Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

DESEMPENHO DE MISTURAS B7 QUANTO A EMISSÕES VEICULARES E A ESTABILIDADE À OXIDAÇÃO

Melo, Tadeu Cavalcante Cordeiro de; Moreira, Márcia Figueiredo; Cruz, Ivna Oliveira da; Rocha, Mauro Iurk; Faller, Maria Clara Kremer; Vicentini, Pedro Caffaro; Giongo, Aírton;

Artigo Completo:

Em 2013, houve o crescimento de discussões a nível governamental sobre a possibilidade do uso da mistura de 7% v/v de biodiesel (B7) no óleo diesel nacional. Essa nova mistura óleo diesel-biodiesel substituiria a mistura B5 utilizada na época, no sentido de reduzir as importações de óleo diesel e de melhor aproveitar a capacidade industrial instalada dos produtores de biodiesel do país. Para se conhecer o desempenho da nova mistura B7, em comparação com a mistura B5, foram realizados diversos ensaios de emissões de poluentes em veículos e motores de diferentes tecnologias e fases do PROCONVE, em instalações laboratoriais de dinamômetro de chassi e de banco de provas, respectivamente. Foram utilizadas diferentes formulações de combustíveis, incluindo misturas de óleo diesel com teores de biodiesel de 5, 7 e 10% v/v. Também foram conduzidos estudos referentes à estabilidade à oxidação da mistura B7, bem como a análise de outras propriedades físico químicas dessa nova mistura. Esse artigo apresenta os resultados de emissões veiculares das misturas B5, B7 e B10, bem como discussões sobre questões relacionadas à estabilidade à oxidação dessa nova mistura, que foi autorizada para uso no país a partir de 01 de novembro de 2014, lei nº 13.033, de 24 setembro de 2014. O artigo também inclui comentários sobre o uso de misturas de biodiesel no Brasil, EUA e Europa, com ênfase no mercado americano e no mercado europeu.

Artigo Completo:

Palavras-chave: ,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/engpro-simea2015-PAP167

Referências bibliográficas
  • [1] Casa Civil, MEDIDA PROVISÓRIA nº 647 de 28.05.2014. “Dispõe sobre a adição obrigatória de biodiesel ao óleo diesel comercializado ao consumidor final, e dá outras providências”. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011- 2014/2014/Mpv/mpv647.htm .Acessado em 03.07.2014.
  • [2] Casa Civil, LEI nº 13.033 de 24.09.2014. “Dispõe sobre a adição obrigatória de biodiesel ao óleo diesel comercializado com o consumidor final; altera as Leis nos 9.478, de 6 de agosto de 1997, e 8.723, de 28 de outubro de 1993; revoga dispositivos da Lei no 11.097, de 13 de janeiro de 2005; e dá outras providências”. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2014/Lei/L13033.htm .Acessado em 28.05.2015.
  • [3] Renewable Fuels Standard (RFS) e Renewable Identification Number (RIN), EPA. Disponível em http://www.epa.gov/otaq/fuels/renewablefuels/ .Acessado em 08.08.2014.
  • [4] NBB, BQ9000 - The National Biodiesel Accreditation Program. Disponível em http://www.bq-9000.org/ .Acessado em 08.08.201
  • [5] ASTM D6751-12 - Standard Specification for Biodiesel Fuel Blend Stock (B100) for Middle Distillate Fuels, ASTM. Disponível em http://www.astm.org/Standards/D6751.htm Acessado em 08.08.2014.
  • [6] ASTM D975 - Standard Specification for Diesel Fuel Oils, ASTM. Disponível em http://www.astm.org/DATABASE.CART/HISTORICAL/D975-93.htm . Acessado em 08.08.2014.
  • [7] ASTM D7467 - Standard Specification for Diesel Fuel Oil, Biodiesel Blend (B6 to B20), ASTM. Disponível em http://www.astm.org/Standards/D746htm. Acessado em 08.08.2014.
  • [8] ASTM D396 - Standard Specification for Fuel Oils, ASTM. Disponível em http://www.astm.org/database.cart/historical/D396-96.htm. Acessado em 002014.
  • [9] Vehicle Technologies Office, DOE/GO-102014-4420.July 2014.Disponível em , www.cleancities.energy.gov. Acessado em 08.08.2014.
  • [10] EN 590:2009 – Automotive fuels - Diesel – Requirements and test methods – Directive 2009/30/EC. Disponível em www.dieselnet.com. Acessado em 03.12.2013.
  • [11] Association of European Automobile Manufacturers (ACEA). Disponível em http://www.acea.be . Acessado em 03/12/2013.
  • [12] Society of Motor Manufacturers and Traders (SMMT). Disponível em http://www.smmt.co.uk . Acessado em 03/12/2013.
  • [13] ACEA position concerning diesel that might contain more than 7% FAME, 22/04/14.Disponível em www.acea.be. Acessado em 08.08.2014.
  • [14] FALLER, M. C. K., IURK, M. R. et al.. Cold Flow Properties of Biodiesel Blends up to B20. SAE Brasil 2014-36-0495, 2014, SP.
  • [15] LOPES, S. M., CUSHING, T.. The Influence of Biodiesel Fuel Quality on Modern Diesel Vehicle Performance. SAE Technical Paper 2012-01-0858, 2012.
  • [16] ROBBINS, C., HOEKMAN E. C., et al. Effects of Biodiesel Fuels Upon Criteria Emissions, SAE Technical Paper 2011-01-1943, 2011.
  • [17] MACHADO, A. G., SHIRAIWA, N. M.. Emission and Performance Evaluation of a PROCONVE P7 (Euro V) Engine Working with 5% up to 100% of Biodiesel Blends. SAE Technical Paper 2013-36-0208, 2013.
  • [18] MOREIRA, M.F., MAIA, D. M.. Impacto do Uso de Mistura com 20% de Biodiesel em Diesel (B20) em Veículos. SIMEA 2014 PAP60, SP.
  • [19] FETRANSPOR – Biodiesel B20 – O Rio de Janeiro anda na frente. Rio de Janeiro, 2011.
  • [20] BARBOSA, F. C.. Biodiesel Use in Transit Fleets - A Summary of Brazilian Experiences. SAE Technical Paper 2012-36-0149, 2012.
  • [21] BERMUDEZ, V., TORMOS, B., et al. Performance Evaluation and Components Behavior of Light Duty Diesel Engine after 300 Hours Test Fuelled with Pure Biodiesel: Effects on Reliability and Durability. SAE Technical Paper 2012-01-0865, 2012.
  • [22] LASTRES, L. F. M.. Efeito do Uso de B20 em Óleos Lubrificantes. SIMEA 201, SP.
  • [23] WILLIAMS, A., McCORMICK, R. et al. Impact of Biodiesel Impurities on the Performance and Durability of DOC, DPF and SCR Technologies. SAE Technical Paper 2011-01-1136, 2011.
  • [24] MCCORMICK, R. L. e WESTBROOK, S. R. Storage Stability of Biodiesel and Biodiesel Blends. Energy Fuels, v. 24, p. 690-698, 2010.
  • [25] National Renewable Research Laboratory. Empirical Study of the Stability of Biodiesel and Biodiesel Blends. NREL/TP-540-41619 , 2007.
  • [26] KARAVALAKIS, G., STOURNAS, S. e KARONIS, D. Evaluation of The Stability of Diesel/Biodiesel Blends. Fuel, v. 89, p. 2483-2489, 2010.
  • [27] MUSHRUSH, G. W., HUGHES J. M. e WILLAUER H. D. Blends of Soybean Biodiesel with Petroleum Diesel: Advantages. American Chemical Society. Industrial Andamp; Engineering Chemistry Research. v. 52. p. 1764-1768, 2013
  • [28] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, Motor diesel – Análise e determinação dos gases e do material particulado emitidos por motores do ciclo diesel – Ciclo de 13 pontos – ABNT 14489, maio 2000.
  • [29] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, Veículos rodoviários automotores – Análise e determinação do gás de exaustão segundo os ciclos ETC, ESC e ELR – ABNT 15634, setembro 2009.
  • [30] ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, Determinação de Hidrocarbonetos, Monóxido de Carbono, Óxidos de Nitrogênio e Dióxido de Carbono no Gás de Escapamento – ABNT NBR 6601, 2012.
  • [31] MELO, T. C. C., ROCHA, J. R. et al. Como Diferentes Teores de Biodiesel no Diesel Afetam as Emissões de Aldeídos em Motores e Veículos”, SIMEA, 2013,SP.
  • [32] Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. RESOLUÇÃO ANP N°69 de 23.12.2014.
  • [33] Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. RESOLUÇÃO ANP Nº 45 de 25.8.2014.
  • [34] EUROPEAN COMMITTEE FOR STANDARDIZATION EN 15751 Automotive fuels — Fatty acid methyl esters (FAME) and blends with diesel fuel — Determination of oxidation stability by accelerated oxidation method. CEN, 2009.
  • [35] Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. RESOLUÇÃO ANP Nº 2 de 12.1.2011.
  • [36] AMERICAN SOCIETY FOR TESTING AND MATERIALS D 3703 – 07: Standard Test Method for Hidroperoxide Number of Aviation Turbine Fuels, Gasoline and Diesel Fuels: ASTM International, 2014.
Como citar:

Melo, Tadeu Cavalcante Cordeiro de; Moreira, Márcia Figueiredo; Cruz, Ivna Oliveira da; Rocha, Mauro Iurk; Faller, Maria Clara Kremer; Vicentini, Pedro Caffaro; Giongo, Aírton; "DESEMPENHO DE MISTURAS B7 QUANTO A EMISSÕES VEICULARES E A ESTABILIDADE À OXIDAÇÃO", p. 312-328 . In: In Anais do XXIII Simpósio Internacional de Engenharia Automotica - SIMEA 2014 [=Blucher Engineering Proceedings]. São Paulo: Blucher, 2015. . São Paulo: Blucher, 2015.
ISSN 2357-7592, DOI 10.5151/engpro-simea2015-PAP167

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações