fevereiro 2015 vol. 1 num. 2 - XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química

Artigo - Open Access.

Idioma principal

COMPOSTOS BIOATIVOS NAS AMÊNDOAS DE MONGUBA

SILVA, A. M. M.; AMARAL, A. E. G.; BRAGA, E. V. S. C.; FIGUEIREDO, P. H. M. SOUSA R. W.;

Artigo:

A mongubeira (Pachira aquática aublet) é uma planta nativa do sul do México que se adaptou aos diversos tipos de solos brasileiros, sendo muito utilizada na ornamentação urbana de muitas cidades do país. Os compostos bioativos, muito presente em frutos, exibem propriedades antioxidantes além de estarem associados a diversos benefícios físicos. Devido a escassez de informações sobre os teores de compostos bioativos nas sementes de monguba, o presente trabalho objetivou avaliar os teores de antocianinas, flavonóides amarelos, e os carotenóides: licopeno e β-caroteno nas amêndoas da monguba.Assim, os bioativos foram determinados por espectrofotometria. As amêndoas de mongubaapresentaram, 795 ± 0,41 µg de antocianinas por 100g amêndoa, 27, 644 µg de flavonóides amarelos/100g. Os teores de licopeno e B-caroteno também foram considerados baixos, sendo de 0,09µg/100g para ambos. A presença de antocianinas, flavonóides e carotenóides faz desse fruto uma fonte de bioativos, contribuindo para uma dieta variada e benéfica para o organismo.

Artigo:

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/chemeng-cobeq2014-0496-25223-164600

Referências bibliográficas
  • [1] BASTOS, D. H. M.; ROGERO, M. M.;Arêas, J. A. G. Mecanismos de ação de compostos bioativos dos alimentos no contexto de processos inflamatórios relacionados à obesidade.ArqBrasEndocrinolMetab. v. 53, n. 5, p. 647, 2009.
  • [2] BOBBIO, P.A.; BOBBIO, F.O. Introdução à Química de alimentos. ed.São Paulo: Varela, 1995. 223p. BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria da Vigilância Sanitária. Portaria n° 27; Regulamento Técnico referente à Informação Nutricional Complementar (declarações relacionadas ao conteúdo de nutrientes), constantesdoanexo desta Portaria. 13 jan de 1998.
  • [3] BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria da Vigilância Sanitária. RDC n° 269; Regulamento Técnico sobre a ingestão diária recomendada (IDR) de proteína, vitaminas e minerais. 22 set de 2005.
  • [4] CARVALHO PGB; MACHADO CMM; MORETTI CL; FONSECA, ME N. Hortaliças como alimentos funcionais.Hortic. bras., v. 24, n. 4, p. 400, out.-dez. 2006.
  • [5] CARPER J. Alimentos: o melhor remédio para aboa saúde. 199 Rio de Janeiro: Ed. Campus.632p. Área temática: Engenharia e Tecnologia de Alimentos 4CETTO, A.A.; HEINRICH, M.Mexican plants with hypoglycaemic effect used in the treatment of diabetes.Journal of Ethnopharmacology, v.99, p. 325-348, 200
  • [6] CLINTON SK.. Lycopene: chemistry, biology, and implications for human health anddisease. Nutrition Reviews, v.56, p. 35-51, 1998.
  • [7] ESPÕN, J.C.; SOLER-RIVAS, C.; WICHERS, H.J.; GARCÕA-VIGUERA, C. Anthocyanin-based natural colorants: a new source of antiradical activityfor foodstuff. Journal of Agricultural and Food Chemistry, v.48, p. 1588-1592, 2000.
  • [8] aFRANCIS, F.J. Analysis of anthocyanins. In: MARKAKIS, P. (ed.). Anthocyaninsasfood colors.Academic Press.New York, p. 181-207, 1982.
  • [9] bFRANCIS, F.J. Food colorants: anthocyanins. Critical Reviews in Food Science and Nutrition,v.28, p. 273-314, 198
  • [10] JUNIOR, N. O. R.; FERNANDEZ, L. G.; CASTRO, R. D.; SILVA, L. C.; GUALBERTO, S. A.; PEREIRA, M. L. A.; SILVA, M. V. Compostos bioativos e atividade antioxidante deextratos brutos de espécies vegetais da caatinga. Braz. J. FoodTechnol., Campinas, v. 14, n. 1, p. 50-57, 2011.
  • [11] LEMOS, A. R. Caracterização físico-química, bioquímica eAvaliação da atividade antioxidante emGenótipos de urucueiros (Bixaorellana l.). Dissertação. Universidade Estadualdo Sudoeste da Bahia. 2008.
  • [12] LEMOS, M. R. B. Caracterização e estabilidade dos compostos bioativos em amendoas de Baru (Dipteryxalata Vog.), submetidos a processo de torrefação. Dissertação. Universidade de Brasília, 20
  • [13] MACHEIX, J. J.; FLEURIET, A.; BILLOT, J. FruitsPhenolics. Boca Raton: CRC Press, 1990.
  • [14] NAGATA, M.; YAMASHITA, I. Simplemethod for simultaneous determinationof chlorophyll and carotenoids in tomato fruit. J. Japan. Soc. Food Sci. Technol., v.39, n. 10, p. 925–928, 1992.
  • [15] OLIVEIRA, J. T. A. et al. Composition and nutritional properties of seeds from Pachiraaquatic Aubl., SterculiastriataSt Hil et Naud and TerminaliacatappaLinn. Food Chemistry, v.70, n.2, p.185-191, 2000.
  • [16] PEIXOTO, A. L.; ESCUDEIRO, A. Pachiraaquática (Bombacaceae) na obra “História dos animais e árvores do Maranhão” de Frei Cristóvão de Lisboa. Rodriguésia, v. 53, n. 82, p.123-130, 2002.
  • [17] SHI J; MAGUER ML; KAKUDA Y; LIPTAY A;NIEKAMP F.Lycopene degradation and isomerization in tomato dehydration. Food Research International, v.32, p. 15-21, 1999.
  • [18] SOUZA, V. C.; LORENZI, H. Botânica sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de Fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG II. 2. ed.Nova Odessa, SP: InstitutoPlantarum, 2008. 704p. Área temática: Engenharia e Tecnologia de Alimentos 5 WANG, H.; CAO, G.; PRIOR, R. L. Oxigen radical absorbing capacity of anthocyanins.Journal of Agricultural and Food Chemistry, v.45, p.304-309, 1997.
Como citar:

SILVA, A. M. M.; AMARAL, A. E. G.; BRAGA, E. V. S. C.; FIGUEIREDO, P. H. M. SOUSA R. W.; "COMPOSTOS BIOATIVOS NAS AMÊNDOAS DE MONGUBA", p. 3615-3620 . In: Anais do XX Congresso Brasileiro de Engenharia Química - COBEQ 2014 [= Blucher Chemical Engineering Proceedings, v.1, n.2]. São Paulo: Blucher, 2015.
ISSN 2359-1757, DOI 10.5151/chemeng-cobeq2014-0496-25223-164600

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações