Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

A MOVIMENTAÇÃO HUMANA EM UM AMBIENTE CONSTRUÍDO COMO UM SISTEMA ERGONÔMICO COMPLEXO

THE HUMAN MOVEMENT IN A BUILD ENVIRONMENT AS A COMPLEX ERGONOMIC SYSTEM

Braga, Henrique Costa; Moita, Gray Farias; Almeida, Paulo Eduardo Maciel de; , ;

Artigo Completo:

No artigo, a movimentação humana por si só é apresentada como sendo parte de um sistema ergonômico rico em complexidade. São também incluídos diversos aspectos relevantes envolvidos na movimentação humana, necessários para o desenvolvimento de um modelo computacional. É proposto que esta seja uma modelagem baseada em agentes ergonomicamente situada. Assim, os comportamentos individuais, coletivos e emergentes apresentados na movimentação humana são uma consequência da configuração inicial do sistema, das suas vizinhanças, da auto-organização dos agentes envolvidos e de suas interações locais.

Artigo Completo:

In the paper, the human movement is presented as part of an ergonomic system rich in complexity. It is also included several aspects involved in human movement, necessary for the development of a computational model. It is proposed that this is an ergonomically situated agent-based modeling. Thus individual, collective and emergent behaviors shown in human movement are a consequence of the initial system configuration, its neighborhoods, the self-organization of the agents and their local interactions.

Palavras-chave: Movimentação Humana, Ergonomia, Complexidade,

Palavras-chave: Human Movement, Ergonomics, Complexity,

DOI: 10.5151/16ergodesign-0135

Referências bibliográficas
  • [1] ABLEY, S. Walkability tools research: variables, collection and methodology, Nova Zelândia: LNTZ, abr., 2007, 65 p.
  • [2] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. ABNT NBR 9050:2004 – acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. Rio de Janeiro, dez., 2005, 97 p.
  • [3] BIRD. S.; SOWERBY, C.R. & ATKINSON, V.M. Development of a risk analysis model for footways and cycle tracks, Berkshire: UK: Transport Research Laboratory, 2006, 74 p. Published Project Report TRL 171.
  • [4] BOCCARA, N. Modeling complex systems, Springer, 200 397 p.
  • [5] BRAGA, H.C.; MOITA, G.F. & ALMEIDA, P.E.M. Comparação entre os Algoritmos de Busca pela Vizinhança de Von Neumann ou de Moore para Geração do Mapa de Distâncias em um Ambiente Construído, Abakós, v. 4, n. 2, maio 2016, p. 20-40.
  • [6] CASTRO, M.L.A. & CASTRO, R.O., Autômatos Celulares: implementações de Von Neumann, Conway e Wolfram. Revista de Ciências Exatas e Tecnologia, v. 3, n. 3, 2008. p. 89-10
  • [7] CUCCI NETO, J. Aplicações da engenharia de tráfego na segurança dos pedestres, São Paulo: Escola Politécnica: Universidade de São Paulo, 1996, 188 p. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Transportes).
  • [8] DANIELLOU, F.; SIMARD, M. & BOISSIÈRES, I. Facteurs humains et organization els de la sécurité industrielle: um ét at de l´art. Toulouse: FonCSI. 2010, 124 p. Numéro 2010-2 des Cahiers de la Sécurité Industrielle.
  • [9] GOLDSTONE, R.L. & ROBERTS, M.E. Self- organized trail systems in groups of humans, Complexity, v. 11, n. 6, 2006, p. 43-50.
  • [10] GONZÁLEZ, S.S. & SAURIN, T.A. Princípios para gestão de procedimentos em sistemas sócio- técnicos complexos, Ação Ergonômica, v. 8, n. 1, 2013, p. 48-62.
  • [11] GOUVEIA, A.M.C. & ETRUSCO, P. Tempo de escape em edificações: os desafios do modelamento de incêndio no Brasil, REM - Revista da Escola de Minas, v. 55, n. 4, out-dez, 2002, p. 257-261.
  • [12] GRANT, C.B. Theory of complex communication, Ação Ergonômica, v. 1, n.3, 2002, p. 21-37.
  • [13] HELBING, D.; FARKAS, I. &VICSEK, T. Simulating Dynamical Features of Escape Panic, Nature, v. 407, set., 2000, p. 487-490.
  • [14] IIDA, I. Ergonomia: projeto e produção, 2a ed., São Paulo: Edgard Blücher, 2010, 614 p.
  • [15] KULIGOWSKI, E. & PEACOCK, R.D. A review of building evacuation models, NIST, 2005, 156 p. Tecchnical Note 1471.
  • [16] OKUNO, E.; CALDAS, I.L. & CHOW, C. Física para ciências biológicas e biomédicas, São Paulo: Harbra, 1986, 490 p.
  • [17] PAN, X. et al. A Multi-agent Based Framework for the Simulation of Human and Social Behaviors during Emergency Evacuations, AI and Society, n.2, v. 22, 2007, p. 113-132.
  • [18] PANERO, J. & ZELNIK, M., Las dimensiones humanas em los espacios interiores, México: G. Gili, 8a ed., 1998, 320 p.
  • [19] PELECHANO, N., ALLBECK, J. & BADLER, N. Virtual Crowds: methods, simulation, and control. San Rafael: Morgan & Claypool Publishers, 2008.
  • [20] PEREIRA, L. Estudo do tempo de evacuação total em ambientes gerais via autômatos finitos. Belo Horizonte: Departamento de Estatística: UFMG, 2007, 63 p. Dissertação (Mestrado em Estatística).
  • [21] ROSSI, E.Z.; MENDES, A.M.; SIQUEIRA, M.V. &ARAÚJO, J.N.G. Sedução e servidão em um caso de LER/DORT: diálogo entre a Psicodinâmica do Trabalho e a Sociologia Clínica, Psicologia Política, v. 9, n. 18, 2009, p. 313-330.
  • [22] RUCKER, R. The lifebox, the seashell and the soul. New York: Thunder´s Mouth Press. 2005, 149 p.
  • [23] SCHADSCHNEIDER, A., et. al. Evacuation dynamics: empirical results, modeling and applications. In: Encyclopedia of Complexity and System Science. Ed. B. Meyers, Springer, Berlim, 2009. 57 p.
  • [24] STAAL, M.A. Stress, cognition and human performance: a literature review and conceptual framework. NASA, 2004. 171 p.
  • [25] STILL, G.K. Crowd dynamics. Warwick: Department of Mathematics: University of Warwick, 2000, 280 p. Tese (Doctor of Philosophy in Mathematics).
  • [26] THOMPSON, P.A. & MARCHANT, E.W. Testing and application of the computer model “SIMULEX”, Fire Safety Journal, n. 24, 1995, p. 149-166.
  • [27] VASCONCELOS, C.S.F.; VILLAROUCO, V. & SOARES, M.M. Contribuição da psicologia ambiental na análise ergonômica do ambiente construído. Ação Ergonômica, n. 5, v. 3, 2010, p. 14-20.
  • [28] VASCONCELOS, R.C.; LIMA, F.P.A.; CAMAROTTO, J.A.; ABREU, A.C.M.S. & COUTINHO FILHO, A.O.S. Aspectos de complexidade do trabalho de coletores de lixo domiciliar: a gestão da variabilidade do trabalho na rua, Gestão & Produção, v. 15, n. 2, 2008, p. 407- 419.
  • [29] VIDAL, M.C.; BONFATTI, R.J. & CARVÃO, J.M. Ação ergonômica em sistemas complexos – proposta de um método de interação orientada em situação: a conversa-ação, Ação Ergonômica, v. 1, n. 3, 2002, p. 39-64.
  • [30] VIDAL, M.C. & CARVALHO P.V.R. Ergonomia cognitiva: raciocínio e decisão no trabalho. Rio de Janeiro: EVC, 2008. 192 p.
  • [31] VIDAL, M.C.; CARVALHO, P.V.R.; SANTOS, M.S. & SANTOS, I.J.L. Colletive work and resilience of complex sistems, Journal of Loss Prevention in the Process Industries, v. 22, n. 4, 2009, p. 516-527.
  • [32] VIEL, É. A marcha humana, a corrida e o salto: biomecânica, investigações, normas e disfunções. Barueri: Manole, 2001. 277 p.
Como citar:

Braga, Henrique Costa; Moita, Gray Farias; Almeida, Paulo Eduardo Maciel de; , ; "A MOVIMENTAÇÃO HUMANA EM UM AMBIENTE CONSTRUÍDO COMO UM SISTEMA ERGONÔMICO COMPLEXO", p. 1369-1378 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/16ergodesign-0135

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações