Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA ALFABÉTICA DE ALUNOS QUE FREQUENTAM UMA SALA DE APOIO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA VISÃO DOS PROFESSORES

BUENO, Simone;

Artigo Completo:

Este trabalho é parte integrante de uma pesquisa de mestrado em andamento, cujo objetivo principal é investigar a concepção de alfabetização que manifestam professores que atuam em Salas de Apoio à Aprendizagem de Língua Portuguesa. A entrada de alunos com graves problemas de escrita ortográfica nos anos finais do Ensino Fundamental é um fator de preocupação para os educadores de língua portuguesa. Várias são as razões que justificam tal fato, como, por exemplo, a utilização de métodos de alfabetização que não permitem que os alunos se apropriem totalmente do sistema de escrita alfabética, causando dificuldades na escrita. Embora alguns programas do Governo Federal busquem a formação continuada de professores para que todos os alunos sejam alfabetizados até o 3° ano do ensino fundamental, como o PNAIC (MEC, 2015), muitos profissionais consideram que a realidade ainda não é essa, o que condiz com os dados levantados pelo IBGE (2010), que apontam um índice de analfabetismo de 9% no caso de crianças com 10 anos ou mais, mesmo que quase 97% das que estão na faixa dos 7 aos 14 anos de idade estejam na escola. Para ajudar na superação das dificuldades desses alunos, as escolas públicas do Paraná oferecem a esses alunos o estudo em contraturno nas Salas de Apoio à Aprendizagem. Procurando avaliar essa situação, esse trabalho dará voz a professores para que estes manifestem-se quanto aos critérios nos quais se baseiam para afirmar que um aluno é ou não é alfabetizado. Metodologicamente, a pesquisa é qualitativa e os dados foram obtidos através de dois instrumentos: análise de documentos e entrevistas com docentes. O referencial teórico utilizado baseia-se em autores como Cagliari (2008), Soares (2015) e em normativas específicas, como LDB (1996), Decreto 6094/07 - Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação (2007), DCE/Língua Portuguesa, (2008) e Instrução nº 010/2014- SUED/SEED – Autorização de Salas de Apoio à Aprendizagem (2014).

Artigo Completo:

Palavras-chave: concepção de alfabetização; aquisição da escrita alfabética; Sala de Apoio à Aprendizagem,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/edupro-clafpl2016-065

Referências bibliográficas
  • [1] ALBUQUERQUE, Eliana Borges C. de; MORAIS, Artur Gomes. O livro didático de alfabetização: mudanças e perspectivas de trabalho. In: MORAIS, Artur Gomes; ALBUQUERQUE, Eliane Borges C. de; LEAL, Telma Ferraz (orgs). In: Alfabetização: apropriação do sistema de escrita alfabética. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. p. 147-166.
  • [2] BRITTO, Luiz Percival L. Educação linguística escolar: para além das obviedades. In: CORREA. Djane Antonucci. SALEH, Pascoalina Bailon de Oliveira. (Org.). Estudos da linguagem e currículo de Letras: diálogos (im)possíveis. Ponta Grossa: EDUEPG, 2009.
  • [3] BRASIL. Decreto 6094/07. Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação – 2007. Disponível em Acesso em fevereiro de 2016.
  • [4] CAGLIARI, Luiz Carlos. Alfabetização e Linguística. 10. ed. São Paulo: Scipione, 2008.
  • [5] FLICK, Uwe. Introdução à Metodologia de Pesquisa: um guia para iniciantes. São Paulo: Penso Editora, 2013.
  • [6] GALVÃO, Andréa; LEAL, Telma Ferraz. Há lugar ainda para métodos de alfabetização? Conversa com professores (as). In: MORAIS, Artur Gomes; ALBUQUERQUE, Eliane Borges C. de; LEAL, Telma Ferraz (orgs). In: Alfabetização: apropriação do sistema de escrita alfabética. Belo Horizonte: Autêntica, 2005. p. 12-28.
  • [7] IBGE. 7 a 12: Vamos conhecer o Brasil, 2010. Disponível em: Acesso em 21/06/2016.
  • [8] _____. Reprovação por série: ensino fundamental de 8 e 9 anos (série nova), 2010. Disponível em: Acesso em 21/06/2016.
  • [9] INEP. Indicadores Educacionais, 2014. Disponível em: . Acesso em 21/06/2016.
  • [10] LÜDKE, Menga; ANDRÉ, Marli, E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2.ed. Rio de Janeiro: E.P.U., 2015.
  • [11] MORAIS, Artur Gomes de. Concepções e metodologias de alfabetização: por que é preciso ir além da discussão sobre velhos métodos? MEC, 2006. Disponível em Acesso em maio/2016.
  • [12] NOGUEIRA, Amarili S. Sala de recursos multifuncional e representação da escrita: análise da resolução 13/2007, normativa 16/2011 e ficha de referência pedagógica. 106 f. Dissertação. (Mestrado em Linguagem, identidade e subjetividade). UEPG: Ponta Grossa, 2015. Disponível em < http://bicen-tede.uepg.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1438> Acesso em 21/06/2016.
  • [13] PARANÁ. 2008. Instrução 022/2008 – SUED/SEED. Critérios para a abertura da demanda de horas-aula, do suprimento e das atribuições dos profissionais das Salas de Apoio à Aprendizagem – 5ª série do Ensino Fundamental da Rede Pública Estadual. Paraná, 2008. Disponível em < http://www.educacao.pr.gov.br/arquivos/File/coletaneas/coletanea2008.pdf> Acesso em 21/06/2016.
  • [14] _____. 2014 Instrução nº 010/2014- SUED/SEED. Autorização de Salas de Apoio à Aprendizagem. Paraná, 20 Disponível em Acesso em 21/06/2016
  • [15] RIBEIRO, Márcia Vieira. A importância da sala de apoio na aprendizagem: um olhar docente. 35 f. Monografia (Especialização em Educação: Métodos e Técnicas de Ensino). UTFPR: Medianeira, 2013. Disponível em < http://repositorio.roca.utfpr.edu.br/jspui/bitstream/1/4410/1/md_edumte_2014_2_60.pdf > Acesso em fevereiro de 2016.
  • [16] SOARES, Magda. A reinvenção da alfabetização. 2003. Disponível em < http://pacto.mec.gov.br/images/pdf/Formacao/a-reivencao-alfabetizacao.pdf> Acesso em 21/06/20
  • [17] ____. Alfabetização e Letramento. 6.ed. São Paulo: Contexto, 2015.
  • [18] ____ . Alfabetização: a questão dos métodos. São Paulo: Contexto, 2016.
Como citar:

BUENO, Simone; "A APROPRIAÇÃO DA ESCRITA ALFABÉTICA DE ALUNOS QUE FREQUENTAM UMA SALA DE APOIO DE LÍNGUA PORTUGUESA NA VISÃO DOS PROFESSORES", p. 825-834 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2318-695X, DOI 10.5151/edupro-clafpl2016-065

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações