Artigo - Open Access.

Idioma principal | Segundo idioma

A Extensão Universitária como um caminho para a Inovação Social: análises a partir da Universidade Federal do Rio Grande do Sul

University Extension as a path to Social Innovation: analysis from the Federal University of Rio Grande do Sul

Klaumann, Ana Paula; Tatsch, Ana Lúcia;

Artigo:

Inovações sociais são inovaçoes que intentam dar respostas às necessidades e problemas sociais, expandindo os instrumentos e as capacidades para a participação dos agentes na construção de soluções, potencialmente partindo da interação e colaboração de diversos agentes, organizações e instituições. As universidades desempenham papéis ativos no contexto dessas inovações, na medida em que se engajam para cumprir a sua terceira missão, relacionando-se às demandas da sociedade. Este trabalho investiga como as universidades desempenham papéis no contexto dessas inovações, tendo como objeto de análise a extensão universitária na Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Aplicou-se um questionário focalizado em uma amostra das ações de extensão desenvolvidas na Universidade. As ações mapeadas contribuem para a formulação e operacionalização de inovações de caráter social, corroborando o entendimento de que universidades exercem importantes papéis nesse contexto. Contribuem, principalmente, para a provisão de recursos e de soluções para a comunidade envolvida no projeto.

Artigo:

Social innovations are innovations that attempt to respond to social needs and problems, expanding the instruments and capacities for the participation of agents in the construction of solutions, potentially starting from the interaction and collaboration of several agents, organizations and institutions. Universities play active roles in the context of these innovations, as they engage to fulfill their third mission, relating to the demands of society. This work investigates how universities play roles in the context of these innovations, having as object of analysis the university extension at the Federal University of Rio Grande do Sul. A survey focused on a sample of extension actions developed at the University was applied. The actions mapped contribute to the formulation and implementation of innovations of a social nature, corroborating the understanding that universities play important roles in this context. They mainly contribute to the provision of resources and solutions for the community involved in the project.

Palavras-chave: Inovações sociais; Universidade-sociedade; Universidade Federal do Rio Grande do Sul,

Palavras-chave: Social innovations; University-society; Federal University of Rio Grande do Sul,

DOI: 10.5151/vi-enei-803

Referências bibliográficas
  • [1] ALBINO, V.; BERARDI, U.; DANGELICO, R. M. Smart Cities: Definitions, Dimensions, Performance, and Initiatives. Journal of Urban Technology, v. 22, n. 1, p. 3-21, 2015.
  • [2] ALVES, M. A.; DIAS, R. C.; SEIXAS, P. C. Smart Cities no Brasil e em Portugal: O Estado da Arte. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 11, 2019.
  • [3] BARRIONUEVO, J. M; BERRONE, P.; RICART, J. E. Smart Cities, Sustainable Progress. Iese Insight, v. 14, n. 14, p. 50-57, 2012.
  • [4] BASIRI, M.; AZIM, A. Z.; FARROKHI, M. Smart City Solution for Sustainable Urban Development. European Journal of Sustainable Development, v. 6, n. 1, p. 71-71, 2017.
  • [5] BETARELLI JUNIOR, A. A.; FERREIRA, S. Introdução à Análise Qualitativa Comparativa e aos Conjuntos Fuzzy (fsQCA). Enap.gov.br, 2018. Disponível em:. Acesso em: 17 de agosto
  • [6] de 2021.
  • [7] COHEN, B. The 3 Generations of Smart Cities: Inside the Development of the Technology Driven City. Fast Company, 2015. Disponível em: . Acesso em: 14 de junho de 2021.
  • [8] CORTESE, T. et al. Tecnologias e Sustentabilidade nas Cidades. Estudos Avançados, v. 33, n. 97, p. 137-150, 2019.
  • [9] CROCCO, M.; DINIZ, C. C. Economia Regional e Urbana: Contribuições Teóricas Recentes. Livros editados pelo Cedeplar-UFMG, 2006.
  • [10] CUNHA, M.; PRZEYBILOVICZ, E.; MACAYA, J.; BURGOS, F. Smart City: Transformação Digital de Cidades. São Paulo: Programa Gestão Pública e Cidadania, 2016.
  • [11] DIAS, O. Análise Qualitativa Comparativa (QCA) Usando Conjuntos Fuzzy: Uma Abordagem Inovadora para Estudos Organizacionais no Brasil. Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, v. 35, p. 03-07, 20
  • [12] DURANTON, G.; PUGA, D. Nursery Cities: Urban Diversity, Process Innovation, and the Life Cycle of Products. American Economic Review, v. 91, n. 5, p. 1454-1477, 2001.
  • [13] FARINIUK, T. et al. O Estereótipo Smart City no Brasil e sua Relação com o Meio Urbano. Perspectivas em Gestão & Conhecimento; v. 10, n. 2 ,159-179, 2020.
  • [14] FERNANDES, G. A Framework for Dashboarding City Performance: An Application to Cascais Smart City. Universidade Nova de Lisboa, 2017. Disponível em: . Acesso em: 25 de janeiro de 2022.
  • [15] GASCÓ-HERNANDEZ, M. Building a Smart City: Lessons from Barcelona. Communications of the ACM, v. 61, n. 4, p. 50-57, 2018.
  • [16] GAUDARD, D.; RICARDO, E.; PEIXOTO, T. Educação. Em: Smart Cities Cidades Inteligentes nas Dimensões: Planejamento, Governança, Mobilidade, Educação e Saúde. [S.l.]: Editora Freitas Bastos, v. 1, p. 253–269, 2021.
  • [17] GLAESER, E. et al. Growth in Cities.Journal of Political Economy, v. 100, n. 6, p. 1126-1152, 1992.
  • [18] GLAESER, E. Are Cities Dying?. Journal of Economic Perspectives, v. 12, n. 2, p. 139-160, 1998.
  • [19] GLAESER, E. The New Economics of Urban and Regional Growth. The Oxford Handbook of Economic Geography, p. 289-302, 2000.
  • [20] GLAESER, E.; HENDERSON, V.; INMAN, R. The Future of Urban Research: Nonmarket Interactions [with comments]. Brookings-Wharton Papers on Urban Affairs, p. 101-149, 2000.
  • [21] GONÇALVES, R. Smart Cities: Estudo de Indicadores de Avaliação de Desempenho. Instituto Superior de Economia e Gestão, 2018. Disponível em: . Acesso em: 25 de janeiro de 2022.
  • [22] GUEDES, A. et al. O Planejamento Urbano Rumo à Cidade Inteligente. Em: Smart Cities Cidades Inteligentes nas Dimensões: Planejamento, Governança, Mobilidade, Educação e Saúde. [S.l.]: Editora Freitas Bastos, v. 1, p. 23–33, 2021.
  • [23] GUIMARÃES, P.; XAVIER, Y. M. A. Smart cities e Direito: Conceitos e Parâmetros de Investigação da Governança Urbana Contemporânea. Revista de Direito da Cidade, v. 8, n. 4, p. 1362-1380, 2016.
  • [24] HAO, L. et al. The Application and Implementation Research of Smart City in China. Em: 2012 International Conference on System Science and Engineering (ICSSE). Instituto de Engenheiros Eletricistas e Eletrônicos (IEEE), p. 288-292, 2012.
  • [25] HENDERSON, J. The Sizes and Types of Cities. Economics Department, Queen's University, 1972.
  • [26] HUDSON, J.; KUEHNER, S. Qualitative Comparative Analysis and Applied Public Policy Analysis: New Applications of Innovative Methods. Policy and Society, v. 32, n. 4, p. 279-287, 2013.
  • [27] ISMAGILOVA, E. et al. Smart cities: Advances in Research—An Information Systems Perspective. International Journal of Information Management, v. 47, p. 88-100, 2019.
  • [28] JACOBS, J. The Economy of Cities. New York: Vintage, 1969.
  • [29] KOMNINOS, N. Intelligent Cities: Towards Interactive and Global Innovation Environments. International Journal of Innovation and Regional Development, v. 1, n. 4, p. 337-355, 2009.
  • [30] KRUGMAN, P. Increasing Returns and Economic Geography. Journal of Political Economy, v. 99, n. 3, p. 483-499, 1991.
  • [31]
  • [32] LEE, J. H.; HANCOCK, M.; HU, M. Towards an Effective Framework for Building Smart Cities: Lessons from Seoul and San Francisco. Technological Forecasting and Social Change, v. 89, p. 80-99, 2014.
  • [33] LEE, N. Inclusive Growth in Cities: A Sympathetic Critique. Regional Studies, v. 53, n. 3, p. 424-434, 2019.
  • [34] MACEDO, F. C. de; PORTO, L. Existe uma Política Nacional de Desenvolvimento Regional no Brasil?. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, [S. l.], v. 14, n. 2, 2018. DOI: 10.54399/rbgdr.v14i2.3639. Disponível em: . Acesso em: 16 de janeiro de 2022.
  • [35] MACKE, J. et al. Smart city and Quality of Life: Citizens’ Perception in a Brazilian Case Study. Journal of Cleaner Production, v. 182, p. 717-726, 2018.
  • [36] MESSIAS, F. et al. A Economia Criativa na Arena da Sustentabilidade. Revista do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP, v. 27, n. 50, 2020.
  • [37] MONTE-MÓR, R. L. O Que é Urbano no Mundo Contemporâneo?. Cedeplar: Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional de Minas Gerais – UFMG, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 de janeiro de 2022.
  • [38] MONTENEGRO, R. L. G. Inovações Ambientais e Sistemas Nacionais de Inovação: Caracterizações para o Período 1990-2010. Tese (Doutorado em Economia) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional da Universidade Federal de Minas Gerais (CEDEPLAR/UFMG), 2016. Disponível em: . Acesso em: 25 de janeiro de 2022.
  • [39] NAVARRO, J. L. A.; RUIZ, V. R. L.; PENA, D. N. The Effect of ICT Use and Capability on Knowledge-based Cities. Cities, v.60, p.272-80, parte A, 2017.
  • [40] Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). Housing Dynamics in Korea: Building Inclusive and Smart Cities. OECD Publishing, 2018. Disponível em: . Acesso em: 15 de março de 2021.
  • [41] O’SULLIVAN, A. Urban Economics. 8th. ed. New York: McGraw-Hill/Irwin, 2011.
  • [42] PENNA, N.; FERREIRA, I. Desigualdades Socioespaciais e Áreas de Vulnerabilidades nas Cidades. Mercator (Fortaleza), v. 13, p. 25-36, 2014.
  • [43] PIRES, L. Cidade Inteligente e a Aparente Crise Regulatória. Em: Smart Cities Cidades Inteligentes nas Dimensões: Planejamento, Governança, Mobilidade, Educação e Saúde. [S.l.]: Editora Freitas Bastos, v. 1, p. 69–80, 2021.
  • [44] PNUD Brasil. Índice de Desenvolvimento Humano – IDH. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, 2022. Disponível em: . Acesso em: 16 de janeiro de 2022.
  • [45] PORTAL DA TRANSPARÊNCIA. O que é e como funciona. Portal da Transparência – Controladoria Geral da União, 2021. Disponível em: . Acesso em: 13 de agosto de 2021.
  • [46] PORTAL DA TRANSPARÊNCIA. Programas de Governo. Portal da Transparência – Controladoria Geral da União, 2021. Disponível em: . Acesso em: 14 de agosto de 2021.
  • [47] PORTER, M. The Competitive Advantage of Nations. Competitive Intelligence Review, v. 1, n. 1, p. 14-14, 1990.
  • [48] RAGIN, C. C. The Comparative Method: Moving Beyond Qualitative and Quantitative Strategies. Berkeley, CA: University of California Press, 1987. Disponível em: .
  • [49] RAGIN, C. C. Set relations in social research: Evaluating their consistency and coverage.
  • [50] Political Analysis, v. 14, n. 3, p. 291–310, 2006.
  • [51] RANA, N. P. et al. Barriers to the Development of Smart Cities in Indian Context. Information Systems Frontiers, 1–23, 2018.
  • [52] RANKING CONNECTED SMART CITIES. Urban Systems, 2021. Disponível em:
  • [53] . Acesso em: 14 de março de 2021.
  • [54] RIZZON, F. et al. Smart City: Um Conceito em Construção. Revista Metropolitana de Sustentabilidade (ISSN 2318-3233), v. 7, n. 3, p. 123-142, 2017.
  • [55] ROMER, P. Increasing Returns and Long-Run Growth. Journal of Political Economy, v. 94, n. 5, p. 1002-1037, 1986.
  • [56] SABATINI-MARQUES, J. et al. Strategizing Smart, Sustainable, and Knowledge-Based Development of Cities: Insights from Florianópolis, Brazil. Sustainability, v. 12, n. 21, p. 8859, 2020.
  • [57] SCHNEIDER, C. Q.; WAGEMANN, C. Set-Theoretic Methods for the Social Sciences: A Guide to Qualitative Comparative Analysis. United Kingdom: Cambridge University Press, 2012.
  • [58] SCHREINER, C. International Case Studies of Smart Cities: Rio de Janeiro, Brazil. Inter-American Development Bank, 2016.
  • [59] SHIN, D. Ubiquitous City: Urban Technologies, Urban Infrastructure and Urban Informatics. Journal of Information Science, v. 35, n. 5, p. 515-526, 2009.
  • [60] SILVA, A. et al. Políticas Públicas. Em: Smart Cities Cidades Inteligentes nas Dimensões: Planejamento, Governança, Mobilidade, Educação e Saúde. [S.l.]: Editora Freitas Bastos, v. 1, p. 43–58, 2021.
  • [61] SILVEIRA, M. Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf) e Desenvolvimento Rural: Uma Análise para Minas Gerais nos Anos de 2006 e 2017. Universidade Federal de São João Del Rei, 2021.
  • [62] SMART CITIES AND INCLUSIVE GROWTH. Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), 2019. Disponível em:
  • [63] . Acesso em: 20 de janeiro de 2021.
  • [64] SONG, H. et al. Smart cities: foundations, principles, and applications. John Wiley & Sons, 2017.
  • [65] SOUZA, E.; GOMES, J. Smart Cities: Financiamentos com Organismos Nacional e Internacional. Em: Smart Cities Cidades Inteligentes nas Dimensões: Planejamento, Governança, Mobilidade, Educação e Saúde. [S.l.]: Editora Freitas Bastos, v. 1, p. 93–96, 2021.
  • [66] STORPER, M.; VENABLES, J. O Burburinho: A Força Econômica da Cidade. Em: Economia e Território. Editora UFMG, pp. 31-56. ISBN 9788570414762, 2005.
  • [67] TRINDADE, E. P. et al. Sustainable Development of Smart Cities: A Systematic Review of the Literature. Journal of Open Innovation: Technology, Market, and Complexity, v. 3, n. 3, p. 11, 2017.
  • [68] VIALE PEREIRA, G. et al. Increasing Collaboration and Participation in Smart City Governance: A Cross-Case Analysis of Smart City Initiatives. Information Technology for Development, v. 23, n. 3, p. 526-553, 2017.
  • [69] VIITANEN, J.; KINGSTON, R. Smart Cities and Green Growth: Outsourcing Democratic and Environmental Resilience to the Global Technology Sector. Environment and Planning A, v. 46, n. 4, p. 803-819, 2014.
  • [70] VILAÇA, N. et al. Smart City – Caso de Implantação em Búzios–RJ. Revista Sodebras, v. 9, n. 98, p. 16-22, 2014.
  • [71] WEISS, M. C.; BERNARDES, R. C.; CONSONI, F. L. Cidades Inteligentes como Nova Prática para o Gerenciamento dos Serviços e Infraestruturas Urbanos: A Experiência da Cidade de Porto Alegre. urbe. Revista Brasileira de Gestão Urbana, v. 7, n. 3, p. 310-324, 2015.
  • [72] YIGITCANLAR, T.; VELIBEYOGLU, K.; MARTINEZ‐FERNANDEZ, C. Rising Knowledge Cities: The Role of Urban Knowledge Precincts. Journal of Knowledge Management, 2008.
  • [73] YIGITCANLAR, T. Smart Cities: An Effective Urban Development and Management Model?. Australian Planner, v. 52, n. 1, p. 27-34, 2015.
Como citar:

Klaumann, Ana Paula; Tatsch, Ana Lúcia; "A Extensão Universitária como um caminho para a Inovação Social: análises a partir da Universidade Federal do Rio Grande do Sul", p. 1341-1356 . In: Anais do VI Encontro Nacional de Economia Industrial e Inovação (ENEI): “Indústria e pesquisa para Inovação: novos desafios ao desenvolvimento sustentável”. São Paulo: Blucher, 2022.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/vi-enei-803

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações