fevereiro 2014 vol. 1 num. 1 - V Simpósio Internacional de Flebologia

Resumo - Open Access.

Idioma principal

Trombólise Mecânica na Trombose Venosa Profunda: Quando e como Indicar

Pinto, D. M.;

Resumo:

O tratamento da TVP com anticoagulantes é bem estabelecido há décadas. Porém, nos casos de trombose venosa proximal, o uso isolado da heparina leva a alta incidência de síndrome pós-trombótica (SPT ). Vários estudos mostram que a incidência de SPT na TVP proximal ocorre em 20 a 70%. A retirada percutânea de trombos reduz a incidência de SPT após a trombose de veias do sistema ilíaco-cava. A retirada percutânea é feita por trombólise química com cateter associada ou não à trombólise mecânica (aspiração dos trombos). A vantagem da trombólise mecânica é a rápida desobstrução do membro acometido, importante em casos de flegmasia cerulea. A aspiração percutânea proporciona a redução da dose do trombolítico a ser usado, uma vez que o volume maior de trombos foi retirado. São duas as desvantagens da trombectomia mecânica: hemólise intravascular e embolia pulmonar. Portanto, o procedimento deve ser feito somente em pacientes jovens e que se beneficiam da rápida retirada de trombos no sistema venoso ilíaco-cava.

Resumo:

Palavras-chave: trombose venosa profunda, trombectomia, trombolítico, trombofilia,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/medpro-flebo-SIF_50

Referências bibliográficas
Como citar:

Pinto, D. M.; "Trombólise Mecânica na Trombose Venosa Profunda: Quando e como Indicar", p. 77 . In: In Anais do V Simpósio Internacional de Flebologia [=Blucher Medical Proceedings, n.1, v.1]. São Paulo: Blucher, 2014.
ISSN 2357-7282, DOI 10.5151/medpro-flebo-SIF_50

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações