. Internationalisation of technological innovative capabilities: levels, types and speed (learning rates) in the electronics industry in Malaysia. International Journal of Technological Learning, Innovation and Development, 3 (4), 347-391, 2010.
  • [4] ARIFFIN, N.; FIGUEIREDO, P. Internationalization of innovative capabilities: counter-evidence from the electronics industry in Malaysia and Brazil. Oxford Development Studies, 32 (4), 559-583, 2003.
  • [5] BELL, M.; FIGUEIREDO, P. N. Innovation Capability Building and Learning Mechanisms in Latecomer Firms: recent empirical contributions and implications for research. Canadian Journal of Development Studies, 33:1, 14-40, 2012.
  • [6] BELL, M.; PAVITT, K. The Development of Technological Capabilities. In: HAQUE, I. U. Trade, technology and international competitiveness. Washington: The World Bank, 1995.
  • [7] BRASIL, H. V.; DIEGUES, S.; BLANC, G. Raízes do sucesso empresarial: a experiência de três empresas bem-sucedidas: Belgo Mineira, Metal Leve e WEG S.A. São Paulo, Atlas, 1995.
  • [8] BRESCHI, Stefano; MALERBA, Franco. Sectoral innovation systems: technological regimes, Schumpeterian dynamics, and spatial boundaries. Systems of innovation: Technologies, institutions and organizations, p. 130-156, 1997.
  • [9] BRITTO, J. N. P. Diversificação, competências e coerência produtiva. In: KUPFER, D.; HASENCLEVER, L. (orgs). Economia Industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, Cap. 14. p. 307-343, 2002.
  • [10] CHANG, H. Kicking Away the Ladder: Development strategy in Historical Perspective, 256 p., 2002.
  • [11] CHANG, H.; ANDREONI, A. Industrial policy and the future of manufacturing. Economia e Politica Industriale: Journal of Industrial and Business Economics. Vol. 43, issue 4, 491-502, p.2016.
  • [12] COASE, R. H. The nature of the firm. Economica, New Series, v. 4, n. 16, p. 386-405, Nov. 1937.
  • [13] ___________. The problem of social cost. Journal of Law and Economics, v. 3, p. 1-44, Oct. 1960.
  • [14] DOSI, G. Institutions and markets in a Dynamic World. The Manchester School of Economic & Social Studies, vol. 56, issue 2, 119-46, 1988.
  • [15] FIANI, R. Teoria dos custos de transação. In: KUPFER, D.; HASENCLEVER, L. (orgs). Economia Industrial: fundamentos teóricos e práticas no Brasil. Rio de Janeiro: Elsevier, Cap. 12, p. 267-286, 2002.
  • [16] FIGUEIREDO, P. N. Trajetórias de acumulação de competências tecnológicas e os processos subjacentes de aprendizagem: revisando estudos empíricos. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro 34(1),7-33, 2000.
  • [17] ________________. Aprendizagem tecnológica e inovação industrial em economias emergentes: Uma breve contribuição para o desenho e implementação de estudos empíricos e estratégias no Brasil. Revista Brasileira de Inovação, v. 3, n. 2, p. 323-361, 2004.
  • [18] ________________. Gestão da Inovação: Conceitos, Métricas e Experiências de Empresas no Brasil. [Reimpr.] Rio de Janeiro: Editora LTC, 2013.
  • [19] FREEMAN, C.; SOETE, L. A Economia da Inovação Industrial. Campinas, ed. Unicamp, 2008.
  • [20] HAUSMANN, R. et. al. The Atlas of Economic Complexity: Mapping Paths to Prosperity. MIT Press. 2014.
  • [21] HAUSMANN, R.; KLINGER, B. The structure of the product space and the evolution of comparative advantage. Center for International Development at Harvard University (CID), Working Paper No. 146, 2007.
  • [22] HAUSMANN, R.; HWANG, J.; RODRIK, D. What you export matters. Journal of Economic Growth, v. 12, n. 1, p. 1-25, 2006.
  • [23] HIDALGO, C. A. HAUSMANN, R. The building blocks of economic complexity. Proceedings of the National Academy of Sciences (PNAS). v. 106, n. 26, p. 10570-10575, june 2009.
  • [24] HIDALGO, C. A.; KLINGER, B.; BARABÁSI, A. –L.; HAUSMANN, R. The product space conditions the development of nations. . Science, v. 317, n. 5837, p. 482-487, 2007.
  • [25] KATZ, J. Domestic technology generation in LCDs: a review of research findings. (Buenos Aires: IDB/ECLA Research programme in science and technology). Working paper no 35, 1980.
  • [26] KIM, L. Stages of development of industrial technology in aa developing country: A model. Research Policy, v. 9, n. 3, p. 254-277, 1980.
  • [27] LALL, S. Technological Capabilities and Industrialization. World Development, Vol. 20, No. 2, pp. 165-186,1992.
  • [28] LUNDVALL, Bengt-Åke (Ed.). National systems of innovation: Toward a theory of innovation and interactive learning. Anthem press, 2010.
  • [29] MATHEUS, J. A. A resource-based view of Schumpeterian economic dynamics. Journal of Evolutionary economics, 12(1), 29-54, 2002.
  • [30] MONTGOMERY, C. Corporate Diversification. The Journal of Economic Perspectives, v. 8, n. 3, p. 163-178, 1994.
  • [31] MORAES, J. C. de. A trajetória de crescimento da WEG: A folga de recursos humanos como propulsora de crescimento da firma. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal do Rio de Janeiro –UFRJ, Instituto de PósGraduação em Administração – COPPEAD, 2004.
  • [32] NARDO, A. P. V. A construção das capacidades tecnológicas como fundamento da diversificação: O caso da WEG S.A. Tese (Doutor em Economia)–Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 349 f.,2018.
  • [33] NÜBLER, Irmgard. A theory of capabilities for productive transformation: Learning to catch up. Transforming Economies: Making industrial policy work for growth, jobs and development. United Nations (UNCTAD) and International Labour Organization, 2014.
  • [34] PENROSE, E. The Theory of the Growth of the Firm. New York: John Wiley, 1959.
  • [35] PINHEIRO, M. C. et. al. Acumulação de capacidades tecnológicas, inovação e competitividade industrial: alguns resultados para a indústria: alguns resultados para a indústria brasileira de petróleo e gás. Rio de Janeiro: EBAPE/FGV, 2017.
  • [36] SCHMITZ, A. WEG 40 anos. Jaraguá do Sul: Weg Indústrias S.A., 2001.
  • [37] TEECE, D. J. Economies of scope and the scope of the enterprise. Journal of Economic Behavior and Organization, v. 1, no. 3, p. 223-247, 1980.
  • [38] _______, D. J. An economic theory of multiproduct firms. Journal of Economic Behavior and Organization, v. 3, p. 39-63, 1982.
  • [39] TERNES, A. História da WEG: 25 anos. Joinville: Gráfica Meyer S.A., 1986.
  • [40] __________. WEG: 36 anos de história. Joinville: Gráfica e Editora Pallotti, 1997.
  • [41] VIDIGAL, A. WEG 50 anos: um caminho sustentável. Editora DBA Dórea Books and Art, 2011.
  • [42] WILLIG, R. Multiproduct technology and market structure. American Economic Review, v. 69, n. 2, p. 346-351, may 1979.
Como citar:

Nardo, Aulo Pércio Vicente; Bittencourt, Pablo Felipe; "AMPLIAÇÃO DE CAPACIDADES TECNOLÓGICAS DE EMPRESAS LATECOMERS COMO FUNDAMENTO DA COMPLEXIDADE ECONÔMICA: ESTUDO DE CASO DA WEG S.A.", p. 274-306 . In: Anais do IV Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação. São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/iv-enei-2019-1.4-014

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações