Artigo - Open Access.

Idioma principal

Deleuze, Kerouac e as relações entre corpo e pensamento

Lopes, Daniel de Souza;

Artigo:

Para o filósofo francês Gilles Deleuze, o elemento do pensar não é o verdadeiro, mas o sentido e o valor. O pensamento, por sua vez, não é exclusividade da filosofia, as ciências, as artes, o cinema e a literatura também pensam, mas, enquanto a filosofia pensa por meio de conceitos, as artes pensam por afectos e perceptos. O pensamento de Deleuze se aproxima da literatura na mesma medida em que se distancia da filosofia da representação. Para tal filosofia, o elemento do pensar é o verdadeiro, que se desvelaria por meio de um método adequado, capaz de afastar o erro que aqui é relacionado ao corpo e às paixões. A arte não se preocupa com a verdade, assume-se como invenção, criação de sentido. Desde seus primeiros textos, Deleuze já busca esta aproximação da literatura como forma de combater a imagem dogmática do pensamento. Em Proust e os signos, Deleuze opera uma crítica à filosofia da representação por meio do romance Em busca do tempo perdido. O plano de imanência de uma filosofia é a imagem que ela faz do que é o pensamento. Para a imagem dogmática, pensar se limita à reminiscência e à recognição, para Deleuze, pensar é parir o novo, o extemporâneo. Este trabalho partirá da crítica deleuziana à imagem dogmática do pensamento, que tem como contrapartida uma apologia da arte enquanto lugar onde a criação parte do corpo e onde a verdade é uma construção de sentido não uma questão de reminiscência ou de recognição. Desta maneira, a partir da análise do personagem Dean Moriarty, do romance On the road, de Jack Kerouac, procuraremos estabelecer pontos de convergência entre a obra romanesca do autor norte-americano e a filosofia de Gilles Deleuze.

Artigo:

Palavras-chave: Deleuze, Kerouac, beat, corpo, pensamento,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/phipro-sofia-010

Referências bibliográficas
  • [1] CALDAS, Waldenyr. A cultura da juventude de 1950 a 1970. São Paulo: Editora Musa, 2008.
  • [2] DELEUZE, Gilles. Diferença e repetição. Trad. Luiz Orlandi e Roberto Machado. São Paulo: Graal, 1988.
  • [3] DELEUZE, Gilles. Nietzsche e a filosofia, Trad. Ruth Joffily e Edmundo Fernandes Dias. Rio de Janeiro: Editora Rio, 1976.
  • [4] _______________. Conversações. Trad. Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 1992.
  • [5] DELEUZE, Gilles e PARNET, Claire. Diálogos. Trad. Eloísa Araújo Ribeiro. São Paulo: Escuta, 1998.
  • [6] DELEUZE, Gilles e GUATARRI, Félix. Kafka: por uma literatura menor. Trad. Rafael Godinho. Lisboa: Assírio Andamp; Alvim, 2003.
  • [7] _______________. O que é filosofia? Trad. Bento Prado Jr. e Alberto Alonso Muñoz. São Paulo: Editora 34, 2010.
  • [8] ________________. Crítica e Clínica. Trad. Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 1997.
  • [9] KEROUAC, Jack. On the road. London: Peguin Books, 2000.
  • [10] KEROUAC, Jack. On the road. Trad. Eduardo Bueno. Porto Alegre: LAndamp;PM Editora, 2004.
  • [11] KEROUAC, Jack. On the road, o manuscrito original. Trad. Eduardo Bueno e Lúcia Brito. Porto Alegre: LAndamp;PM Editora, 20
  • [12] NIETZSCHE, Friedrich W. Assim falou Zaratustra. Trad. Mário Silva. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2003.
  • [13] NIETZSCHE, Friedrich W. O Caso Wagner. Trad. Antonio Carlos Braga e Ciro Mioranza. São Paulo. Editora Escala, 2007.
  • [14] PLATÃO. Fédon. Trad. Miguel Ruas. São Paulo. Editora Martin Claret, 2002.
  • [15] WILLER, Claudio. Geração Beat. Porto Alegre: LPAndamp;M, 2009.
Como citar:

Lopes, Daniel de Souza; "Deleuze, Kerouac e as relações entre corpo e pensamento", p. 74-85 . In: Anais da VIII Semana de Orientação Filosófica e Acadêmica [= Blucher Philosophy Proceedings, n.1, v.1]. São Paulo: Blucher, 2014.
ISSN 2358-6567, DOI 10.5151/phipro-sofia-010

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações