Artigo - Open Access.

Idioma principal

TEORIA DO ESTRANHAMENTO

Nogueira, Antônio;

Artigo:

Este artigo pretende sistematizar a noção de estranhamento como técnica utilizada nas artes visuais. Serão adotadas, para isso, a teoria do inquietante (FREUD, 1919), como noção geral de Estranhamento, além do conceito de singularização do objeto de (CHKLOVSKI, 1917), como a primeira formulação do estranhamento no campo das artes. Complementando o embasamento teórico, este trabalho mobilizará também a teoria da atualização (MUKAROVSKY, 1967), todos os conceitos provenientes da teoria da literatura, exceto o conceito de Freud. Teoricamente, algumas questões acerca dos estilos artísticos cubismo, dadá, surrealismo e a arte contemporânea também serão vistas, considerando-os como exemplos práticos do uso da técnica de estranhamento. Esse referencial teórico compõe a dissertação O Estranhamento na arte da Oficina Guaianases (NOGUEIRA, 2014).

Artigo:

This article aims to systematize the notion of Strangeness as a technique used in the visual arts. For this, will be adopted: the theory of Disquieting (FREUD, 1919), as a general notion of Strangeness; and the concept of singularity of the object (CHKLOVSKI, 1917), as the first formulation of strangeness in the arts, complemented by the theory of Update (MUKAROVSKY, 1967) all concepts from the theory of literature, except the concept of Freud. Also seen are some theoretical issues concerning artistic styles such as Cubism, Dada, Surrealism and contemporary art, considering them as practical examples of the use of the technique of Strangeness. This theoretical framework is part of the dissertation: “O Estranhamento na arte da Oficina Guaianases” (NOGUEIRA, 2014).

Palavras-chave: Estranhamento, Desautomatização, Inquietante, Singularização do objeto., Strangeness, Desautomatization, Disquieting, Singularity of the object.,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/designpro-ped-00479

Referências bibliográficas
  • [1] BÜRGER, Peter. Teoria da vanguarda. Lisboa: Vega, 1993.
  • [2] CAMARGO, Fernanda M. B. Estranhamento como categoria estética em arte. Espírito Santo: ANPAP, 2010.
  • [3] CHKLOVSKI, Viktor. A arte como processo. In: TODOROV, Tzvetan. Teoria da Literatura- I. Lisboa: Edições 70, 1999.
  • [4] DIAS, Fernando R. A Representação na encruzilhada das vanguardas históricas. Lisboa: Faculdade de Belas Artes CIEBA, 196
  • [5] FREUD, Sigmund. O inquietante. In: FREUD, Sigmund. História de uma neurose Infantil: (“O homem dos lobos”): além do princípio do prazer e outros textos (1917- 1920). São Paulo: Companhia das Letras, 2010.
  • [6] KEMPINSKA, Olga G. O estranhamento: um exílio repentino da percepção. In: Gragoatá, Niterói, N. 29, 2010.
  • [7] MARTINS, Luiz R. Colagem: Investigações em torno de uma técnica moderna. São Paulo: ARS, 200
  • [8] MICHELI, Mário de. As vanguardas artísticas. São Paulo: Martins Fontes, 1991.
  • [9] MUKAROVSKY, J. Standard language and poetic language. In: LEVIN, S., CHATMAN, S. (Ed.) Essays on the language of literature. Boston: Houghton Mifflin Co., 1967.
  • [10] RAJCHMAN, John. O Pensamento na arte contemporânea. São Paulo: Novos Estudos CEBRAP, N. 91, 2011.
Como citar:

Nogueira, Antônio; "TEORIA DO ESTRANHAMENTO", p. 469-480 . In: Anais do 11º Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design [= Blucher Design Proceedings, v. 1, n. 4]. São Paulo: Blucher, 2014.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/designpro-ped-00479

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações