Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

A Natureza da Inserção das Subsidiárias Estrangeiras na Indústria Aeronáutica Brasileira

NERIS JR, Celso; FERREIRA, Marcos José Barbieri;

Artigo Completo:

Este trabalho procura mostrar, a partir de uma análise histórica e estrutural, como se deu a inserção das empresas estrangeiras na indústria aeronáutica brasileira. Avalia-se, em um primeiro momento, de um ponto de vista histórico, a entrada das empresas estrangeiras na indústria aeronáutica brasileira, destacando alguns casos de relativo sucesso. Em um segundo momento, a partir de fontes secundárias e dados agregados de um conjunto de empresas estrangeiras selecionadas, caracteriza-se as subsidiárias estrangeiras instaladas na indústria aeronáutica brasileira. Conclui-se que a natureza da inserção da quase totalidade das subsidiárias está relacionada à busca pelo mercado interno, especificamente a participação na cadeia de suprimentos da Embraer. Por conta disso, as subsidiárias atuam através de uma estratégia dependente das encomendas da Embraer, não se observando uma inserção ativa destas subsidiárias no mercado global. No entanto, as duas maiores empresas de controle estrangeiro se apresentam como casos particulares, atuando em segmentos específicos de mercado não subordinados às encomendas da empresa líder nacional: a Helibras, na fabricação de helicópteros, e a GE Celma, na manutenção de turbinas aeronáuticas.

Artigo Completo:

This paper intends to present, from a historical and structural analysis, how the insertion of foreign companies in the Brazilian aeronautical industry took place. At a first moment, from a historical point of view, the entry of foreign companies into the Brazilian aeronautical industry is presented, highlighting some cases of relative success. Secondly, from secondary sources and data aggregated from a selected set of foreign companies, the foreign subsidiaries installed in the Brazilian aeronautical industry are characterized. It is concluded that the nature of the insertion of almost all the subsidiaries is related to the search for the domestic market, specifically the participation in the Embraer's supply chain. For this reason, these companies operate through a strategy that is dependent on Embraer's orders, not observing an active insertion of these subsidiaries in the global market. However, the two largest foreign-controlled companies present themselves as particular cases, operating in specific market segments not subordinated to the orders of the national leading company: Helibras, in the manufacture of helicopters, and GE Celma, in the maintenance of aeronautical turbines.

Palavras-chave: Indústria aeronáutica brasileira, Investimento direto estrangeiro, Estratégias competitivas,

Palavras-chave: Brazilian aeronautical industry, Foreign direct investment, Competitive strategies,

DOI: 10.5151/enei2017-57

Referências bibliográficas
  • [1] AEL SISTEMAS. Informações Institucionais [s.d.]. Disponível em: http://www.ael.com.br/. Acesso em 2017.
  • [2] AIRBUS. Informações institucionais. [s.d.]. Disponível em: < http://www.airbus.com/>. Acesso em 2017.
  • [3] ANAC – AGÊNCIA NACIONAL DE AVIAÇÃO CIVIL. Base de Dados. [s.d.]. Disponível em: . Acesso em 2017.
  • [4] BERNARDES, R. Redes de Inovação e Cadeias Produtivas Globais: Impactos da Estratégia de Competição da Embraer no Arranjo Aeronáutico da Região de São José dos Campos. Rio de Janeiro: IE/UFRJ, 2000. (Estudos Empíricos – Nota Técnica 23).
  • [5] BERTAZZO, R.P. A Crise da Indústria Aeronáutica Brasileira: 1945-1968. Monografia (Bacharel em História) – ICHL/UFJF, Juiz de Fora, 2003.
  • [6] COOPER, T. Global Engine Fleet and Market Forecast 2015-2025. Cavok, April 15, 2015. Disponível em: . Acesso em 2017.
  • [7] DUNNING, J. The eclectic paradigma as an envelope for economic and business theories of MNE activity. International Business Review, v. 9, pp. 163-190, 2000.
  • [8] EMBRAER. Embraer lança “E2”, a segunda geração de E-Jets. Relação com Investidores, 17 de junho de 2013. Disponível em: . Acesso em 2017.
  • [9] FERREIRA, M.J.B. Plataforma Aeronáutica Militar. In.: IPEA/ABDI. Mapeamento da Base Industrial de Defesa. Brasília: ABDI - Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial: Ipea - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, 2016. Disponível em: . Acesso em 2017.
  • [10] FERREIRA, M.J.B. Dinâmica da Inovação e Mudanças Estruturais: Um Estudo de Caso da Indústria Aeronáutica Mundial e a Inserção Brasileira. Tese (Doutorado em Teoria Econômica) – IE/UNICAMP, Campinas, 2009.
  • [11] FERREIRA, M.J.B.; SABBATINI, R.C. Engenharia de Projetos na Indústria Aeronáutica Brasileira. Campinas: ABDI; NEIT-IE-UNICAMP, 2013.
  • [12] FERREIRA, M.J.B.; SARTI, F. Evolução da indústria aeronáutica brasileira entre as décadas de 1930 e 1980: Estrutura de mercado e capacitação tecnológica. Revista da UNIFA (Impresso), v. 25, p. 101-110, 20
  • [13] FLAP INTERNATIONAL. Aviação Militar na América Latina. Revista Flap, n. 526, São Paulo, jul. 2016.
  • [14] FLORES JR, J. Aeronaves Militares Brasileiras: 1916-2015. Rio de Janeiro: Action Editora, 2015.
  • [15] GE BRASIL. GE Celma recebe Prêmio Destaque na Exportação de Serviços. GE Imprensa Brasil, 29 mai. 2014. Disponível em: http://www.geimprensabrasil.com/ge-celma-recebe-premio-destaque-na-exportacao-de-servicos-2. Acesso em 2017.
  • [16] GOMES, S.B.V. A indústria aeronáutica no Brasil: evolução recente e perspectivas. Rio de Janeiro: BNDES, 2012 (BNDES 60 Anos: Perspectivas Setoriais). Disponível em: . Acesso em: 20
  • [17] HELIBRAS. Informações institucionais. [s.d.]. Disponível em: . Acesso em 20
  • [18] MELO, L. As 40 maiores exportadoras do Brasil em 2015. Revista Exame, 14 jan. 2016. Disponível em: http://exame.abril.com.br/negocios. Acesso em 2017.
  • [19] PINTO, M.A.C.; MIGON, M.N.; MONTORO, G.C.F. Convergência público-privada no adensamento da cadeia produtiva aeronáutica brasileira. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 14, n. 28, p.145-170, 01 dez. 2007. Mensal. Disponível em: http://www.bndes.gov.br/SiteBNDES/export/sites/default/bndes_pt/Galerias/Arquivos/conhecimento/revista/rev2805.pdf. Acesso em: 2017.
  • [20] POLONI, G. Excelência turbinada. Época Negócios, 6 mai. 2008. Disponível em: http://epocanegocios.globo.com/Revista/Epocanegocios/0,,EDG83421-8380-15,00-EXCELENCIA+TURBINADA.html. Acesso em 2017.
  • [21] SILVEIRA, V. Embraer avança programa da nova família E2 de jatos. São Paulo: Valor Econômico: 29 set. 2015.
  • [22] VIEGAS, J.A. Vencendo o Azul: História da Indústria e Tecnologia Aeronáutica no Brasil. São Paulo: Duas Cidades, 1989.
  • [23] WEIS S.A., SARMA S.E., RIVEST R.L., ENGELS D.W. Security and Privacy Aspects of Low-Cost Radio Frequency Identification Systems. In: HUTTER D., MÜLLER G., STEPHAN W., ULLMANN M. (eds) Security in Pervasive Computing. Lecture Notes in Computer Science, vol 2802. Springer, Berlin, Heidelberg, 2004.
Como citar:

NERIS JR, Celso; FERREIRA, Marcos José Barbieri; "A Natureza da Inserção das Subsidiárias Estrangeiras na Indústria Aeronáutica Brasileira", p. 1048-1068 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/enei2017-57

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações