Resumo - Open Access.

Idioma principal

O Comércio Ambulante nos Trens de São Paulo: Sociabilidade e Conflito

SOUSA, Natália Cruz;

Resumo:

O trabalho tem como cenário os trens de São Paulo, onde circulam milhares de pessoas diariamente. O estudo desenvolvido parte da percepção da dinâmica dos trens enquanto espaço de sociabilidade e conflito, observada na pesquisa de campo realizada na Linha 11 do trem de São Paulo, do trecho Luz a Guaianazes, com atenção as relações sociais tecidas entre os atores: ambulantes, passageiros, pedintes, e agentes de segurança. A pesquisa foi construída com objetivo de evidenciar e analisar a prática do comércio ambulante, e suas implicações no espaço onde prática é proibida pelo poder público, mas que pode ou não ser desejável por parte dos passageiros, tornando necessário aos ambulantes estratégias e desenvolvimento de astúcias cotidianas para a permanência no espaço. Contudo, problematizo a respeito da relação entre ambulantes e passageiros através da comparação estabelecida com outra prática dita irregular no espaço, a mendicância. A temática pode contribuir a questões relacionadas à apropriação do espaço público; clandestinidade; práticas do cotidiano; informalidade; fiscalização e controle público.

Resumo:

Palavras-chave: Comércio ambulante, Ambulantes nos trens, Trem de São Paulo,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/socsci-secunifesp-007

Referências bibliográficas
  • [1] AGUIAR, Ana Lídia de Oliveira . Entre o comércio informal e as margens do ilegal: Práticas de trabalho na rua 25 de março. 2013, 210 p. Tese de mestrado. Pós graduação em ciências sociais da Universidade Federal de São Paulo. Guarulhos, 26 de Agosto de 2013.
  • [2] AUGÉ, Marc. Não Lugares: Introdução a uma antropologia da sobremodernidade. Lisboa: 90 Graus 2005, p. 07-96.
  • [3] BECKER, Howard. “De que lado estamos?”. Uma teoria da Ação coletiva. Rio de janeiro: Zahar, 1977, p.122-136.
  • [4] ______. Outsiders: Estudos de sociologia do desvio. Rio de janeiro: Zahar, 2008.
  • [5] BOURDIEU, Pierre.O Senso Prático, Rio de Janeiro: Vozes, 2009, p. 133-226.
  • [6] CALDEIRA, Teresa P. R. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 2000, p. 211-300.
  • [7] CERTEAU, Michel. A invenção do Cotidiano. A arte de fazer. 12ª Edição. Petropolis: Vozes, 1994, p. 91-117 e p.169-215.
  • [8] DUMONT, Louis. “Genese, I: do Indivíduo-fora-do-mundo ao Indivíduo-no-mundo”. O Individualismo: uma perspectiva antropológica da ideologia moderna. Rio de Janeiro, Rocco, 1985, p. 35-71.
  • [9] ELIAS, Norbert; SCOTSON, John L. Introdução. Ensaio teórico sobre as relações estabelecidos-outsiders: Sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2000.
  • [10] FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2001. p. 179-191.
  • [11] ______. Os recursos para o bom adestramento; Ilegalidade e delinquencia. Vigiar e punir: história da violência nas prisões. Petrópolis: Vozes, 1999.
  • [12] FRÚGOLI, Heitor. Centralidade em São Paulo: trajetórias, conflitos e negociações na metrópole. São Paulo: Cortez/ Edusp/ Fapesp, 2000. p. 69-103.
  • [13] ______. Espaços da cidade e atores sociais das ruas. Espaços públicos e Interação social. São Paulo: Marco Zero, 1995.
  • [14] GEERTZ, Clifford. Interpretação das culturas. Rio de Janeiro, Zahar, 1978.
  • [15] GOFFMAN, Erving. A Representação do Eu na Vida Cotidiano. Editora Vozes,1985.
  • [16] ______. As características das instituições totais; Introdução; O mundo do internado. Manicômios, prisões e conventos. São Paulo: Perspectiva, 1999. p.07-99.
  • [17] LEACH, Edmund R. A diversidade na antropologia; O meu tipo de antropologia. A diversidade da antropologia. Lisboa, Edições 70, 1982.
  • [18] MAGNANI, J. Guilherme; TORRES, Lilian (Orgs). Quando o campo é a cidade, fazendo antropologia na metrópole. Na metrópole: textos de antropologia urbana, São Paulo: Edusp/Fapesp. 2000.
  • [19] MAUSS, Marcel. Ensaio sobre a dádiva.Sociologia e Antropologia. São Paulo: Cosacnaify, 2003, p.183-314
  • [20] MISSE, Michel. Sobre uma sociabilidade violenta. Crime e violência no Brasil contemporâneo: estudos de sociologia do crime e da violência urbana. Rio de Janeiro: Lumen Juris Ed., 2011, p. 251-267.
  • [21] PERALVA, Angelina. Violência e democracia: o paradoxo brasileiro. São Paulo: Paz e Terra, 2000, p. 17-127.
  • [22] PIRES, Lenin. Esculhamba mas não esculacha! Uma etnografia dos usos urbanos dos trens da central do Brasil. 2011,171p. Tese de mestrado. Pós graduação em antropologia na Universidade Federal Fluminense. Niterói.
  • [23] RABOSSI, Fernado. Nas ruas de ciudad del este: vidas e vendas num mercado de fronteira. Tese de doutorado. Pós graduação em antropologia social, Museu Nacional, Universidade Federal de São Paulo. Rio de Janeiro, dezembro de 2004.
  • [24] SIMMEL, Georg. A metrópole e a vida mental. In VELHO, Otávio Guilherme (Org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar, 2ª Edição, 1973, p. 11 – 25.
  • [25] ______. A natureza sociológica do conflito. In. FILHO, E. M. (Org.) Simmel. São Paulo: Ática. 1983, p. 122-134.
  • [26] VANDENBERGHE, Frédéric. As sociologias de Georg Simmel. Bauru, São Paulo: Edusc, 2005.
  • [27] VELHO, Gilberto e KUSCHNIR, Marina. Pesquisas Urbanas: Desafios do trabalho antropológico, Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003, p. 07-42.
  • [28] ______. Individualismo e Cultura: Notas para uma antropologia da sociedade contemporânea. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008, p. 122-134.
  • [29] ______. Observando o Familiar. In: NUNES, Edson de Oliveira. A Aventura Sociológica. Rio de Janeiro, Zahar, 1978.
  • [30] FONSECA, Claudia. Quando cada caso não é um caso. Revista Brasileira de Educação, nº10, 1999. Disponível em: Andlt;http://educa.fcc.org.br/pdf/rbedu/n10/n10a05.pdfAndgt; Acesso em: 29 de outubro de 2012.
  • [31] ITIKAWA, Luciana.Vulnerabilidades do trabalho informal de rua: Violência, corrupção, e clientelismo. São Paulo em Perspectiva. Volume 20, nº1, 2006, p.136-147. Disponível em: Andlt;http://produtos.seade.gov.br/produtos/spp/v20n01/v20n01_10.pdfAndgt; Acesso em: Março de 2013.
  • [32] MAGNANI, José Guilherme. Da periferia ao centro: pedaços e trajetos. Revista de Antropologia, São Paulo, USP, v.35, 1992.
  • [33] ______. De perto e de dentro: Notas para uma etnografia Urbana. Revista Brasileira de Ciências Sociais, Volume 17, nº49, Junho de 2002. Disponível em:Andlt; http://www.scielo.br/pdf/rbcsoc/v17n49/a02v1749.pdfAndgt; Acesso em: 05 março de 2013.
  • [34] MISSE, Michel. Mercados ilegais, redes de proteção e organização local do crime no Rio de Janeiro. Estudos Avançados, São Paulo, vol. 21, n. 61, 2007, pp. 139-157 Disponível em: Andlt;http://www.scielo.br/pdf/ea/v21n61/a10v2161.pdfAndgt; Acesso em: 13 de maio de 2013.
  • [35] NEVES, Delma Pessanha. Os miseráveis e a ocupação dos espaços públicos. Caderno CRH, Salvador, n.30/31, p.111-134, jan/dez,1999. Disponível em: Andlt;http://www.cadernocrh.ufba.br/viewarticle.php?id=235Andgt;. Acesso em: 23 de junho de 2013.
  • [36] PEIRANO, Mariza. A favor da etnografia. Cadernos NAUI, serie antropologia. Brasília, 1992. Disponível em: Andlt;http://naui.ufsc.br/files/2010/09/Peirano_a-favor-da-etnografia.pdfAndgt; Acesso em: 29 de Outubro de 2012.
  • [37] POCHMANN, Marcio et. al. Mapa do trabalho informal: Perfil socioeconomico dos trabalhadores informais na cidade de São Paulo, São Paulo: Fundação Perseu Abramo. Disponível em: Andlt;http://fpabramo.org.br/uploads/mapa_do_trabalho_informal.pdfAndgt; Acesso em: 20 de maio de 2013.
  • [38] BRASIL. DECRETO n º 1.832, de 04 de março de 1996. Disponível em: Andlt;http://presrepublica.jusbrasil.com.br/legislacao/112337/decreto-1832-96Andgt;. Acesso em: 27 de fevereiro de 2014.
  • [39] LUÍS, Pedro. Miséria S.A. Interprete: O RAPPA. In: Rappa Mundi. Rio de Janeiro: Warner Music, 1996. 1 Cd. Faixa 2. 04’’02’.
Como citar:

SOUSA, Natália Cruz; "O Comércio Ambulante nos Trens de São Paulo: Sociabilidade e Conflito", p. 63-71 . In: Anais do VII Semana de Ciências Sociais UNIFESP - (des)Identidade Nacional [=Blucher Social Science Proceedings, v.1, n.1]. São Paulo: Blucher, 2014.
ISSN 2359-2990, DOI 10.5151/socsci-secunifesp-007

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações