Pôster - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

ALTERAÇOES POSTURAIS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES APOS TRANSPLANTE RENAL

ALTERAÇOES POSTURAIS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES APOS TRANSPLANTE RENAL

Andrade, Maria Cristina de; GAMA, A. C. R.; MANGIA, C.; BRECHERET, A. P.; GESSULLO, A. D. V.; MEDINA, J. O.; DINIZ, D.;

Pôster:

Justificativa

Com o aumento da sobrevida dos pacientes e do enxerto na última década, areabilitação da criança submetida ao transplante renal passou a ser deprimordial importância.

Objetivo(s)

Avaliar a presença e tipo das alterações músculo-esqueléticas nas crianças eadolescentes no pós-transplante renal.

Método(s)

Avaliação de 41 pacientes durante o período de abril a novembro/2007, comdeterminação da força muscular, desvios ortopédicos, e medidas de peso eestatura. Os dados: idade, clearance de creatinina, etiologia da doença renalcrônica (DRC), tempo e tipo de tratamento prévio e tempo de transplante foramobtidos do prontuário.

Resultado(s)

Os pacientes tinham idade entre 6 e 21 anos, com média de 13anos(IC95%=11,9-14,3anos), não havendo diferença significativa entre os gêneros. Osvalores médios dos escores z dos indicadores P/I, E/I e IMC/I foram:-1,22,-2,29 e 2,23 respectivamente. Todos os pacientes apresentaram alteração noalinhamento da cabeça e das escápulas e, a média do número de alteraçõesortopédicas/paciente foi de 9,68. A força muscular foi considerada boa apenaspara 12,20% dos pacientes. Em relação à etiologia, o diagnóstico mais freqüentefoi uropatia (41,5%),. Antes do transplante renal, 56,1% dos pacientesrealizavam hemodiálise, 36, 6% diálise peritonial e 7,3% tratamentoconservador. 24% dos pacientes realizaram o transplante renal há menos de 1ano, 29% entre 1-2 anos e 47% entre 3-7 anos.

Conclusão(ões)

As alterações músculo-esqueléticas foram observadas em todos os pacientes.Estas alterações provavelmente se iniciaram durante os estágios da DRC ,reforçando a necessidade de intervenção e tratamento precoces. 

Pôster:

Justificativa

Com o aumento da sobrevida dos pacientes e do enxerto na última década, areabilitação da criança submetida ao transplante renal passou a ser deprimordial importância.

Objetivo(s)

Avaliar a presença e tipo das alterações músculo-esqueléticas nas crianças eadolescentes no pós-transplante renal.

Método(s)

Avaliação de 41 pacientes durante o período de abril a novembro/2007, comdeterminação da força muscular, desvios ortopédicos, e medidas de peso eestatura. Os dados: idade, clearance de creatinina, etiologia da doença renalcrônica (DRC), tempo e tipo de tratamento prévio e tempo de transplante foramobtidos do prontuário.

Resultado(s)

Os pacientes tinham idade entre 6 e 21 anos, com média de 13anos(IC95%=11,9-14,3anos), não havendo diferença significativa entre os gêneros. Osvalores médios dos escores z dos indicadores P/I, E/I e IMC/I foram:-1,22,-2,29 e 2,23 respectivamente. Todos os pacientes apresentaram alteração noalinhamento da cabeça e das escápulas e, a média do número de alteraçõesortopédicas/paciente foi de 9,68. A força muscular foi considerada boa apenaspara 12,20% dos pacientes. Em relação à etiologia, o diagnóstico mais freqüentefoi uropatia (41,5%),. Antes do transplante renal, 56,1% dos pacientesrealizavam hemodiálise, 36, 6% diálise peritonial e 7,3% tratamentoconservador. 24% dos pacientes realizaram o transplante renal há menos de 1ano, 29% entre 1-2 anos e 47% entre 3-7 anos.

Conclusão(ões)

As alterações músculo-esqueléticas foram observadas em todos os pacientes.Estas alterações provavelmente se iniciaram durante os estágios da DRC ,reforçando a necessidade de intervenção e tratamento precoces. 

Palavras-chave: -,

Palavras-chave: -,

DOI: 10.5151/cissi2019-29

Referências bibliográficas
  • [1] -
Como citar:

Andrade, Maria Cristina de; GAMA, A. C. R.; MANGIA, C.; BRECHERET, A. P.; GESSULLO, A. D. V.; MEDINA, J. O.; DINIZ, D.; "ALTERAÇOES POSTURAIS EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES APOS TRANSPLANTE RENAL", p. 57-58 . In: Anais do 3º Congresso Internacional Sabará de Saúde Infantil. São Paulo: Blucher, 2020.
ISSN 2357-7282, DOI 10.5151/cissi2019-29

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações