Artigo - Open Access.

Idioma principal

Expressionismo No Cinema: O Gesto Como Alegoria

Vale, Luciano Nunes do;

Artigo:

Acreditamos que a atuação do ator no cinema expressionista alemão assumiu caráter alegórico, marcados por gestos estilizados cuja tensão, concentradas nas mãos e no arfar, deram forma aos tipos tiranos e autômatos apontados por Siegfried Kracauer em seu De Caligari a Hitler. Partimos da análise das atuações de Conrad Veidt nos filmes O Gabinete do Dr. Caligari e As Mãos de Orlac; e também da leitura de Walter Benjamin e Kracauer, tomando por base o conceito de alegoria do primeiro e os de fenômeno de superfície e culto da evasão do segundo. Dentro da análise de fenômenos descontínuos até então desprezados pela alta cultura que está presente na obra dos dois filósofos, Benjamin apresenta seu conceito de alegoria dentro de seu estudo sobre o Drama Trágico do Barroco alemão (Unsprung des deutschen Trauerspiel) do século XVII como contraponto ao até então predomínio do símbolo classicista; e dentro dessa linha, acabou se tornando um conceito chave para o entendimento das vanguardas. Nesse sentido, a alegoria do autômato se torna emblemática para o desenvolvimento da pesquisa. Primeiro, por se tratar de um tipo presente no cinema de estética expressionista, sempre em contraposição com os tipos tiranos; segundo, porque na concepção de Benjamin, o autômato é o homem que perdeu a experiência e representa os seres que vagueiam na sociedade industrial, movimentando-se de forma mecânica numa completa ausência de sentido. E dessa forma, ao apresentar a Weltschauuung barroca próxima da expressionista, acreditamos que a alegoria seja o ponto de intersecção entre a atuação teatral expressionista e a assimilação de sua forma pela então emergente indústria cultural. Assim, a alegoria do autômato, dentro do estilizado gestual expressionista seria um fenômeno de superfície que, no cinema, teria um significado de culto da evasão apontado por Kracauer em seu artigo Cinema, 1928 e que, posteriormente, seria desenvolvido em seu livro De Caligari a Hitler, de 1947.

Artigo:

Palavras-chave: Expressionismo, alegoria, gesto, cinema alemão, culto da evasão,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/phipro-sofia-023

Referências bibliográficas
  • [1] BENJAMIN, Walter. A obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica. (2ª versão). Tradução, apresentação e notas: Francisco de Ambrosis Pinheiro Machado. Porto Alegre: Editora Zouk, 2012.
  • [2] _________. A origem do drama trágico alemão. Edição e tradução de João Barrento. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.
  • [3] _____________. Obras escolhidas: magia, técnica, arte e política. Tradução: Sergio Paulo Rouanet. São Paulo; Brasiliense, 1994. v. 1.
  • [4] BRETAS, Aléxia. A constelação do sonho em Walter Benjamin. São Paulo: Humanitas, 2008.
  • [5] BÜRGER, Peter. Teoria da vanguarda. Tradução: José Pedro Antunes. 1ª edição Cosac Naify Portátil. São Paulo: Cosac Naify, 2012.
  • [6] EISNER, Lotte H. A tela demoníaca: as influências de Max Reinhardt e do expressionismo. Tradução: Lucia Nagib. São Paulo: Paz e Terra, 2002.
  • [7] GAGNEBIN, Jeanne-Marie. História e Narração em Walter Benjamin. São Paulo: Perspectiva, 2011. (Estudos: 142 / dirigida por J. Guinsburg)
  • [8] KRACAUER, Siegfried. O ornamento da massa. Tradução: Carlos Eduardo Jordão Machado e Marlene Holzhausen. São Paulo: Cosac Naify, 2009.
  • [9] ______. De Caligari a Hitler: uma história psicológica do cinema alemão. Tradução: Tereza Ottoni. Rio de Janeiro: Zahar, 1988.
  • [10] LÖWY, Michael. Romantismo e messianismo: ensaios sobre Lukács e Benjamin. Tradução: Myriam Vera Baptista e Magdalena Pizante. São Paulo: Editora Perspectiva, 2008
  • [11] ________. Walter Benjamin: aviso de incêndio; uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. Tradução de Wanda Nogueira Caldeira Brant, [tradução das teses] Jeanne Marie Gagnebin, Marcos Lutz Müller. São Paulo: Boitempo, 2005.
  • [12] LUKÁCS, Georg. Teoria do Romance. Tradução: José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Editora 34, 2009
  • [13] MACHADO, Carlos Eduardo Jordão. A exterritorialidade como condição do apátrida transcendental: sobre Siegfried Kracauer e Georg Lukács. Significação, São Paulo, n. 27, p.181-207, 2007.
  • [14] ______. Um capítulo sobre a Modernidade Estética: Debate Sobre o Expressionismo. São Paulo: Ed. da Unesp, 1998.
  • [15] NAZÁRIO, Luiz. As sombras móveis: atualidade do cinema mudo. Belo Horizonte: Ed. da UFMG, 1999.
  • [16] SCHOLEM, Gershom. Walter Benjamin: a história de uma amizade. Tradução de Geraldo Gerson de Souza e Shizuka Kuchiki. São Paulo: Perspectiva, 1989.
Como citar:

Vale, Luciano Nunes do; "Expressionismo No Cinema: O Gesto Como Alegoria", p. 176-184 . In: Anais da VIII Semana de Orientação Filosófica e Acadêmica [= Blucher Philosophy Proceedings, n.1, v.1]. São Paulo: Blucher, 2014.
ISSN 2358-6567, DOI 10.5151/phipro-sofia-023

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações