fevereiro 2015 vol. 1 num. 2 - XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química

Artigo - Open Access.

Idioma principal

NÉCTARES DE PÊSSEGO: PERCEPÇÃO E PREFERÊNCIAS DO CONSUMIDOR

MASSAROLLO, M. D.; BRESSAN, D. R. P.; TOGNON, F. A. B.; GULARTE, M. A.;

Artigo:

Segundo a legislação Brasileira “Néctar”, é uma bebida não fermentada obtida da diluição em água potável da parte comestível do vegetal ou de seu extrato (polpa de fruta), adicionado de açúcares e destinada ao consumo direto. Neste trabalho objetivou-se avaliar sensorialmente a diferença entre dois néctares de pêssego. As amostras foram caracterizadas como amostra A adicionada de fibras e B néctar normal. Os avaliadores foram convidados aleatoriamente, entre agentes universitários, professores e acadêmicos da Universidade Estadual do Oeste do Paraná – UNIOESTE, Francisco Beltrão, PR. Para a análise visual através de preferência entre as imagens das embalagens foram utilizados 56 avaliadores e na avaliação gustativa 18 avaliadores utilizaram o teste de comparação pareada direcional e escala de atitude de compra. Na avaliação visual e gustativa, as amostras não diferiram estatisticamente. Quanto à atitude de compra, a amostra B apresentou melhor percentual, indicando atitude favorável ao consumo. Com relação à avaliação físico-química, houve mínima variação nos parâmetros de umidade, cinzas, sólidos solúveis totais, pH e turbidez entre o néctar de pêssego tradicional e o adicionado de fibras, sendo imperceptível sensorialmente.

Artigo:

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/chemeng-cobeq2014-1783-17567-174890

Referências bibliográficas
  • [1] BRASIL. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Instrução normativa nº 12, de 4 de setembro de 2003. Aprova o Regulamento Técnico para Fixação dos Padrões de Identidade e Qualidade Gerais para Suco Tropical; os Padrões de Identidade e Qualidade dos Sucos Tropicais de Abacaxi, Acerola, Cajá, Caju, Goiaba, Graviola, Mamão, Manga, Mangaba, Maracujá e Pitanga; e os Padrões de Identidade e Qualidade dos Néctares de Abacaxi, Acerola, Cajá, Caju, Goiaba, Graviola, Mamão, Manga, Maracujá, Pêssego e Pitanga. Diário Oficial da União, Brasília, 04 set. 2003.
  • [2] BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 360, de 23 de dezembro de 2003. Aprova regulamento técnico sobre rotulagem nutricional de alimentos embalados. Diário Oficial da União, Brasília, 26 dez. 2003a. (251), p.33; Seção 1.
  • [3] BRASIL. Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução nº 359, de 23 de dezembro de 200 Aprova regulamento técnico de porções de alimentos embalados para fins de rotulagem nutricional. Diário Oficial da União, Brasília 26 dez. 2003b, (251), p. 28; Seção 1.
  • [4] Área temática: Engenharia e Tecnologia de Alimentos 7BRASIL. Decreto n. 6871, de 04 de junho de 2009. Regulamenta a lei no 8.918, de 14 de julho de 1994 que dispõe sobre a padronização, a classificação, o registro, a inspeção, a produção e a fiscalização de bebidas. Diário Oficial da União, Brasília, 04 jun. 2009.
  • [5] CECCHI, H. M. Fundamentos teóricos e práticos em análise de alimentos. 2a ed. rev. São Paulo: Unicamp, 2003.
  • [6] DUTCOSKY, S. D. Análise sensorial de alimentos. Editora Chanpagnat, 2a ed. Curitiba, 2007, 239p. FREITAS, D. G. C.; JACKIX, M. N. H. Caracterização físico-química e aceitação sensorial de bebida funcional adicionada de fruto-oligossacarídeo e fibra solúvel. B.CEPPA, Curitiba, v. 22, n. 2, p. 355-374, jul./dez. 2004.
  • [7] GULARTE, M. A. Manual de análise sensorial. Editora da Universidade Federal de Pelotas, 2009, 106p. KELLY, G. Inulin- type prebiotics - A review: Part I. Alternative Medicine Review, v.13, n.4, p.315-329, 2009.
  • [8] IAL - INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Normas analíticas do Instituto Adolfo Lutz: Métodos químicos e físicos para análise de alimentos. 4 ed. São Paulo, 200
  • [9] MINIM, V. P. R. Análise sensorial: estudos com consumidores. Editora UFV, 3a ed. Viçosa, MG, 2013, 332p. MITCHEL, H. Bebidas enriquecidas com fibras. Ingredientes, São Paulo, v. 20, n. 1, p. 72-75, 2004.
  • [10] PIMENTEL, T. C.; PRUDENCIO, S. H.; RODRIGUES, S. H. Néctar de pêssego potencialmente simbiótico. Revista de Alimentação e Nutrição, v. 22, n. 3, p. 455-464, jul./set. 2011.
  • [11] PIRILLO, C. P; SABIO, R. P. 100% suco: nem tudo é suco nas bebidas de frutas. Hortifruti BR, Piracicaba, v. 8, n. 81, p. 6-13, 2009.
  • [12] SISTRUNK, W.; ROM, R. C. Quality attributes of peaches for processing. Arkansas Farm Research, May-June. 1976.
  • [13] SOUZA, V. M. C.; BUCHARLES, P.; MAURÍCIO, A. A.; SOUZA, F. C.; CIPOLLI, K. M. V. A. B.; CASTRO, C. D. P. C.; BOLINI, H. M. A. Avaliação sensorial de néctar de manga tradicional e ligh pelo método tempo-intensidade e aceitação do consumidor. Alimentos e Nutrição, v. 22, n. 3, p. 367-378, jul./set. 2011.
  • [14] TORALLES, R. T.; VENDRUSCOLO. J. L; HAAS. L. l. R.; FERRI. N. L; DEL PINO, F. A. V.; ANTUNES, P. L. Caracterização parcial do escurecimento enzimático pela polifenoloxidase em pêssegos das cv. Granada, Jade, esmeralda e Maciel. Rev. Bras.de Agrociência, v. 10, n. 2, p. 241-244. Jan-mar. Pelotas, 2004.
  • [15] TORALLES, R. P.; MALGARIM, M. B.; VENDRUSCOLO, J. L.; CANTILLANO, R. F. F.; TREPTOW, R. O. Um estudo para compreender a preferência e aceitação de consumidores de purês de pêssegos brasileiros. Rev. Bras. Frutic., Jaboticabal - SP, v. 28, n. 3, p. 397-401, dez 2006.
  • [16] WANG, Y. Prebiotics: Present and future in food science and technology. Food Res. Intern., v. 42, p. 8–12, 2009.
Como citar:

MASSAROLLO, M. D.; BRESSAN, D. R. P.; TOGNON, F. A. B.; GULARTE, M. A.; "NÉCTARES DE PÊSSEGO: PERCEPÇÃO E PREFERÊNCIAS DO CONSUMIDOR", p. 4956-4963 . In: Anais do XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química - COBEQ 2014 [= Blucher Chemical Engineering Proceedings, v.1, n.2]. São Paulo: Blucher, 2015.
ISSN 2359-1757, DOI 10.5151/chemeng-cobeq2014-1783-17567-174890

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações