Keynote Speaker - Open Access.

Idioma principal

Ilustrar: dar à luz ou trazer a luz? Ilustração como revelação exaltada da diferença

Providência, Francisco;

Keynote Speaker:

A presente comunicação parte da origem etimológica da ilustração para defender a independência alternativa do seu contributo no esclarecimento complementar ao texto, origem de uma iconologia. Ao dar a ver, a ilustração tem recorrido a inúmeras técnicas ao longo do tempo, sobretudo polarizadas pela re-presentação aristotélica (da persuasão empática apolínea) e pela a-presentação metafísica (da celebração abstracta dionisíaca), reflectidas na expressão dominante de uma arte global naturalista realista e na expressão resistente de uma arte local expressionista abstracta. Mas a ilustração enquanto meio de comunicação de Deus, também está na origem da cisão Reformista entre os cristãos do norte e do sul da Europa, origem da Contra-reforma, assim distinguindo uma ilustração lacónica, discriminativa e solitária (protestante) de outra enfática, colectivista e imersiva (católica). O movimento iconoclasta1 contra a ilustração figurativa, já identifica no séc. VIII reminiscências teológicas judaicas e islâmicas radicais, na defesa da invisibilidade2 e inconformidade de Deus, defendendo a palavra sagrada e objectiva contra o profanismo da imagem subjectiva e assim, a iconoclastia contra a iconografia. Mas na iconografia ocidental europeia também se distinguirão os modos do desenho em contorno (consciência analítica renascentista) e em mancha (inconsciência emocional barroca), expressões do masculino florentino que se opõe ao feminino veneziano. Na dicotomia consciente vs inconsciente, oculta-se a diferença entre a realidade do possível e a alienação do imaginado que o cinema, enquanto máquina de produção do fantástico, tem promovido na dupla acessão de transcendência e alienação, através do fenómeno da projecção empática, assim contribuindo para o esvanecimento da indignação social e consequentemente, para uma sociedade politicamente mais controlada — trazendo ao mundo, por vezes, mais obscurecimento do que esclarecimento. Nasce por isso uma dimensão moral da ilustração, criticando e avaliando as formas enquanto contributos para a liberdade e dignificação humana.

Keynote Speaker:

Palavras-chave: ,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/edupro-aivcipe-07

Referências bibliográficas
Como citar:

Providência, Francisco; "Ilustrar: dar à luz ou trazer a luz? Ilustração como revelação exaltada da diferença", p. 33-40 . In: Barbosa, Helena; Quental, Joana [Eds]. Proceedings of the 2nd International Conference of Art, Illustration and Visual Culture in Infant and Primary Education. São Paulo: Blucher, 2015.
ISSN 2318-695X, ISBN: 978-989-98185-0-7
DOI 10.5151/edupro-aivcipe-07

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações