Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

ESTUDO DAS EMISSÕES DE MATERIAL PARTICULADO EM VEÍCULO LEVE COM MOTOR CICLO OTTO DE INJEÇÃO DIRETA FLEX FUEL

Vilar, Luiz Henrique Cruz; Daemme, Luiz Carlos; Penteado, Renato; Errera, Marcelo R.;

Artigo Completo:

O motor ciclo Otto de injeção direta apresenta a vantagem de um menor consumo de combustível em relação aos motores ciclo Otto de injeção indireta. No entanto tem como inconveniente a emissão de material particulado que se origina a partir da formação de uma mistura não homogênea entre o ar e o combustível no processo de combustão, que depende também da tecnologia utilizada, e é influenciada pela composição do combustível. O material particulado tem influência sobre a saúde humana causando problemas respiratórios. A indústria automotiva brasileira apresentou os primeiros motores de injeção direta flex fuel do mundo em 2013. O objetivo desta pesquisa foi avaliar o nível de emissão de material particulado gerado por um veículo leve equipado com motor de injeção direta. Foram realizados ensaios no veículo em dinamômetro de chassis, conforme normas brasileiras, nos ciclos de condução FTP-75 e HWFET, com gasolina A22 e etanol hidratado de referência (EHR), sendo medidos os seguintes compostos: Total de Hidrocarbonetos (THC), Monóxido de Carbono (CO), Óxidos de Nitrogênio (NOX), Dióxido de Carbono (CO2), Metano (CH4), Hidrocarbonetos Não Metano (NMHC), Material Particulado (MP) e consumo de combustível. Os resultados demonstraram níveis baixos de emissões de material particulado, e que com o uso do combustível A22 houve um aumento na emissão de material particulado em relação ao etanol hidratado, principalmente quando submetido ao ciclo de condução HWFET. Ficou evidenciado que as características do combustível influenciam nas emissões de material particulado, e que a tecnologia tem como vantagem o baixo nível das emissões dos compostos legislados no Brasil.

Artigo Completo:

Palavras-chave: ,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/engpro-simea2015-PAP154

Referências bibliográficas
  • [1] BAUMGARTEN, Carsten. Mixture Formation in Internal Combustion Engines. Berlin: Springer, 2006.
  • [2] ZHAO, F.; LAI, M.-C.; HARRINGTON, D. L. Automotive Spark-Ignited Direct-Injection Gasoline Engines. Elsevier, 2000.
  • [3] EASTWOOD, Peter. Particulate Emissions from Vehicles. John Wiley Andamp; Sons, 2008.
  • [4] DIMOU, Iason. Particulate matter emissions from a DISI engine under cold-fast-idle conditions for ethanol-gasoline blends. 2011. Tese de Doutorado. Massachusetts Institute of Technology. [5] MARICQ, M. Matti; SZENTE, Joseph J.; ADAMS, Jack; TENNISON, Paul; RUMPSA, Todd. Influence of mileage accumulation on the particle mass and number emissions of two gasoline direct injection vehicles.Environmental science Andamp; technology, v. 47, n. 20, p. 11890-11896, 2013. [6] VAN BASSHUYSEN, Richard; SCHÄFER, Fred. Internal combustion engine handbook. SAE Technical Paper, 200
  • [5] STIESCH, Gunnar. Modeling Engine Spary and Combustion Processes. Springer, 2010. [8] DESANTES, José M.; GONZÁLEZ, Francisco Payri (Ed.). Motores de combustión interna alternativos. Universidad Politécnica de Valencia, 2011.
  • [6] BRUNETTI, Franco. Motores de Combustão Interna. São Paulo: Blucher, 2012. [10] FREITAS, C. U.; PEREIRA, Luiz Alberto Amador; SALDIVA, P. H. N. Vigilância dos Efeitos na Saúde Decorrentes da Poluição Atmosférica: Estudo de Factibilidade. CETESB, São Paulo, 2002. [11] BRAGA, Alfesio; PEREIRA, Luiz Alberto Amador; SALDIVA, Paulo Hilário Nascimento. Poluição atmosférica e seus efeitos na saúde humana.Trabalho apresentado no evento de sustentabilidade na geração e uso de energia, UNICAMP, v. 18, 2002.
  • [7] MARTINS, Jorge. Motores de Combustão Interna. Publindústria, 2011.
  • [8] PIOCK, Walter; HOFFMANN, Guy; BERNDORFER, Axel; SALEMI, Patrick; FUSSHOELLER, Bernd. Strategies towards meeting future particulate matter emission requirements in homogeneous gasoline direct injection engines. SAE Technical Paper, 2011.
  • [9] IBAMA. Inventário nacional de emissões atmosféricas por veículos automotores rodoviários. Janeiro, 2014.
  • [10] SHARP, Bob. Injeção direta com etanol, nova experiência. Engenharia automotiva e aeroespacial. SAE Brasil, ano 14, nº58, abril/março 2014.
  • [11] DAEMME, L. C.; PENTEADO, R.; MELO, T. C. Comparativo entre as metodologias tradicionais de medição de emissões veiculares com a técnica FTIR. Simpósio internacional de Engenharia Automotiva–SIMEA, XX, 2012.
  • [12] BOSCH, Robert. Manual de tecnologia automotiva. Edgard Blucher, 2005.
  • [13] ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. Veículos rodoviários automotores leves – Determinação de hidrocarbonetos, monóxido de carbono, óxidos de nitrogênio, dióxido de carbono e material particulado no gás de escapamento: NBR 6601. Rio de Janeiro, 2012.
  • [14] ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. Veículos rodoviários automotores leves – Medição do consumo de combustível – Método de ensaio: NBR 7024. Rio de Janeiro, 2010.
  • [15] SHARP, Bob. Injeção direta com etanol, nova experiência. Engenharia automotiva e aeroespacial. SAE Brasil, ano 14, nº58, abril/março 2014.
  • [16] ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. Veículos rodoviários automotores leves - Combustíveis para ensaio - Requisitos: NBR 8689. Rio de Janeiro, 2012.
  • [17] ANP - Agência Nacional de Petróleo. Gasolina tipo C S50. Resolução ANP N° 40, de 25/10/2013.
  • [18] ANP - Agência Nacional de Petróleo. Etanol anidro de referência. Resolução ANP N° 23, de 06/07/2010.
  • [19] ANP - Agência Nacional de Petróleo. Etanol hidratado combustível. Resolução ANP N° 7, de 21/02/2013.
  • [20] LOPES, Paulo Afonso. Estatística Aplicada à Análise de Resultados de Ensaios de Proficiência na Avaliação de Laboratórios. ANVISA, Instituto Adolpho Lutz, 2003.
  • [21] BORGES, Renata Martins Horta. Introdução à validação de métodos.Brasília: Coordenação Geral de Credenciamento–CGCRE/Inmetro–Divisão de Credenciamento de Laboratórios–Dicla, 2006.
  • [22] DE OLIVEIRA, Elcio Cruz. Comparação das diferentes técnicas para a exclusão de “outliers”. 2008.
  • [23] DAEMME, L. C. Estudo da emissão de aldeídos em motociclos. 2012. Tese de Doutorado. Dissertação (Mestrado)–Instituto de Tecnologia para o Desenvolvimento-LACTEC, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento de Tecnologia–PRODETEC. Curitiba.
  • [24] OSTAPIUK, Igor Faust; DAEMME Luiz Carlos; PENTEADO Renato. Material particulado em motores otto de injeção direta – Uma revisão atualizada da literatura. Simpósio internacional de Engenharia Automotiva–SIMEA, XXII, v.1, n.2, 2014.
  • [25] PRICE, Philip; STONE, Richard; COLLIER, Tony; DAVIES, Marcus. Particulate matter and hydrocarbon emissions measurements: comparing first and second generation DISI with PFI in single cylinder optical engines. SAE Technical Paper, 2006.
  • [26] MARICQ, M. Matti; SZENTE, Joseph J.; JAHR, Ken. The impact of ethanol fuel blends on PM emissions from a light-duty GDI vehicle. Aerosol Science and Technology, 46.5: 576-583, 2012.
  • [27] IBAMA. Manual PROCONVE PROMOT. 3ª edição, 2011.
Como citar:

Vilar, Luiz Henrique Cruz; Daemme, Luiz Carlos; Penteado, Renato; Errera, Marcelo R.; "ESTUDO DAS EMISSÕES DE MATERIAL PARTICULADO EM VEÍCULO LEVE COM MOTOR CICLO OTTO DE INJEÇÃO DIRETA FLEX FUEL", p. 208-221 . In: In Anais do XXIII Simpósio Internacional de Engenharia Automotica - SIMEA 2014 [=Blucher Engineering Proceedings]. São Paulo: Blucher, 2015. . São Paulo: Blucher, 2015.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/engpro-simea2015-PAP154

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações