• -

Site do evento

Comissão organizadora

  • Amanda Oliveira
  • Ana Clara Guedes
  • Camila Da Silva
  • Carla Beatriz Campos
  • Deisiane Sousa
  • Fernando Filho
  • Lillian Lino
  • Mônica Oliveira
  • Maria Clara Ferreira
  • Pedro Camargo
  • Raquel Conceição
  • Sabrina Santos
  • Teresa Cristina
  • Thamires de Faria
  • Victor Akira

Você participou do Comitê Organizador desse evento?
Clique aqui.

fevereiro 2016 vol. 2 num. 1

VIII Semana de Ciências Sociais UNIFESP - Educação com o Recorte de Combate às Opressões

Conflitos Urbanos e Práticas Políticas

Educação e Ensino Básico

Educação e Movimentos Populares

Educação e Práticas de Exclusão

Estado e Nacionalismo

Indivíduo e Formação

Educação e Universidade

VIII SECS: "Pátria Educadora? Diálogos entre as Ciências Sociais, Educação e o combate às opressões"

Apesar de anunciar o lema “Brasil, pátria educadora”, o ano de 2015 começou com um corte brutal nos recursos da Educação por parte do Governo Federal. Este corte vem para agravar um cenário de precarização que já se arrasta há muito, e que se expressa em inúmeros desdobramentos nocivos na sociedade brasileira. Só para citar um exemplo, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad), divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatistica (IBGE) em 2014, o país tem cerca de 13 milhões de analfabetos, o que corresponde a 8,3% da população. A taxa de analfabetismo funcional chega a 17,8%. Isso coloca o país numa das mais altas posições do ranking mundial de analfabetismo segundo a UNESCO.

Enquanto isso, o Congresso Nacional busca pautar na sociedade saídas para os conflitos sociais crescentes dando continuidade a uma política de criminalização e repressão da juventude, isto é, da juventude negra e pobre, como é o caso da PEC 171/93, que estipula a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos. Como estão sendo preparados nossos professores que estarão em sala de aula com essa mesma juventude? Como melhor abordar pontos estratégicos como cotas raciais, ou mesmo o resgate histórico da cultura afro? 

Como garantir que nossas instituições consigam lidar com as diferenças, também expressas cada vez mais na juventude, no que toca as questões de gênero, que muito transcendem as da sexualidade mas que, com frequência, se confundem? Como localizar e desmontar os argumentos machistas, misóginos e transfóbicos tão introjetados nos jovens desde tenra idade? Em suma, que tipo de  formação docente pode estar preparada para os desafios que nos aguardam? De que forma podemos  refletir acerca da violência desse sistema social a fim de agir sobre ele e superá‐lo? É possível pensar  a Educação como um dos vetores de transformação social para além da lógica da opressão e da  exploração capitalista?

A Semana de Ciências Sociais (SECS) no ano de 2015 tem como objetivo promover um espaço para os aportes sociológicos, antropológicos e políticos ao debate da Educação, da formação de nossos  docentes, não apenas para o Ensino Fundamental e Médio mas também para o Ensino Superior.  Optamos, tal qual indicado ao longo desta breve exposição, traçar um claro recorte neste debate no  que diz respeito à questão das opressões. 

-

Comissão Organizadora

Amanda Oliveira

Ana Clara Guedes

Camila Da Silva

Carla Beatriz Campos

Deisiane Sousa

Fernando Filho

Lillian Lino

Mônica Oliveira

Maria Clara Ferreira 

Pedro Camargo 

Raquel Conceição 

Sabrina Santos

Teresa Cristina

Thamires de Faria

Victor Akira