Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

Ecos do Grido: como as imagens se desdobram

Caminha, José Guimarães;

Artigo Completo:

Os conceitos de Pathosformel, de Aby Warburg, e de imagem dialética, em Walter Benjamin, aproximam-se, mas exigem recortes diferenciados quando aplicados em obras inseridas em diferentes campos artísticos. No primeiro, esculturas e pinturas, em aparente estado de repouso, desafiam o olhar sobre a imagem, que carrega, além do valor de culto, as presenças do antes e do depois do instante da obra. Warburg se interessa pelo pathós sobrevivente ao longo da história cultural do homem, que ele identifica em fórmulas corporais que se repetem em diferentes sociedades. Esses gestos carregados de tensão são tanto discursos organizados quanto sintomas na forma de intervalos e interrupções desse discurso, que aparecem para desestabilizar o simbólico e formar uma imagem dialética. Em Walter Benjamin, quando a imagem está inserida no fluxo contínuo do teatro ou do cinema, os sucessivos recortes emancipam o conceito de montagem da obra na era da tecnologia. A repetição do gesto e o enquadramento do detalhe são, portanto, formas narrativas aplicadas à cena. As performances do grito que aparecem no documentário Grido (2006) do italiano Pippo Delbono, dão a ver as diferentes potências daqueles gestos. Entre a prática, a recusa, a impossibilidade e a habilidade em fazê-lo, cada gesto ainda carrega consigo as forças ambivalentes da representação e da performance, do teatro épico e do pós dramático e as diferentes formas de montagem entre o meio teatral e os recursos tecnológicos do cinema. A genealogia da potência, elaborada pelo filósofo Giorgio Agamben e cujos tópicos aparecem em Arqueologia da Potência, de Edgardo Castro, além dos estudos teatrais de Hans-Thies Lehmann e da imagem de George Didi-Huberman constituem importantes referentes teóricos desta pesquisa.

Artigo Completo:

Palavras-chave: Imagem, Pathosformel , Potência, Dialética, Teatro, Documentário,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/phypro-intermidialidade2014-003

Referências bibliográficas
  • [1] Benjamin, W. (1994). Magia, Técnica, Arte e Política, 7ª Edição. Trad. Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense.
  • [2] ______. (1995). Rua de mão única (in Obras Escolhidas, vol. II) 5a. Edição. Trad. Rubens Rodrigues Torres Filho e José Carlos Martins Barbosa. São Paulo.
  • [3] Bionda, N., Gualdoni, C. (2011). Visioni Incrociate: Pippo Delbono tra cinema e teatro. Pisa: Titivilus Edotoria.
  • [4] Brecht, B. (1978). Estudos sobre Teatro. Trad. Fiama Paes Brandão. Rio de Janeiro: Nova Fronteira.
  • [5] ______. (1998). War Primer. London: Libris.
  • [6] Castro, E. (2012). Introdução a Giorgio Agamben: uma arqueologia da potência. Trad. Beatriz de Almeida Magalhães. Belo Horizonte: Autêntica Editora.
  • [7] Didi-Huberman, G. (2013). A Imagem sobrevivente. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Contraponto.
  • [8] Mangabelli, G. (1993). Hilarotragoedia. Trad. Nilson Moulin. Rio de Janeiro: Imago.
  • [9] Warburg, A. (2010). Atlas Mnemosyne. Madrid: Akal.
Como citar:

Caminha, José Guimarães; "Ecos do Grido: como as imagens se desdobram", p. 35-43 . In: Aguiar, Daniella; Queiroz, João (Eds.). Anais do 1º Congresso Internacional de Intermidialidade 2014 [=Blucher Arts Proceedings, v.1 n.1]. São Paulo: Blucher, 2015.
ISSN 2447-3332, DOI 10.5151/phypro-intermidialidade2014-003

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações