Artigo - Open Access.

Idioma principal

A elasticidade preço nas equações de demanda por importações considerando a qualidade dos produtos: estimativas para a economia brasileira (1996-2013).

Silva, Ariane Danielle Baraúna da; Hidalgo, Álvaro Barrantes;

Artigo:

Acompetitividade no comércio internacional tem se baseado cada vez mais naqualidade dos bens negociados, o que torna a qualidade uma variável chave nadeterminação dos ganhos de comércio. Estudos empíricos recentes argumentam queos modelos tradicionais de comércio,que ignoram o papel da qualidade dosprodutos, geralmente obtêm elasticidades preço viesadas, comprometendo aavaliação correta dos determinantes do comércio, bem como a formulação depolíticas comercias. O presente artigo tenta quantificar o efeito da qualidadesobre os fluxos de importação do Brasil, para isso, são estimadas equações dedemandapor importação, incluindo umaproxyparaa qualidade dos bens importados, baseado em dados agrupados em painelconsiderando os vinteprincipais parceiros comerciais do Brasil. Os resultadosmostraram que a demanda por importações brasileiras é mais influenciada pelospreços do que pela qualidade, ao contrário dos resultados obtidos pelaliteratura aplicada aos países desenvolvidos. Ao considerar o papel daqualidade como um dos determinantes da demanda por importações relativas, foiverificado que seu impacto sobre as importações de bens manufaturados épositivo e significante, já para o conjunto de produtos básicos a variávelapresentou coeficiente negativo e insignificante na maior parte das estimações.A introdução da proxy para aqualidade aumentou o coeficiente do preço, isso ocorreu de forma maisexpressiva nas estimações para o segmento de manufaturados, apoiando a hipótesede existência de viés das elasticidades quando estimadas sem considerar adiferenciação de produtos.

Artigo:

Palavras-chave: Elasticidade das Importações, Qualidade, Competitividade, Diferenciação.,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/enei2018-53

Referências bibliográficas
  • [1] Abd-el-Rahman, K. Firms Competitive and National Comparative Advantages as Joint Determinants of Trade Composition. Working Paper, 127, 83-97, 199 Aiginger, K . The Use of Unit Values for Evaluating the Competitiveness of Nations, Conceptual Issues and An Application for Germany, Austrian Institute of EconomicResearchand University of Linz, pg 23, 1995. Aiginger, K . The Use of Unit Values to Discriminate between Price and Quality Competition, Cambridge Journal of Economics, Vol 25(5), September 1997A, pg 571-592, 1997. Aiginger, K.A Framework for Evaluating the Dynamic Competitiveness of Countries, Structural Change and Economic Dynamics, Cambridge Journal of Economics, Vol 25(5), September 1997B, pg 159-188, 1997. AigingerK . “Measuring the Intensity of Quality Competition in Industries”, WIFO Quaterly 2001/ Anderson, J. e Marcouiller, D. Trade, Insecurity and home bias, NBER Working paper, 1999. Anderton B. Innovation, product quality, variety, and trade performance: an empirical analysis of Germany and the UK.Oxford Economic Papers, 48. pp.152-167, 1998. Armington, Paul S., “A Theory of Demand for Products Distinguished by Place of Production,”IMF Staff Papers. pp.78-159, 1969. Bergstrand J.H. “The Generalized Gravity Equation in Monopolistic Competition and the Factor Proportions Theory in International Trade”, Review of Economic and Statistics,Vol 71, pg 143-153, 1989. Brülhart, M.; Elliott, R. J. R. Labour-market effects of intra-industry trade: evidence for the United Kingdom. WeltwirtschaftlichesArchiv, 138(2), p. 207-228, 2002 Castro, A.; Cavalcanti, M. A. “Estimação de Equações de Exportação e Importação para o Brasil – 1955/95.” Pesquisa e Planejamento Econômico 28 (1): 1-68, 1998. Castro, A.; Cavalcanti, M. A. “Estimação de Equações de Exportação e Importação para o Brasil – 1955/95. Texto para Discussão n. 469, IPEA, Rio de Janeiro,1997. Carvalho, A; De Negri , J. Estimação de equações de importação e exportação de produtos agropecuários para o Brasil: (1977/1998) Texto para Discussãon. 698,IPEA, Rio de Janeiro, 2000. CARVALHO, A., PARENTE, M., LERDA, S., MIYATA, S. Impactos da integração comercial Brasil - Estados Unidos. Brasília: Texto para Discussãon. 646, IPEA, 1999. Crozet, M; Erkel-Rousse, H . Trade Performances, Product Quality Perceptions, and the Estimation of Trade Price Elasticities. Review of International Economics. 12(1), 108–129, 2004. Deyak,Timothy A.,W. Charles Sawyer, and Richard L. Sprinkle, Changes in Income and Price Elasticities of US Import Demand, Economia Internazionale. pp.75-161, 1997. Dixit, A.; Stiglitz, J. Monopolistic competition and optimum product diversity. American Economic Review, v. 67, n. 3, p. 297-308, 1977. Erkel-Rousse, Hélène and Françoise Le Gallo, Price and Quality Competitiveness in International Trade: an Empirical Study on Twelve OECD Countries Cahier de la MSE Working Paper 2002–05; French version in:Economie et Prévision , 2002. Erkel-Rousse, Hélène and Daniel Mirza, Import Price Elasticities: Reconsidering the Evidence, Canadian Journal of Economics, vol. 35, n. 2, p. 282-306, 2002. Feenstra R.C. “New Product Varieties and the Measurement of International Prices”, American Economic Review, Vol 84(1), pg 157-177, 1994. Fontagné, L. and Frudenberg, M. Intra-Industry Trade: Methodological Issues Reconsidered. CEPII, Document de Travail, No. 97-01, 1997. Frees, E.Longitudinal and Panel Data: Analysis and Applications for the Social Sciences. University of Wisconsin–Madison, 2003. Gaulier, G. e Méjean, I. “Import prices, variety and the extensive margin of trade”, Working Papers 2006-17, CEPII research center, 2006. Goldstein, Morris and Mohsin S. Khan, “Income and Price Effects in Foreign Trade,” in Ronald W. Jones and Peter B. Kenen (eds.), Handbook of International Economics, Vol. 2, 1985. Greenaway, D., Hine, R.C. and Milner, C.R. Country-Specific Factors and the Pattern of Horizontal and Vertical Intra-Industry Trade in the UK. Working Paper, 130, 77-100, 1994. Greenhalgh C., P. Taylor and Wilson R. Innovation and export volumes and prices- A brokenupstudy ”, Oxford Economic Papers, 46, pp.102-134, 1994. Grossman G.M. “Import Competition from Developed and DevelopingCountries”, Review of Economics and Statistics, Vol 64, pg 271-281, 1982. Harberger, Arnold C., “A Structural Approach to the Problem of Import Demand,” American Economic Review. Vol. 43, n. 2, pp.148–159, 1953. Hausmann R., J. Hwang and D. Rodrik. ‘What You Export Matters’, Journal of Economic Growth, 12, 1-25, 2007. Ioannidis E. & P. Schreyer. Déterminantstechnologiques et non technologiques de l’accroissement des parts de marché à l’exportation ”, Revue Economique de l’OCDE, 29, 1,pp.187-226, 1997. Kawamoto, S.; Santana, B; Fonseca, H.Elasticidade Renda e Elasticidade Preço das Exportações e das Importações de Produtos Industrializados no Brasil (2003-2010): Uma Avaliação Utilizando Dados em Painel.Revista de Economia, v. 39, n.2 (ano 37), p. 139-159, mai./ago. 2013. Krugman, P. Scale Economies, Product Differentiation, and the Pattern of Trade. American Economic Review, Vol. 70, No. 5, p. 950-959, 1980. Krugman P. R. “A Model of Innovation, Technology Transfer and the World Distribution of Income, Journal of Political Economy, Vol. 87, 1979, pg 253-266, 1979. LEMOS, M. B. A Nova Geografia Econômica: uma leitura crítica. 2008. 170 f. Tese de Professor Titular, UFMG, Belo Horizonte, 2008. Madsen, Jakob B., “On Errors in Variable Bias in Estimates of Export Price Elasticities,” Economic Letters63, 1999). Marquez J., McNeilly C. “Income and Price Elasticities for Exports of Developing Countries”, Review of Economics and Statistics, pg 306-314, 1988. Orcutt, Guy H., “Measurement of Price-Elasticities in International Trade,” Review of Economics and Statistics. pp.117–32, 1950. Rauch, J. E. (1999). Productivity gains from geographic concentration of human capital: Evidence from the cities. Journal of Urban Economics, 34(3):380–400, 2006. Samuelson, P. A. The Transfer Problem and Transport Costs: Analysis of Effects of Trade Impediments. Economic Journal, vol. 64, n. 254, p. 264-289, 1954. Santos, A. M. A, dos; Sousa, E. A., de; Jacinto. P. de A.; Tejada, C. A. O.“ Elasticidades Preço e Renda das Exportações e Importações: Uma Abordagem Através de dados em painel para os estados do Brasil”. Análise, Porto Alegre, Vol. 22, n. 2, pág. 202- 212, 201 Carmo, A.; Bittencourt, M. O comércio intra-industrial entre Brasil e os países da OCDE: decomposição e análise de seus determinantes. RevistaAnálise Econômica. Porto Alegre. v. 31, n. 60 , 2013. Skiendziel, A. G.L. “Estimativas de Elasticidades de Oferta e Demanda de Exportações e de Importações Brasileiras.” Brasília: Dissertação de Mestrado. Universidade de Brasília – Instituto de Ciências Humanas, 2008. Spence, A. Product Selection, Fixed Costs, and Monopolistic Competition. Review of Economic Studies, vol. 43, issue 2, pages 217-35, 1976. XU, B. Measuring China’s export sophistication. Shanghai: China Europe International Business School, May 2007. Xu, B.; Lu, J. Foreign direct investment, processing trade, and the sophistication of China’s exports. China Economic Review, n. 20, p. 425-439, 2010. Zagamé, P. Thanagopal,TRe-estimating International Elasticity of Substitution - A Preliminary Study of Quality Effect on Trade, 2005. Zini JR, A. “Funções de exportação e de importação para o Brasil.” Pesquisa e Planejamento Econômico 18 (3): 615-662, 1988. Ekanayake, E. M.; Halkides, M.; Rance, R.; Filyanova, I. Intra-industry trade between the United States and Latin America countries. The International Journal of Business and Finance Research, vol. 1, n. 2, 2007.
Como citar:

Silva, Ariane Danielle Baraúna da; Hidalgo, Álvaro Barrantes; "A elasticidade preço nas equações de demanda por importações considerando a qualidade dos produtos: estimativas para a economia brasileira (1996-2013).", p. 949-966 . In: . São Paulo: Blucher, 2018.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/enei2018-53

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações