Artigo - Open Access.

Idioma principal

TRABALHO IMATERIAL E COOPERAÇÃO PRODUTIVA: CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRODUÇÃO EM DESIGN A PARTIR DAS REDES DE CRIAÇÃO COLABORATIVA

Ferreira, Mariana Faro;

Artigo:

Diante da emergência de diversas práticas associadas à produção colaborativa e cooperativa no âmbito da criação e da inovação, pretendemos indagar o estatuto dos discursos e práticas ligados a cooperação na produção em design. Para isso, partimos de um estudo sobre as transformações do trabalho nas últimas décadas para problematizar as relações de produção contemporâneas, fortemente assentadas sobre as dinâmicas de cooperação social. Em nossa abordagem, consideramos as distintas qualidades do trabalho no pós-fordismo e as novas dinâmicas produtivas que se desenvolvem para além dos tradicionais espaços de produção, através de densas redes sociotécnicas e novos dispositivos de controle (DELEUZE, 2008). Essas redes são os canais principais que possibilitam na última década do século XX, particularmente com a popularização da internet através da web, certa explosão participativa (ANTOUN, 2008), em parte responsável por uma reconfiguração dos modelos de produção e comunicação massiva. Nos espaços produtivos que se delineiam a partir dessas redes, a produção de valor está fortemente ligada às dimensões subjetivas e comunicacionais diretamente implicadas nas relações sociais a partir das quais essas redes se estruturam. É nesse contexto que a produção em design passa a envolver cada vez mais as práticas cooperativas como terreno de desenvolvimento e inovação. Em uma redefinição das categoriais de valor e trabalho, onde o capitalismo contemporâneo aparece em sua dimensão cognitiva e social, buscamos situar a atividade de design entre aquelas funções características de um trabalho de tipo imaterial, essencialmente pautado em dimensões sociais e comunicativas (NEGRI, LAZZARATO, 2013). A capacidade de estabelecer redes, de criar canais de comunicação e, de maneira geral, todo o capital humano (GORZ, 2005) de projetistas e comunicadores são repetidamente convocados por um mercado de trabalho que opera sobremaneira sob o signo da comunicação e da mobilização da subjetividade. Tomando os ofícios estético-comunicacionais, levantamos algumas questões acerca das consequências desses novos imperativos do trabalho contemporâneo para o campo do design. Partindo das redes sociais na internet como campo privilegiado de desenvolvimento de relações de trabalho livre (TERRANOVA, 2000) que envolvem um imperativo de colaboração e de criatividade, nossa análise estará centrada nas práticas presentes em plataformas de criação colaborativa, em especial nas redes brasileiras itsNoon e Mineo. Mecanismos de participação, níveis de autonomia e estratégias de recompensa e remuneração são alguns dos tópicos que abordamos para elaborar questionamentos sobre esses modelos de trabalho criativo. Conclui-se que a análise desses espaços de trabalho nos permite identificar diferentes formas de cooptação daquilo que se produz nas redes de criação, mas também o desenvolvimento de diferentes táticas de apropriação pelos participantes nas plataformas de criação. Esses diferentes usos, apesar de continuamente convocados pelos gestores das plataformas, indicam uma produção que excede os comandos e normatizações iniciais. As relações que emergem da participação nas plataformas analisadas apontam para a criação, em certa medida, de diferentes redes e valores pelos seus usuários. Por fim, a partir das questões e apontamentos inicialmente levantados, procuramos tecer algumas reflexões sobre o horizonte, entre controles e resistências possíveis, desse tipo de produção no campo do design

Artigo:

Palavras-chave: design, trabalho, colaboração, redes sociais, itsnoon,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/designpro-ped-01113

Referências bibliográficas
  • [1] ANTOUN, Henrique. De uma teia à outra: a explosão do comum e o surgimento da vigilância participativa. In: ANTOUN, H. (Org.) Web 2.0: participação e vigilância na era da comunicação distribuída. Rio de Janeiro: Mauad X, 2008.
  • [2] ARMSTRONG, Helen; STOJMIROVIC, Zvezdana. Participate. Designing with user- generated content. New York: Princeton Architectural Press, 2011.
  • [3] ANDERSON, Chris. Makers. A Nova Revolução Industrial. Tradução de Afonso Celso da Cunha Serra. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.
  • [4] DELEUZE, Gilles. Conversações. Tradução Peter Pál Pelbart. São Paulo: Ed. 34, 2010.
  • [5] GORZ, André. O imaterial. Conhecimento, valor e capital. Tradução de Celso Azzan Júnior. São Paulo: Annablume, 200
  • [6] HESMONDHALGH, David. User-generated content, free labour and the cultural industries. Ephemera, Theory Andamp; Politics in Organization. v. 10, n. 3/4 Warwick Business School, p. 267-284, 2010.
  • [7] NEGRI, Antônio; LAZZARATO, Mauricio. Trabalho imaterial: Formas de vida e produção de subjetividade. Rio de Janeiro: Lamparina, 2013.
  • [8] PASSOS, Eduardo; KASTRUP, Virgínia; DA ESCÓSSIA, Liliana. (Org.) Pistas do método da cartografia: Pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2009.
  • [9] SZANIECKI, Barbara. A multidão e o comum da comunicação. Cordel dos Sem. Revista Eco-Pós (Online), v. 15, p. 4-15, 2012.
  • [10] TERRANOVA, Tiziana. Free Labor: Producing Culture for the Digital Economy. Social Text 63, v 18, n. 2, Duke University Press, p. 33-57, 2000.
Como citar:

Ferreira, Mariana Faro; "TRABALHO IMATERIAL E COOPERAÇÃO PRODUTIVA: CONSIDERAÇÕES SOBRE A PRODUÇÃO EM DESIGN A PARTIR DAS REDES DE CRIAÇÃO COLABORATIVA", p. 3057-3069 . In: Anais do 11º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design [= Blucher Design Proceedings, v. 1, n. 4]. São Paulo: Blucher, 2014.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/designpro-ped-01113

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações