Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

A METALINGUAGEM DE PROFESSORES DE PLE EM FORMAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES PARA A AVALIAÇÃO DE PROFICIÊNCIA ORAL NA FORMAÇÃO DOCENTE

DETOMINI, Ana Carolina Silva Mendonça;

Artigo Completo:

Este trabalho visa contribuir com subsídios para avaliação do desempenho metalinguístico oral do professor em formação de português como língua estrangeira (PLE) no EPPLE, o Exame de Proficiência para Professores de Língua Estrangeira. Especificamente, para a formulação de questões que buscam aferir a proficiência oral do professor ao fazer o uso da própria língua alvo para explicá-la, respeitando o conhecimento das regras de comunicação e de formas da língua portuguesa que são socialmente aceitas. Para tanto, foi feito um estudo de caso em dois contextos de pesquisa em PLE da UNESP/IBILCE, campus de São José do Rio Preto: o Teletandem Institucional Integrado (TTDii), um ambiente online de ensino-aprendizagem de línguas, e o Projeto de Extensão “Português Língua Estrangeira (PLE)”, cujas aulas são presenciais. A investigação, por meio dos dados coletados, propõe, mais especificamente, a i) identificar os tipos de perguntas e questões linguísticas levantadas pelos alunos em relação à língua portuguesa, enquanto aprendizes dessa língua; ii) identificar as dúvidas, levantadas pelos aprendentes de PLE, que forem mais recorrentes em ambos os contextos; iii) mapear como o professores em formação explicam as questões levantadas pelos aprendentes de PLE. Tais recorrências servirão de base para que se possibilite a criação de perguntas de avaliação para esse profissional no EPPLE, pautadas nos conceitos de avaliação que fundamentam o exame: a validade, a confiabilidade e a praticidade.

Artigo Completo:

Palavras-chave: EPPLE; metalinguagem; PLE,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/edupro-clafpl2016-066

Referências bibliográficas
  • [1] ALMEIDA FILHO, J. C. P. Dimensões comunicativas no ensino de línguas. Campinas: Pontes, 1993.
  • [2] ______. (Org.) O professor de língua estrangeira em formação. Campinas: Pontes, 1999.
  • [3] ______. O professor de língua(s) profissional, reflexivo e comunicacional. Horizontes de Linguística Aplicada, Brasília, vol. 3, n. 1, p. 07-19, 2004
  • [4] ______. O Português como língua não-materna: Concepções e contexto de ensino. Acervo digital do Museu da Língua Portuguesa. 2005. Acessado em 20/02/2016
  • [5] ______. Maneiras de credenciar-se na área de ensino de português a falantes de outras línguas. J.C.P. de Almeida Filho e M. J. C. Cunha (Org.). Projetos iniciais em português para falantes de outras línguas. Campinas, Pontes: p. 33-37, 2007.
  • [6] ANDRÉ, M. E. D. A. de. Etnografia da prática escolar. Campinas: Papirus, 1995.
  • [7] ARANHA, S., CAVALARI, S. M. S. A trajetória do projeto Teletandem Brasil: da modalidade institucional não-integrada à institucional integrada. The ESPecialist, vol. 35, nº 2, p. 183-201, 2014.
  • [8] BAGHIN-SPINELLI, D. C. M. Ser professor (brasileiro) de língua inglesa: um estudo de processos identitários nas práticas de ensino. Tese de Doutorado. Campinas: Unicamp. 2002.
  • [9] BASSO, E. A. A construção social das competências necessárias ao professor de língua estrangeira: entre o real e o ideal um curso de Letras em estudo. Tese de Doutorado. Campinas: UNICAMP, 2001.
  • [10] BRAMMERTS, H., CALVERT, M. Learning by communicating in tandem. In: LEWIS, T., WALKER, L. (EDS.) Autonomous Language Learning In-tandem. Sheffield, UK: Academy Eletronic Publications, pp. 45-60, 2003.
  • [11] BROCCO, A. S. A gramática em contexto teletandem e em livros didáticos de português como língua estrangeira. 2009. 249 f. Dissertação de Mestrado. Instituto de Biociências, Letras e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, São José do Rio preto, 2009.
  • [12] BURNS, A. Collaborative Research for English Language Teachers. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.
  • [13] BUSNARDI, B. Precisão e complexidade gramatical na avaliação da proficiência oral do (futuro) professor de inglês como língua estrangeira. Dissertação de Mestrado. São José do Rio Preto, SP: IBILCE/UNESP, 2012.
  • [14] CONSOLO, D. A.; TEIXEIRA DA SILVA, V. L (Org.) Em defesa de uma formação linguística de qualidade para professores de línguas estrangeiras: o exame Epple. São José do Rio Preto: RNHLA, 20
  • [15] CONSOLO, D. A. Uma reflexão sobre o falante nativo como paradigma no ensino/aprendizagem de línguas estrangeiras. In S. C. KURTZ & I. MOZZILLO (Org.). Cultura e Diversidade na Sala de Aula de Língua Estrangeira. Pelotas, Editora da UFPEL, 2008, p.82-97.
  • [16] ______. A competência oral de professores de língua estrangeira: a relação teoria-prática no contexto brasileiro. In: CONSOLO, D.A.; TEIXEIRA DA SILVA, V. L. T (Org.). Olhares sobre competências do professor de língua estrangeira: da formação ao desempenho profissional. São José do Rio Preto: HN, 2007.
  • [17] ______. On a (re)definition of oral language proficiency for EFL teachers: perspectives and contributions from current research. Melbourne Papers in Language Testing, vol. 1, 2006, p. 128.
  • [18] ______. A construção de um instrumento de avaliação da proficiência oral do professor de língua estrangeira. Trabalhos em Linguística Aplicada, vol. 43, n. 2, 2004, p. 265-286.
  • [19] _______. Competência linguístico-comunicativa: (re)definindo o perfil do professor de língua estrangeira. Anais do VI Congresso Brasileiro de Linguística Aplicada. Belo Horizonte: UFMG, 2002 (CD-ROM).
  • [20] ______. Classroom Discourse in Language Teaching: a study of oral interaction in EFL lessons in Brazil. Tese de Doutorado. Universidade de Reading, Inglaterra, 1996.
  • [21] CONSOLO, D.A.; TEIXEIRA DA SILVA, V. L (Org.). Olhares sobre competências do professor de língua estrangeira: da formação ao desempenho profissional. São José do Rio Preto: HN, 2007.
  • [22] CRISTOVÃO, V. L. L. Por relações colaborativas entre universidades e escolas. In: CRISTOVÃO, V. L. L.; GIMENEZ, T. (Org.). ENFOPLI: construindo uma comunidade de formadores de professores de inglês. Londrina: Artgraf, 2005.
  • [23] DENZIN, N. K.; LINCOLN, Y. S. Planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Tradução Sandra Regina Netz. Porto Alegre, RS: Artmed, 2007.
  • [24] ELDER, C. Assessing the Language Proficiency of Teachers: Are There Any Border Controls? Language Testing, vol. 18, no2, p. 149-170, 2001.
  • [25] ______. Performance Testing as a benchmark for LOTE Teacher Education. Melbourne Papers in Language Testing, vol. 3, n. 1, 1994, p. 1-
  • [26] ERICKSON, Frederick. Qualitative Methods in Research on Teaching. In: WITTROCK, Merlin C. Handbook of Research on Teaching. 3. ed. New York: Macmillan, 1986. p. 119-161.
  • [27] FERNANDES, A. M. A metalinguagem e a precisão gramatical na proficiência oral de duas professoras de inglês como língua estrangeira. Dissertação de Mestrado. São José do Rio Preto, SP: IBILCE/UNESP, 2011.
  • [28] FURTOSO, V. A. B. Desempenho oral em português para falantes de outras línguas: da avaliação à aprendizagem de línguas estrangeiras em contexto online. Tese de Doutorado. São José do Rio Preto, SP: IBILCE/UNESP, 2011.
  • [29] GIMENEZ, T. (Org.) Trajetórias na formação de professores de línguas. Londrina: Editora da UEL, 2002.
  • [30] ______. (Org.) Ensino e aprendendo inglês na universidade: formação de professores em tempo de mudança. Londrina: ABRAPUI, 2003.
  • [31] GIVEN, L. M. (Ed.) The SAGE Encyclopedia of Qualitative Research Methods, v. 1 and 2. Los Angeles: SAGE Publications, 2008.
  • [32] GONÇALVES, S. C. L., TENANI, L. E. Problemas teórico-metodológicos na elaboração de um sistema de transcrição de dados interacionais: o caso do projeto ALIP (Amostra Lingüística do Interior Paulista). Gragoatá (UFF), v.25, p.12 - 28, 2008.
  • [33] HUGHES, G. S. A handbook of classroom English. Oxford: OUP, 1981.
  • [34] KFOURI-KANEOYA, M. L. C. O ensino de PLE em um contexto universitário: implicações para a formação do discurso e para a formação do professor. Revista Mosaico, São José do Rio Preto, SP: IBILCE/UNESP, v. 12, 2013, p. 339-352.
  • [35] McNAMARA, T. Language testing. Oxford: Oxford University Press, 2000.
  • [36] MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.
  • [37] MARGONARI, D. M.; SILVA, A. Re/estruturações no processo de formação profissional de professores iniciantes de língua inglesa. Signum – Estudos da Linguagem, Londrina, vol.1, p. 127-142, 2007.
  • [38] MARTINS, T. H. B. Subsídios para a elaboração de um exame de proficiência para professores de inglês. Dissertação de Mestrado. Campinas: UNICAMP, 2005.
  • [39] MITCHELL, R. Communicative language teaching in practice. London: CILT, 1988.
  • [40] OLIVEIRA, M. M. Como fazer pesquisa qualitativa. Petrópolis: Vozes, 2007.
  • [41] TELLES, J.A. Teletandem and performativity. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, 15(1), p. 1-30, 2015. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/1984-639820155536. Acesso em 18/04/2016.
  • [42] TELLES, J. A. Do we really need a webcam? - The uses that foreign language students make out of webcam images during teletandem sessions. In: Letras & Letras. 25 (2) p. 65-79, 2009. Disponível em http://www.seer.ufu.br/index.php/letraseletras/article/viewFile/25529/14135. Acesso em Acesso em 18/04/2016.
  • [43] TEIXEIRA DA SILVA, V. L. Fluência Oral: Imaginário, Construto e Realidade num Curso de Letras/LE. Tese de Doutorado. Campinas: UscaraNICAMP, 2000.
  • [44] VIEIRA-ABRAHÃO, M. H. Conflitos e incertezas na renovação da prática de sala de aula do professor de língua estrangeira: um estudo de caso. Tese de Doutorado. Campinas: UNICAMP, 1996.
  • [45] ______. A formação do professor de línguas: passado, presente e futuro. In: Kleber Aparecido da Silva. (Org.). Ensinar e aprender línguas na contemporaneidade: linhas e entrelinhas. 1 ed. Campinas: Pontes Editores, 2010, v. 1, p. 225-234.
  • [46] ______. A formação acadêmica e a iniciação profissional do professor de língua estrangeira. Trabalhos em Linguística Aplicada, UNICAMP-CAMPINAS, v. 37, p. 61-81, 2001.
  • [47] ______. A formação inicial e o desenvolvimento profissional do professor de línguas estrangeiras: práticas e pesquisas. Horizontes, Brasília, v. 5, n. 2, p. 8-23, 2006.
  • [48] VIEIRA-ABRAHÃO, M. H.; GIL, G. (Org.). Educação de Professores de Línguas: os desafios do formador. 1. ed. Campinas: Pontes Editores. v. 1000. p. 358, 2008.
  • [49] WALSH, S. Investigating Classroom Discourse. New York: Routledge, 2006.
Como citar:

DETOMINI, Ana Carolina Silva Mendonça; "A METALINGUAGEM DE PROFESSORES DE PLE EM FORMAÇÃO: CONTRIBUIÇÕES PARA A AVALIAÇÃO DE PROFICIÊNCIA ORAL NA FORMAÇÃO DOCENTE", p. 835-851 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2318-695X, DOI 10.5151/edupro-clafpl2016-066

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações