Artigo completo - Open Access.

Idioma principal

A internacionalização das grandes empresas farmacêuticas nacionais: evolução, desafios e estratégias inovativas

Perin, Fernanda Steiner; Paranhos, Julia;

Artigo completo:

O objetivo, neste trabalho, é analisar as características da internacionalização das grandes empresas farmacêuticas nacionais brasileiras. A partir de um estudo de múltiplos casos com oito empresas identificaram-se as formas de entrada, estratégias, vantagens competitivas e obstáculos encontrados na inserção internacional. Os resultados da pesquisa evidenciam as características comuns das empresas, em relação às vantagens competitivas e obstáculos, como também, dois padrões distintos de estratégias: a exploração de ativos e capacidades e o aprimoramento de ativos e capacidades no mercado internacional. As conclusões trazem contribuições à literatura de negócios internacionais de países em desenvolvimento, ao constatar que: i) as vantagens competitivas das empresas são construídas em momento anterior à internacionalização em relação a capacidade financeira e de adaptação ao ambiente competitivo doméstico; ii) as empresas seguem estratégias de aprimoramento tecnológico em países desenvolvidos como um atalho para superar suas debilidades inovativas; iii) os principais obstáculos para a internacionalização se referem ao aparato regulatório brasileiro.

Artigo completo:

Palavras-chave: Internacionalização de empresas de países em desenvolvimento, Indústria farmacêutica, Estratégia de inovação,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/iv-enei-2019-2.1-006

Referências bibliográficas
  • [1] Agência Nacional De Vigilância Sanitária – Anvisa (2018). Disponível no: . Vários Acessos.
  • [2] Agência Nacional De Vigilância Sanitária – Anvisa (2017). Anuário Estatístico do Mercado Farmacêutico. Brasília: Anvisa.
  • [3] Aguilera, R. V., Ciravegna, L., A. C.-C., & Gonzalez-Perez, M. A. (2017). Multilatinas and the internationalization of Latin American firms. Journal of World Business, 52, 447–460.
  • [4] Athreye, S. & Kapur, S. (2009). The internationalization of Chinese and Indian firms: trends, motivations and strategy. Industrial and Corporate Change, 18 (2), 209–221.
  • [5] Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES (2019). Disponível no: . Acesso em mai. 2019.
  • [6] Barcelos, R. (2017). A dinâmica das capacidades: elementos para a gestão estratégica. Revista Eletrônica Gestão e Sociedade, 11(30), 1934-1962.
  • [7] Barroso, L. C. (2014). Esforços tecnológicos das firmas transnacionais no Brasil: um estudo da primeira década dos anos 2000. PPGE/IE/UFRJ. (Tese de doutorado).
  • [8] Bonaglia, F., Goldstein, A., & Mathews, J. A. (2007). Accelerated internationalization by emerging markets multinationals: The case of the white goods sector. Journal of World Business, 42, 369–383.
  • [9] Buckley, P. J., Elia, S., & Kafouros, M. (2014). Acquisitions by emerging market multinationals: Implications for firm performance. Journal of World Business, 49 (4), 611-632.
  • [10] Carlsson, B. (2006) Internationalization of Innovation Systems: a survey of the literature. Research Policy, 35, 56-67.
  • [11] Cohen, W. & Levinthal, D. (1990). Absorptive capacity: a new perspective on learning and innovation. Administrative Science Quartely, 35 (1), 128-152.
  • [12] Conti, C. R., Parente, R., & Vasconcelos, F. C. (2016). When distance does not matter: Implications for Latin American multinationals. Journal of Business Research, 69, 1980-1992.
  • [13] Cuervo-Cazurra, A. (2008). The multinationalization of developing country MNEs: The case of multilatinas. Journal of International Management, 14 (2), 138-154.
  • [14] Dimasi, J. A., Hansen, R. W. & Grabowski, H. G. (2003). The price of innovation: new estimates of drug development costs. Journal of Health Economics, 22, 151-185.
  • [15] Dunning, J. (2006). Towards a new paradigm of development: implications for the determinants ofinternational business. Transnational Corporations, 15 (1), 173-227.
  • [16] Dunning, J., Kim & Park.(2008). Old wine in new bottles: a comparison of emerging-market TNCs today and develop-country TNCs thirty years ago. In: Sauvant, K. The rise of transnational corporations from emerging markets: threat or opportunity? Edward Elgar Publishing, 158-180.
  • [17] EvaluatePharma (2018). World Preview 2018, Outlook to 2024. Evaluate. [S.l.], p. 47.
  • [18] Fialho, B. (2005). Dependência Biotecnológica e Biodiversidade: Um estudo histórico sobre a indústria farmacêutica no Brasil e nos Estados Unidos. Rio de Janeiro: COPPE/UFRJ. (Tese de Doutorado).
  • [19] Filippetti, A., Frenz, M., & Ietto-Gillies, G. (2017). The impact of internationalization on innovation at countries' level: the role of absorptive capacity. Cambridge Journal of Economics, 41, 413-439.
  • [20] Gomes, E. Clusters e biotecnologia para a superação da imitação: estudo de caso da indústria farmacêutica brasileira. Rio de Janeiro: PPED/IE/UFRJ. (Tese de Doutorado), 2014.
  • [21] Guillén & Garcia-Canal. (2009). The American Model of the Multinational Firm and the “New” Multinationals From Emerging Economies. Academy of Management Perspectives, 23-35.
  • [22] Hasenclever, L. et al. (2008). Diagnóstico e papel dos laboratórios públicos na capacitação tecnológica e atividades de P&D da indústria farmacêutica brasileira. In: BUSS, P. M. ; 118 Carvalheiro, J. R. ; Casas, C. P. R. (Orgs.). Medicamentos no Brasil: inovação e acesso. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2008.
  • [23] Hasenclever, L. et al. (2018). Vulnerabilidades do Complexo Industrial da Saúde: reflexos das políticas industrial e tecnológica na produção local e assistência farmacêutica. Rio de Janeiro: E-papers.
  • [24] IEDI. (2016). Panorama mundial e brasileiro do setor farmacêutico.
  • [25] Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. (2016). Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica 2014. Rio de Janeiro: IBGE.
  • [26] Kogut, B. & Zander, U. (1993). Knowledge of the firm and the evolutionary theory of the multinational corporation. Journal of International Business Studies, 4, 625-645.
  • [27] Kothari, T., Kotabe, M., & Murphy, P. (2013). Rules of the Game for Emerging Market Multinational Companies from China and India. Journal of International Management, 19, 276-299.
  • [28] Lee, K., & Malerba, F. (2017). Catch-up cycles and changes in industrial leadership: Windows of opportunity and responses of firms and countries in the evolution of. Research Policy, 46, 338-351.
  • [29] Luo, Y., & Tung, R.(2007); International expansion of emerging market enterprises: A springboard perspective. Journal of International Business Studies, 38, 481-498.
  • [30] Mathews, J. (2006). Dragon multinationals: new players in 21st century globalization. Pacific J Manage, 23, 5-27.
  • [31] Marconi, M. A., & Lakatos, E. M. (2016). Fundamentos de metodologia científica. 7ª. ed. São Paulo: Atlas.
  • [32] Martin, S. L. & Javalgi, R. (2016). Entrepreneurial orientation, marketing capabilities and performance: The Moderating role of Competitive Intensity on Latin American International New Ventures. Journal of Business Research, 69 (6), 2040-2051.
  • [33] Mckelvey, M. & Orsenigo, L. (2001). Pharmaceuticals as a Sectoral Innovation System. Paper prepared for the ESSY Project (European Sectoral Systems of Innovation) and within the Epris Project.
  • [34] Narula, R., & Dunning, J. (2010). Multinational enterprises, development and globalization: some. Oxford Development Studies, 38 (3), 263-287.
  • [35] Paranhos, J. (2010). Interação entre Empresas e Instituições de Ciência e Tecnologia no Sistema Farmacêutico de Inovação Brasileiro: estrutura, conteúdo e dinâmica. Rio de Janeiro: PPGE/IE/UFRJ. (Tese de doutorado).
  • [36] Paranhos, J., Perin, F. S., Mercadante, E., & Soares, C. (2018). Estratégias de inovação das grandes empresas farmacêuticas nacionais na interação empresa-ICT. Acesso em 01 de nov de 2018, disponível em Anais do III Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação: https://www.proceedings.blucher.com.br/article-list/enei2018-308/list#articles
  • [37] Perin, F. & Cario, S. (2019). Capitalist Development Compared: A study of the pattern of the Brazilian and South Korean Outward Foreign Direct Investment. Análise Econômica, no prelo.
  • [38] Radaelli, V. A inovação na indústria farmacêutica: forças centrípetas e forças centrífugas no processo de internacionalização. Campinas: IGE/UNICAMP, 2006. (Dissertação de Mestrado).
  • [39] Sindusfarma.(2018) Sindicato da Indústria de Produtos Farmacêuticos no Estado de São Paulo. Indicadores econômicos. Disponível no: . Acesso em jan. 2019.
  • [40] Teece, D. J. (2009). Dynamic Capabilities & strategic management: organizing for innovation and growth. Reino Unido: Oxford University Press.
  • [41] Torres, R. L. (2015). Capacitação tecnológica na indústria farmacêutica brasileira. 2015. 212 f. Tese (Doutorado) – Curso de Programa de Pós-graduação em Economia, Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.
  • [42] Tigre, P., Nascimento, C., & Costa, L. (2016). Janelas de oportunidades e inovação tecnológica na indústria brasileira de medicamentos. Cad. Saúde Pública, 32, 1-12.
  • [43] Vernon, R. (1966). International investment and international trade in the product cycle. Quarterly Journal of Economics, 80, 190-207.
  • [44] Zahra, S. & George, G. (2002). Absorptive Capacity: a review, reconceptualization, and extension. Academy of Management Review, 27 (2), 185-203.
Como citar:

Perin, Fernanda Steiner; Paranhos, Julia; "A internacionalização das grandes empresas farmacêuticas nacionais: evolução, desafios e estratégias inovativas", p. 361-372 . In: Anais do IV Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação. São Paulo: Blucher, 2019.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/iv-enei-2019-2.1-006

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações