Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

A CONTRACULTURA DA DÉCADA DE 60 E A CENA INDIE DE JOGOS DIGITAIS

Alves, Cecilia da Fonte;

Artigo Completo:

O presente artigo inicia uma discussão sobre as similaridades existentes entre a contracultura da déc. de 60 - fenômeno que, desde a sua origem, vem influenciando as práticas culturais independentes nas mais diversas áreas - e a atual cena indie de jogos digitais. Com tal objetivo, serão demonstradas duas características que são compartilhadas pelos manifestantes da contracultura e três desenvolvedoras da produção indie de games (Anna Anthropy, Merritt Kopas e Mattie Brice): seus comportamentos pessoalistas e comunitários. Acredita-se que relacionar tais profissionais a uma das manifestações que mais inspirou a cultura independente ao longo do tempo, pode ser uma maneira de gerar ferramentas para uma melhor compreensão dos valores que são praticados no cenário independente de jogos, assuntos que ainda são pouco explorados no meio acadêmico.

Artigo Completo:

Palavras-chave: Independente; Indie; Jogos Digitais; Contracultura.,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/despro-ped2016-0309

Referências bibliográficas
  • [1] ANTHROPY, Anna. Rise of the videogame zinesters. Nova York: Seven Stories, 2012.
  • [2] ______. Anna anthropy: games should share an idea, not rob us of time and money. 201 Disponível na internet por http em: . Acesso em 20 abr. 2016
  • [3] ______. Road to the IGF: Anna Anthropy's Dys4ia. 201 Disponível na internet por http em:. Acesso em 8 maio. 2016
  • [4] ______. Anna Anthropy and the Twine revolution. 2013. Disponível na internet por http em: . Acesso em 5 maio. 2016
  • [5] ______. Ohmygod Are You Going To Be Alright? an interview on passion, perseverance and hope for the future with Anna Anthropy. 2016. Disponível na internet por http em: . Acesso em 20 maio. 2016
  • [6] BRICE, Mattie. Mainichi. 2012. Disponível na internet por http em: < http://www.mattiebrice.com/mainichi/>. Acesso em 10 maio. 2016
  • [7] DE JONG, Joey. Indie Issues: The Meaning of 'Indie' Games, and Their Incorporation into the 'Mainstream' Game Industry. 2013. 42 f. Dissertação (mestrado) - Universiteit van Amsterdam, Curso de Pós-Graduação em New Media e Digital Culture.
  • [8] FERREIRA, Emmanoel. Diz-me com quem andas e direi o quão ‘indie’ és: relações entre gênero e mercado no cenário dos videogames independentes. In: ESCOLA SUPERIOR DE PROPAGANDA E MARKETING. 2014, São Paulo. Anais do Congresso Internacional em Comunicação e Consumo, 4. São Paulo: ESPM, 2014. P. 1-15.
  • [9] GRAEBESCH, Roman. The indie game. 2012. 100 f. Dissertação (mestrado) - University of Copenhagen, Curso de Pós-Graduação em Media Technology & Games.
  • [10] JESSMER, Anna Lou. Containing the Beat: An Analysis of the Press Coverage of the Beat Generation During the 1950s. 2012. 65 f. Dissertação (mestrado) - Marshall University, Curso de Pós-Graduação em Arts in Journalism.
  • [11] JOSEPHSON, Eric; JOSEPHSON Mary. Man Alone: Alienation In Modern Society. Nova York: Eric and Mary Josephson, 1962.
  • [12] KAREEM, Soha. The Games that are too underground to be indie. Disponível na internet por http em: . Acesso em 19 maio. 2016.
  • [13] KOPAS, Merritt. It’s a powerful thing to have people tell me how this games is important to them: interview with Merritt Kopas. 20 Disponível na internet por http em: . Acesso em 2 maio. 2016
  • [14] ______. Creating Space within Games - an interview with Merritt Kopas. 20 Disponível na internet por http em: . Acesso em 2 maio. 2016
  • [15] ______. Videogames for humans. Estados Unidos: Instarbooks, 20
  • [16] ______. Disponível na internet por http em: . Acesso em 20 maio. 2015.
  • [17] OAKES, Kaya. Slanted and enchanted: the evolution of the indie culture. Nova York: Holt paperbacks. 2009.
  • [18] PAES, Maria Helena. A década de 60: rebeldia, contestação e repressão política. São Paulo: Ática. 2004.
  • [19] PEDERCINI, Paolo. Toward independence – indiecade 2012. 2012. Disponível na internet por http em: http://www.molleindustria.org/blog/toward-independence-indiecade-2012-microtalk/. Acesso em 13 maio. 2016
  • [20] PURDY, Sean. O outro sonho americano. ed.54. São Paulo: História Viva, 2008. Disponível na internet por http em: < http://www2.uol.com.br/historiaviva/ reportagens/o_outro_ sonho_americano_imprimir.html>. Acesso em 5 abr. 2016
  • [21] ROSZAK, Theodore. A Contracultura. Petrópolis: Vozes, 1972.
  • [22] SILVERMAN, Jacob. Free radical. 2011. Disponível na internet por http em: . Acesso em 20 maio. 2016
  • [23] SOUSA, Getúlio de. Herança da contracultura: a comunidade hippie de Arembepe, Camaçari-Bahia (1970-2012). In: ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE HISTÓRIA – ANPUH. 2013, Natal. Anais do XXVII Simpósio Nacional de História. Natal: Anpuh, 2013.
  • [24] SPENCER, Amy. DIY: The Rise of lo-Fi culture. Estados Unidos: Marion Boyars Publishers, 2008.
  • [25] WEHR, Kevin. DIY: The Search for Control and Self-Reliance in the 21st Century (Framing 21st Century Social Issues). Nova York: Routledge, 2012.
Como citar:

Alves, Cecilia da Fonte; "A CONTRACULTURA DA DÉCADA DE 60 E A CENA INDIE DE JOGOS DIGITAIS", p. 3596-3608 . In: Anais do 12º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design [= Blucher Design Proceedings, v. 9, n. 2]. São Paulo: Blucher, 2016.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/despro-ped2016-0309

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações