Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

ACONSELHAMENTO EM APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS SOB A ÓTICA DO PARADIGMA DA COMPLEXIDADE

RIBEIRO, Juliana; BARROS, Laíse;

Artigo Completo:

Este trabalho apresenta um estudo sobre a prática do aconselhamento em aprendizagem de línguas (AAL) levando em consideração o paradigma da complexidade. O AAL vem se destacando como uma abordagem emergente em que há a interação de agentes, o conselheiro e aconselhado, e que busca promover aprendizagem mais significativa ao fomentar a autonomia do aprendente. Essa promoção da autonomia dá-se por meio do diálogo estabelecido entre conselheiro e aconselhado (CARSON; MYNARD, 2012). Assim, nesta pesquisa, foram analisados excertos extraídos de entrevistas com quatro aconselhados, ex-participantes do programa Idiomas sem Fronteiras em uma universidade no Norte do Brasil no ano de 2014. A partir dos trabalhos que consideram a aprendizagem como um sistema adaptativo complexo (SAC) (LARSEN-FREEMAN, 1997, 2008), foram identificadas nos relatos dos aconselhados algumas características dos SACs, como a imprevisibilidade, a dinamicidade, a sensibilidade às condições iniciais, a interconectividade entre os agentes, elementos e contexto, entre outros. Os resultados obtidos reforçam que a aprendizagem não é um processo linear. Além disso, não é possível prever como o SAC se comportará a partir de mudanças nas condições iniciais: cada aprendente mencionou diferentes contribuições do ALL para sua aprendizagem de inglês. O AAL também foi visto com um diferencial em relação a outras abordagens, pois se adaptou às necessidades individuais dos aconselhados a partir da personalização de atividades, evidenciando a relevância de se considerar o contexto em que o aconselhado está inserido. Assim, olhar o AAL sob o viés da complexidade mostra-se satisfatório para melhor compreender o processo de aprendizagem de línguas e como a prática do aconselhamento pode impactar o mesmo.

Artigo Completo:

Palavras-chave: aconselhamento em aprendizagem de línguas; complexidade; autonomia,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/edupro-clafpl2016-031

Referências bibliográficas
  • [1] CARSON, L.; MYNARD, J. Introduction. In: CARSON, L.; MYNARD, J. (Orgs.) Advising in Language Learning: dialogue, tools and context. Harlow: Pearson, 2012. p. 3-25.
  • [2] SANTOS JUNIOR, E. C; MAGNO E SILVA, W. O efeito do aconselhamento linguageiro na trajetória de aprendizagem de uma estudante de inglês. In: MAGNO E SILVA, W. BORGES, E.F.V. (Orgs.) Complexidade em ambientes de ensino e aprendizagem de línguas adicionais. Curitiba: Editora CRV, 2016. p. 139-158.
  • [3] KATO, S; MYNARD, J. Reflective Dialogue: Advising in language learning. New York: Routledge, 2015.
  • [4] KELLY, R. Language Counselling for learner autonomy: the skilled helper in self-access language learning. In: PEMBERTON, R.; LI, E.S.L.; OR, W.W.F; PIERSON, H. D. (Orgs.) Taking control: Autonomy in language learning. Hong Kong: Hong Kong University Press, 1996. p. 93-113.
  • [5] LARSEN-FREEMAN, D. Chaos/Complexity Science and Second Language Acquisition. Applied Linguistics, v. 18, n. 2, p 141-165, 1997.
  • [6] LARSEN-FREEMAN, D; CAMERON, L. Complex Systems and Applied Linguistics. Oxford: Oxford University Press, 2008.
  • [7] MAGNO E SILVA, W. Autonomia, motivação e aconselhamento linguageiro na sala de aulas de línguas estrangeiras. In: CUNHA, J.C.; MENDES, E. (Orgs.) Práticas em sala de aula de línguas: diálogos necessários entre teoria(s) e ações situadas. Campinas: Pontes Editores, 2012. p. 201-220.
  • [8] ___________; BORGES, E.F.V. (Orgs.) Complexidade em ambientes de ensino e aprendizagem de línguas adicionais. Curitiba: Editora CRV, 2016.
  • [9] MOZZON-MCPHERSON, M. The skills of counselling in advising: Language as a pedagogic tool. In: CARSON, L.; MYNARD, J. (Orgs.) Advising in Language Learning: dialogue, tools and context. Harlow: Pearson, 2012. p. 43-64.
  • [10] MYNARD, J. A suggested model for advising in language learning. In: CARSON, L.; MYNARD, J. (Orgs.) Advising in Language Learning: dialogue, tools and context. Harlow: Pearson, 2012. p. 26-40.
  • [11] PAIVA, V. L. M. O. Modelo fractal de aquisição de línguas. In: BRUNO, F. C. (Org.) Ensino-Aprendizagem de línguas Estrangeiras: Reflexão e Prática. São Carlos: Claraluz, 2005. p. 23-36.
  • [12] PAIVA, V. L. M. O. Aquisição de segunda língua. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.
  • [13] STICKLER, U. Using counselling skills for language advising. In: MOZZON-MCPHERSON, M.; VISMANS, R. Beyond language teaching towards language advising. London: CILT, 2001. p. 40-52.
  • [14] VASCONCELLOS, M. J. E. Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. Campinas: Papirus, 2002
Como citar:

RIBEIRO, Juliana; BARROS, Laíse; "ACONSELHAMENTO EM APRENDIZAGEM DE LÍNGUAS ESTRANGEIRAS SOB A ÓTICA DO PARADIGMA DA COMPLEXIDADE", p. 389-398 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2318-695X, DOI 10.5151/edupro-clafpl2016-031

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações