Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

A ANSIEDADE LINGUÍSTICA EM SALA DE AULA: O QUE DIZEM OS ALUNOS?

THEREZA JÚNIOR, Alcides Hermes;

Artigo Completo:

Este trabalho tem como objetivo evidenciar os pontos de vista de alunos de cursos de língua inglesa a respeito das situações de aprendizagem e as habilidades da língua mais susceptíveis a manifestação da ansiedade linguística. O grupo de participantes expressou seus pontos de vista acerca da influência da variável afetiva na aprendizagem de língua inglesa por meio da análise e distribuição de 57 assertivas, denominada amostra Q, constitutivas da ferramenta de coleta de dados da metodologia Q de pesquisa. Esta abordagem utiliza um software que agrupa os participantes com pontos de vista convergentes. O agrupamento dos participantes aponta para a formação de três grupos: The Goodfellas, formado por alunos com elevado senso de grupo; The Easyriders, composto por alunos que compartilham atitudes positivas e de aceitação do sentimento de ansiedade no processo de aprendizagem de LI; e The Caring Ones, grupo constituído por alunos que se sentem ansiosos e desconfortáveis em situações específicas da aula. A fundamentação teórica apresenta estudos sobre a dimensão afetiva na aprendizagem (Brown 1993), a ansiedade em sala de aula de LI no Brasil (Cunha 1997, Morandi 2002; Mastrella 2002; Castro e Silva 2007; Pizzolato 2007; Ferreira 2008) e no mundo (Scovel 1978; Horwitz, Horwitz e Cope 1986; Macintyre e Gardner 1991b e 1994b; Young 1991; Lim 2004; Gregersen 2007). A pesquisa nos revela que os aprendizes de língua inglesa, independente do nível de proficiência em que se encontram, reagem e comportam-se de maneiras diferentes quando se sentem ansiosos ao serem expostos a situações comuns em sala de aula.

Artigo Completo:

Palavras-chave: variáveis afetivas; ansiedade; língua inglesa,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/edupro-clafpl2016-003

Referências bibliográficas
  • [1] Bekleyen, N. The influence of teachers and peers on foreign language classroom anxiety, Ankara University Language Journal, n. 123, p. 49-66. 2004.
  • [2] BROWN, D. H. Principles of language learning and teaching. New Jersey: Prentice Hall Regents, 1993. 347p.
  • [3] CASTRO E SILVA, M. L. A questão da afetividade no processo de ensino/aprendizagem de LE (inglês): o que leva ao sucesso ou frustração do aprendiz. 2007. 110 f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada), Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução, Universidade de Brasília, Brasília, 2007.
  • [4] CHENG, Jian-Chang. The relationship to foreign language anxiety of oral performance achievement, teacher characteristics and in-class activities. 2005. 107 f. Dissertação (Mestrado em Artes) – Ming Chuan University, Departament of Applied Linguistics, Universidade Ming-Chuan, Taipei, 2005.
  • [5] CUNHA, M. C. K. A relação entre ansiedade e o desenvolvimento da competência oral em língua estrangeira. 1997. 154 f. Dissertação (Mestrado em Linguística) – Instituto de Estudos da Linguagem, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1997.
  • [6] FERREIRA, T. M. S. Afetividade e motivação na aprendizagem de língua estrangeira: inter-relações possíveis no caso de estudantes de russo da USP. 2008. 162 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Linguagem e Educação da Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.
  • [7] FERUS, C. di M. Second language acquistion: a study of a constructivist approach to teaching versus a varied approach, and its effectiveness in a first-year Spanish class at the secondary level. 2004. 70 f. Dissertação (Mestrado em Artes) – Universidade de Rowan, 2004.
  • [8] GREGERSEN, T. Breaking the code of silence: a study of teachers’ nonverbal decoding accuracy of foreign language anxiety. Language Teaching Research, v. 11, n. 2, p. 209-221. 2007.
  • [9] HORWITZ, E. K.; HORWITZ, M.B.; COPE, J. Foreign Language Classroom Anxiety. Modern Language Journal, v. 70, n. 2, p. 125-132. 1986.
  • [10] __________; YOUNG, D. (Ed.). Language Anxiety: From Theory and Research to Classroom Implications. Englewood Cliffs, New Jersey: Prentice Hall, 1991.
  • [11] LAGO, S. N. A. Explorando a auto-estima na aquisição de segunda língua. In: Maria Cristina Faria Dalacorte; Heloísa Augusta Brito de Mello. (Org.). A Sala de Aula de Língua Estrangeira. Goiânia: Editora da UFG, 2000. p. 83-100.
  • [12] LIM, Hye-Yeon. Effects of Task Values, Attributions, and Cultural Constructs on Foreign Language Use Anxiety among International Teaching Assistants. 2004. 251 f. Tese (Doutorado em Filosofia) – Faculty of Grade School, Universidade do Texas, Austin, 2004.
  • [13] LUCAS, R. "Quem tem medo de listening comprehension?" In: PAIVA, V. Ensino de Língua Inglesa - Reflexões e Experiências. Campinas: Pontes, 1996.
  • [14] MACINTYRE, P. D.; GARDNER, R. C. Language Anxiety: Its relationship to other anxieties and to processing in native and second languages. Language Learning, v. 41, n. 4, p. 513-534. 1991.
  • [15] ______.; ______. Methods and results in the study of foreign language anxiety: A review of the literature. Language Learning, n. 2, v. 44, p. 283-305. 1991c.
  • [16] ______.; ______. The effects on induced anxiety on three stages of cognitive processing in computerized vocabulary learning. Studies in Second Language Acquisition, n. 1, v. 16, p. 1-17, Mar. 1994b.
  • [17] MASTRELLA, M. R. A relação entre crenças dos aprendizes e ansiedade em sala de aula de língua inglesa: um estudo de caso. 2002. 146f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Letras: Estudos Linguísticos, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2002.
  • [18] MCKEOWN, B.; THOMAS, D. Q methodology. Newbury Park: Sage Publications, 1988. 83p.
  • [19] MORANDI, J. C. Fatores biopsicossociais de adultos em idade avançada e o ensino de língua estrangeira: subsídios para o professor. 2002. 140 f. Dissertação (Mestrado em Letras) – Curso de Mestrado em Estudos da Linguagem, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2002.
  • [20] OXFORD, R. L. Anxiety and the language learner: new insights. In: ARNOLD, J. Affect in Language Learning. Cambridge: Cambridge University Press, 1999.
  • [21] PIRES, S. S. Aspectos afetivos nos processos de ensino e de aprendizagem de língua estrangeira na meia-idade. 2005. 241f. Tese (Doutorado em Letras) – Curso de Pós-graduação em Letras, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.
  • [22] PIZZOLATTO, C. E. Estudos sobre o processo de ensino-aprendizagem de língua estrangeira com adultos da terceira idade. In: Alvarez, M. L. O.; Silva, K. A. da. (Org.). Linguística Aplicada: múltiplos olhares. Brasília: Universidade de Brasília/Finatec, 2007. p. 253-279.
  • [23] RODRIGUES, Y.; DELGADO, V. Assessment of EFL classroom activities and instructors’personal characteristics and behaviors as sources o foreign language anxiety. SABER – Revista Multidisciplinaria del consejo de investigación, Cumaná, v. 20, n. 2, p. 212-224, mai./ago. 2008.
  • [24] SCOVEL, T. The effect of Affect on Foreign Language Learning: A review of the anxiety research. Language Learning, v. 1, n.28, p. 29-142. 1978.
  • [25] WÖRDE, R. von. Students´ perspectives on foreign language anxiety. Inquiry, v. 8, n. 1, p. 1-16, 2003.
  • [26] YOUNG, D. J. Creating a low-anxiety classroom environment: what does language anxiety research suggest? The Modern Language Journal, v. 75, n. 3. 1991.
Como citar:

THEREZA JÚNIOR, Alcides Hermes; "A ANSIEDADE LINGUÍSTICA EM SALA DE AULA: O QUE DIZEM OS ALUNOS?", p. 27-40 . In: . São Paulo: Blucher, 2017.
ISSN 2318-695X, DOI 10.5151/edupro-clafpl2016-003

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações