dezembro 2014 vol. 1 num. 5 - II Congresso Brasileiro de Medicina Hospitalar

Resumo - Open Access.

Idioma principal

Inativação de bactérias gram-positivas em superfícies através de luz ultravioleta pulsada

Fiamoncini, B.F.; Rowan, N.; Garvey, M.;

Resumo:

Staphylococcus aureus é o causador mais comum de infecções nosocomiais em hospitais brasileiros. Clostridium difficile é patógeno reconhecido mundialmente como causador de diarreia nosocomial e colite associada a antibióticos. Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA) e E. faecium resistente à vancomicina (VRE) representam obstáculos ao sucesso terapêutico. A resistência destas bactérias a agentes de desinfecção comuns, como clorexidina, sugere que novos métodos de descontaminação precisam ser estabelecidos para prevenir infecções nosocomiais. A luz ultravioleta pulsada (PUV) é eficaz na descontaminação de superfícies de vários materiais. O método demonstrou-se superior à limpeza manual para descontaminação de MRSA em quartos de hospital. Este estudo avalia o potencial de um sistema de PUV para a inativação de VRE, MRSA e C. difficile nas formas planctônica e biofilme. Métodos: O sistema PUV utilizado consiste em uma máquina que emite pulsos de luz UV de largo espectro através de uma lâmpada de xênon. A inativação com PUV das espécies testadas conduziu-se nas formas planctônica e biofilme. Cultivou-se os biofilmes através do reator CDC de biofilme, em uso de meio de cultura apropriado, por 72 horas. Cupons de aço inoxidável e PVC foram escolhidas como superfícies para o crescimento dos biofilmes, pois são materiais utilizados em meio clínico. Realizou-se análise estatística para comparar os níveis de sensibilidade sob diferentes doses de tratamento. Resultados: Células de biofilme são mais resistentes do que planctônicas para todos os organismos tratados. A PUV inativou as espécies testadas com sucesso. Obteve-se níveis significantes (p Andlt;0,05) de inativação em PVC e aço inoxidável. VRE produziu biofilme mais populosamente denso em aço inoxidável, enquanto MRSA criou biofilme mais populosamente denso em PVC. Alcançou-se inativação máxima de 9,3 e 7,4 log10 em superfície para MRSA a VRE, respectivamente. Em suspensão, alcançou-se inativação de 9 log10 para MRSA e 6,55 log10 para VRE. C. difficile mostrou-se a espécie mais resistente aos raios UV na forma planctônica. Conclusão: O sistema PUV utilizado levou à inativação de MRSA, VRE e C. difficile. Os resultados sugerem a PUV como método para a erradicação destes problemáticos microrganismos do meio clínico. Além disso, a elevada taxa de inativação de cepas planctônicas sugere que a inativação com PUV pode servir como medida preventiva ao crescimento de biofilme.

Resumo:

Palavras-chave: ,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/medpro-II-cbmh-056

Referências bibliográficas
Como citar:

Fiamoncini, B.F.; Rowan, N.; Garvey, M.; "Inativação de bactérias gram-positivas em superfícies através de luz ultravioleta pulsada", p. 7 . In: . São Paulo: Blucher, 2014.
ISSN 2357-7282, DOI 10.5151/medpro-II-cbmh-056

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações