Artigo - Open Access.

Idioma principal

ERGONOMIZANDO INDÚSTRIAS: UM ESTUDO DO SETOR DE CORTE DE UMA EMPRESA PERNAMBUCANA

BARROS, Bruno; VILLAROUCO, Vilma; SILVA JUNIOR, José Adilson; DUARTE, Geziane;

Artigo:

Considerado uma das principais fontes de geração de emprego, devido ao seu quantitativo de empresas formais e informais, a importância econômica do Polo de Confecções do Agreste para o estado de Pernambuco se faz evidente. Neste sentido, foi realizada uma avaliação ergonômica no setor de corte de uma confecção de fardamentos na cidade de Caruaru, Pernambuco, seguindo a Metodologia Ergonômica do Ambiente Construído-MEAC. A avaliação permitiu identificar os índices, níveis, valores e resultados acerca da iluminação, ventilação e aeração, temperatura, vibração, ruído e cor do setor de corte, que quando comparados com as bibliografias, referências, normas e leis existentes, puderam revelar condições físico-ambientais deficientes, as quais podem ser prejudiciais à saúde e segurança dos funcionários do setor de corte da empresa.

Artigo:

Considered one of the main sources of employment generation, due to its quantitative formal and informal enterprises, the economic importance of the Wasteland Clothes Pole for the state of Pernambuco is evident. In this sense, an ergonomic evaluation was performed in the making of a sewing uniforms in Caruaru, Pernambuco sector, following the methodology Ergonomic Built Environment-MEAC. The evaluation identified the indices, levels, values ​​and results about the lighting, ventilation and aeration, temperature, vibration, noise and color of the sewing industry, which when compared to the bibliographies, references, standards and existing laws could prove physical conditions disabled-environment, which can be harmful to health and safety of employees in the sewing company department.

Palavras-chave: ,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/15ergodesign-79-E025

Referências bibliográficas
  • [1] AQUINO, Danielly Silva de. et al. Análise da qualidade de vida no setor de costura de uma indústria de confecção. In: COMBREPRO 2011: Congresso Brasileiro de Engenharia de Produção, , 2011, Ponta Grossa.
  • [2] ARAÚJO, G. M.; REGAZZI, R. D. Perícia e avaliação de ruído e calor passo a passo: teoria e prática. Rio de Janeiro: 200
  • [3] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - NBR 10152: níveis de ruído para conforto acústico. Rio de Janeiro, 1987.4 p.
  • [4] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS - NBR 5413: iluminância de interiores. Rio de Janeiro, 1992. 13 p.
  • [5] BISTAFA, Sylvio R. Acústica Aplicada ao Controle do Ruído. São Paulo, editora Edgard Blücher, 2006.
  • [6] BRASIL. Fundacentro. Ruído. Disponível em: http://www.fundacentro.gov.br. Acesso em: 8 mar. 2013b.
  • [7] BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. 200 NR 17 - Ergonomia (11000-7). Disponível em:Andlt;http://www.mte.gov.br/legislacao/normas_regulamentadoras/nr_1aspAndgt;. Acesso em: 11 set. 2012.
  • [8] CONSELHO E SEGURANÇA DO TRABALHO. O que é vibração? 2011. Acesso em: http://conselhoeseguranca.blogspot.com.br. Acesso em: 27 mar. 2013.
  • [9] DIEESE - Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. Relatório final: Diagnóstico do setor têxtil e de confecções de Caruaru e região. 2010. Disponível em: http://www.dieese.org.br. Acesso em: 17 nov. 2012.
  • [10] IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE Cidades: Dados gerais: Caruaru. Disponível em: http://www.ibge.gov.br. Acesso em: 17 ago. 2013.
  • [11] IIDA, Itiro. Ergonomia: projeto e produção. 2ª edição. São Paulo: Edgard Blucher, 2005.
  • [12] LAMBERT, Roberto, DUTRA, Luciano, PEREIRA, Fernando O. R. Eficiência Energética na Arquitetura. São Paulo: PW, 1997.
  • [13] MONTENEGRO, Gildo. Ventilação e cobertas: estudo teórico, histórico e descontraído. São Paulo: Edgard Blucher, 2003.
  • [14] SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Comece certo: indústria de confecção. 2004. pág. 5. Disponível em: http://www.sebrae.com.br. Acesso em: 22 mai. 2012.
  • [15] SEBRAE - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas. Cadeia produtiva têxtil e de confecções: Cenários econômicos e estudos setoriais. 2008. Disponível em: http://www.sebrae.com.br. Acesso em: 22 mai. 2010.
  • [16] STONE, N. J. Designing effective study environments. Journal of Environmental Psychology, v.21, p.179-190, 2001.
  • [17] VASCONCELOS, Christianne Soares Falcão e; Villarouco, Vilma; Soares, Marcelo Márcio. Avaliação Ergonômica do Ambiente Construído: Estudo de caso em uma biblioteca universitária. In: Ação Ergonômica, v. 1, n. 1, 2009.
  • [18] VILLAROUCO, V. O ambiente está adequado? Anais do ENEAC 2007: I Encontro Nacional de Ergonomia do Ambiente Construído e II Seminário Brasileiro de Acessibilidade Integral. Recife, 2007.
  • [19] VILLAROUCO, Vilma. An ergonomic look at the work environment. In: Proceeding from IEA 09: 17th World Congress on Ergonomics. China: Beijing, 2009.
  • [20] VILLAROUCO, Vilma; ANDRETO, Luiz. F. M. Avaliando desempenho de espaços de trabalho sob o enfoque da ergonomia do ambiente construído. In: Produção, v. 18, n. 3, p. 523-539, 2008.
Como citar:

BARROS, Bruno; VILLAROUCO, Vilma; SILVA JUNIOR, José Adilson; DUARTE, Geziane; "ERGONOMIZANDO INDÚSTRIAS: UM ESTUDO DO SETOR DE CORTE DE UMA EMPRESA PERNAMBUCANA", p. 412-423 . In: Anais do 15º Ergodesign & Usihc [=Blucher Design Proceedings, vol. 2, num. 1]. São Paulo: Blucher, 2015.
ISSN 2318-6968, DOI 10.5151/15ergodesign-79-E025

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações