Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

A INSERÇÃO INTERNACIONAL DAS EMPRESAS FARMACÊUTICAS NACIONAIS

PERIN, Fernanda Steiner; PARANHOS, Julia;

Artigo Completo:

O objetivo deste trabalho é identificar os principais movimentos de inserção internacional das empresas farmacêuticas brasileiras de capital nacional. A metodologia para o tema proposto utiliza fontes de dados secundárias por meio de pesquisas bibliográficas e documentais. Por meio dos dados de comércio exterior, encontrou-se que a balança comercial da indústria farmacêutica é estruturalmente deficitária. As importações tiveram altas taxas de crescimento devido à ampliação da oferta dos insumos farmacologicamente ativos (IFAs), oriundas dos países asiáticos, e dos medicamentos prontos, sobretudo, os de base biotecnológica, pelo extenso período de apreciação da moeda brasileira e pelo crescimento do mercado consumidor doméstico. Por sua vez, foi evidenciado um crescimento das exportações da indústria farmacêutica a partir do início dos anos 2000, juntamente com o crescimento das empresas nacionais a partir da Lei dos Medicamentos Genéricos. Contudo, embora as exportações da indústria farmacêutica brasileira tenham apresentado altas taxas de crescimento, os produtos brasileiros ainda são de baixo valor agregado. Foi observado um movimento de inserção externa das empresas farmacêuticas nacionais que empreendem estratégias de internacionalização em duas direções. Por um lado, as empresas farmacêuticas de capital nacional adotam a estratégia de acessar os mercados dos países latino-americanos e, por outro lado, estão se inserindo em países desenvolvidos para buscar capacitação tecnológica.

Artigo Completo:

The work aims to identify the main movements of international insertion of Brazilian national-owned firms of the pharmaceutical industry. The methodology for the proposed theme uses sources of secondary data through bibliographical and documentary research. Through the data of foreign trade, it was found that the balance of trade of the pharmaceutical industry has a structurally deficient. Imports had high growth rates due to the expansion of the supply of active pharmaceutical ingredients (API) from Asian countries, and of finished drugs, mainly biotechnological ones, due to the long period of appreciation of the Brazilian currency and the growth of the market consumer. In turn, there was an increase in the exports of the Brazilian pharmaceutical industry from the beginning of the 2000s, together with the growth of national-owned firms since the Law of Generic Drugs. However, although exports from the Brazilian pharmaceutical industry showed high growth rates, Brazilian products still have low value added. It was observed a foreign insertion of the pharmaceutical Brazilian national-owned firms that undertake strategies of internationalization in two directions. On the one hand, nationally-owned pharmaceutical firms adopt the strategy of accessing the markets of Latin American countries and, on the other hand, are entering into developed countries to seek technological capacity.

Palavras-chave: empresa farmacêutica brasileira, estratégia de internacionalização, capacitação tecnológica,

Palavras-chave: Brazilian pharmaceutical firm, internationalization strategy, technological capacity,

DOI: 10.5151/enei2017-45

Referências bibliográficas
  • [1] ACHÉ. Disponível no: . Acesso em 15 nov. 2016.
  • [2] BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL – BNDES. Relatório de Operações de Internacionalização. Tabulação especial. Disponibilizado em mar. 2014.
  • [3] BANCO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E SOCIAL – BNDES. Disponível no: . Acesso em 20 jan. 2017.
  • [4] BERMUDEZ, J. et al. O Acordo TRIPS da OMC e a Proteção Patentária no Brasil: mudanças recentes e implicações para a produção local e o acesso aos medicamentos. Rio de Janeiro: Fiocruz/ENSP, 2000.
  • [5] BIOLAB. Disponível no: . Acesso em 15 nov. 2016.
  • [6] BRASIL. BANCO CENTRAL DO BRASIL – BCB. Capitais Brasileiros no Exterior 2007-2015. Acesso em 15 jan. 2017.
  • [7] BRASIL. LEI No 9.787, DE 10 DE FEVEREIRO DE 1999. Regulamento Altera a Lei no 6.360, de 23 de setembro de 1976, que dispõe sobre a vigilância sanitária, estabelece o medicamento genérico, dispõe sobre a utilização de nomes genéricos em produtos farmacêuticos e das outras providências. Brasília, 10 fev. 1999. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2016.
  • [8] BRASIL. MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR – MDIC. Secretaria de Comércio Exterior, Sistema AliceWeb. Disponível no: . Acesso em jan. 2017.
  • [9] BUCLEY, P.; CASSON, M. C. The future of multinational enterprise. Londres: Homes & Meier, 1976.
  • [10] CRISTÁLIA. Disponível no: < http://www.2cristalia.com.br/>. Acesso em 15 nov. 2016.
  • [11] CUERVO-CAZURRA, A.; GENC, M. Transforming disadvantages into advantages: developing country MNEs in the least developed countries. Journal of International Business Studies , v. 39, p. 957-979, 2008.
  • [12] DUNNING, J. The eclectic paradigm as an envelope for economic and business theories of MNE activity. International Business Review, Reino Unido, n. 1, v. 9, p. 163-190, 2000.
  • [13] DUNNING, J. Trade, Location of Economic Activity and the Multinational Enterprise: a search for an eclectic approach. In: DUNNING, J. Explaining International Production. Londres: Unwin Hyman, cap. 1, p. 13-40, 1988.
  • [14] DUNNING, J.; LUNDAN, S. Multinational Enterprises and the Global Economy. EUA, Reino Unido: Edward Elgar Publishing, 2008.
  • [15] EMS. Disponível no: . Acesso em 15 nov. 2016.
  • [16] EUROFARMA. Disponível no: < http://www.eurofarma.com.br/>. Acesso em 15 nov. 20
  • [17] FACTO. Blanver aposta na internacionalização de sua divisão de medicamentos. 5 jan. 2016. Disponível em: . Acesso em 01 fev. 20
  • [18] FINOTTI, O. Medicamentos genéricos no Brasil: avanços e desafios. II Enifarmed – 2º Encontro Nacional de Inovação em Fármacos e Medicamentos. São Paulo, 12-13 ago. 2008.
  • [19] GOMES, E. B. P. Clusters e biotecnologia para a superação da imitação: estudo de caso da indústria farmacêutica brasileira. 2014. 376 f. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas, Estratégias e Desenvolvimento, Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.
  • [20] HAAG, V.; HENKIN, H. Ampliando a inserção internacional dos setores farmoquímico e farmacêutico brasileiros: alternativas estratégicas. São Paulo: SINDUSFARMA, 2013.
  • [21] HAAG, V.; STAROSTA, E. Oportunidades no Mercado Internacional para a Indústria Farmacêutica Brasileira: análise da dinâmica do setor e por produto. Estudos FEBRAFARMA, 2006.
  • [22] HASENCLEVER et al. Desafios de operação e desenvolvimento do Complexo Industrial da Saúde. Rio de Janeiro: E-papers, 2016.
  • [23] HASENCLEVER, L. (org.) Economia Industrial: Fundamentos teóricos e práticas no Brasil. 2 ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2013, p. 193-2010.
  • [24] HEBRON. Disponível no: < http://www.hebron.com.br/>. Acesso em 15 nov. 2016.
  • [25] HYPERMARCAS. Disponível no: < http://www.hypermarcas.com.br/>. Acesso em 15 nov. 2016.
  • [26] HYPERMARCAS. Relações com Investidores. Formulário de Referência 2016 – Hypermarcas S.A, 2016a.
  • [27] INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa Industrial de Inovação Tecnológica 2014. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.
  • [28] INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE. Pesquisa Industrial Anual 2014. Rio de Janeiro: IBGE, 2017.
  • [29] INSTITUTO DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSRTIAL – IEDI. Panorama mundial e brasileiro do setor farmacêutico, dez. 2016.
  • [30] INSTITUTO DE ESTUDOS PARA O DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL – IEDI. Carta IEDI nº 411. Publicada em 19 de abr. de 2010.
  • [31] KUEMMERLE, W. The drivers of foreign direct investment into research and development: an empirical investigation. Journal of International Business, v. 30, n. 1, p. 1-24, 1999.
  • [32] LE BAS, C.; PATEL, P. The determinants of home-base-augmenting and home-base-exploiting Technological activities: some new results on multinationals’ locational strategies. SPRU Electronic Working Paper Series, n. 164, 2007.
  • [33] LIBBS. Disponível no: . Acesso em 15 nov. 2016.
  • [34] McKELVEY, M.; ORSENIGO, L. Pharmaceuticals as a Sectoral Innovation System. Paper prepared for the ESSY Project (European Sectoral Systems of Innovation) and within the Epris Project, 2001.
  • [35] MITIDIERI, T. et al. Há espaços competitivos para a indústria farmoquímica brasileira? Reflexões e propostas para políticas públicas. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 41, p. 43-78, mar. 2015
  • [36] NARULA, R.; ZANFEI, A. Globalization of innovation: the role of multinational enterprises. In: FAGERBERG, J.; MOWERY, D.; NELSON, R. The Oxford Handbook of Innovation. 1. ed. [S.l.]: Oxford University Press, 2004. Cap. 12, p. 318-346.
  • [37] PALMEIRA FILHO, P.; CAPANEMA, L. A indústria farmacêutica nacional: desafios rumo à inserção global. In: ALÉM, A. C.; GIAMBIAGE, F. O BNDES em um Brasil em transição, Rio de Janeiro: BNDES, 2010, cap. 19.
  • [38] PARANHOS, J. Interação entre Empresas e Instituições de Ciência e Tecnologia no Sistema Farmacêutico de Inovação Brasileiro: estrutura, conteúdo e dinâmica. 2010. 327 f. Tese (Doutorado) – Curso de Economia, Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.
  • [39] PAVITT, K. Sectorial patterns of technical change: towards a taxonomy and a theory. Research Policy, v. 13, p. 343-373, 1984.
  • [40] PERIN, F. S. Trajetórias de desenvolvimento distintas: estudo sobre o padrão do Investimento Direto no Exterior do Brasil e da Coreia do Sul. 313 f. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Economia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis (SC), 2014.
  • [41] PIMENTEL, V. P. et al. Inserção internacional das empresas farmacêuticas: motivações, experiências e propostas para o BNDES. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 40, p. 5-42, set. 2014.
  • [42] PINHEIRO, A. C.; ALMEIDA, G. B. de. Padrões setoriais da proteção na economia brasileira. Rio de Janeiro: IPEA. Texto para discussão, n. 355, 1994.
  • [43] RADAELLI, V. A inovação na indústria farmacêutica: forças centrípetas e forças centrífugas no processo de internacionalização. Campinas: IGE/UNICAMP, 2006. (Dissertação de Mestrado).
  • [44] RAMAMURTI, R. Why study emerging-market multinationals? In: RAMAMURTI, R.; SINGH, J. Emerging Multinationals in Emerging Markets. Cambridge : Cambridge University Press, 2009. Cap. 1, p. 3-22.
  • [45] RECEPTA. Disponível no: < http://www.receptabiopharma.com.br/>. Acesso em 15 nov. 2016.
  • [46] REIS, C.; LANDIM, A. B.; PIERONI, J. P. Lições da experiência internacional e propostas para incorporação da rota biotecnológica na indústria farmacêutica brasileira. BNDES Setorial, Rio de Janeiro, n. 34, p. 5-44, 2011.
  • [47] RUGMAN, A. Inside the multinationals: The economics of internal markets. Nova York: Columbia Press, 1981.
  • [48] SILVA, D. Internacionalização Born Global: perspectivas para um novo modelo de desenvolvimento das empresas nacionais. Anais... I Circuito de Debates Acadêmicos. IPEA/CODE, 2011.
  • [49] TEECE, D. A dynamics capabilities-based entrepreneurial theory of the multinational enterprise. Journal of International Business Studies, v. 45, p. 8-37, 2014.
  • [50] TEECE, D. Explicating Dynamics Capabilities: the nature and microfoundations of (sustainable) enterprise performance. Strategic Management Journal, v. 28, p. 1319-1350, 2007.
  • [51] TORRES, R. L. Capacitação tecnológica na indústria farmacêutica brasileira. 2015. 212 f. Tese (Doutorado) – Curso de Programa de Pós-graduação em Economia, Instituto de Economia, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2015.
  • [52] TORRES, R.; CAVALIERI, H. Uma crítica aos indicadores usuais de desindustrialização no Brasil. Revista de Economia Política, v. 35, n. 4, p. 859-877, out./dez. 2015.
  • [53] UNIÃO QUÍMICA. Disponível no: < http://www.uniaoquimica.com.br/>. Acesso em 15 nov. 2016.
  • [54] UNITED NATIONS CONFERENCE ON TRADE AND DEVELOPMENT – UNCTAD. Investor Nationality: Policy Challenges. World Investment Report. Nova York, Geneva: United Nations, 2016.
  • [55] URRACA-RUIZ, A. U.; PARANHOS, J. O desenvolvimento de competências tecnológicas no setor farmacêutico pós-TRIPS: diferenças entre Brasil, Índia e China. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 40., 2012, Porto de Galinhas (PE). Anais... . ANPEC, 2012. p. 1-16.
  • [56] VERNON, R. International investment and international trade in the product cycle. Quarterly Journal of Economics, v. 80, p. 190-207, 1966.
Como citar:

PERIN, Fernanda Steiner; PARANHOS, Julia; "A INSERÇÃO INTERNACIONAL DAS EMPRESAS FARMACÊUTICAS NACIONAIS", p. 812-829 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/enei2017-45

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações