fevereiro 2014 vol. 1 num. 1 - V Simpósio Internacional de Flebologia

Resumo - Open Access.

Idioma principal

Como Classificar o Paciente em Fleboestética

Miyake, K.;

Resumo:

Desde 1980, Dr Hiroshi Miyake já descrevia em suas aulas a importância da palpação da pele e boa iluminação para que as veias nutrícias fossem “pescadas” e as telangiectasias resistentes ao tratamento eliminadas “pela raiz”. Dr Hiroshi também frisava a importância do exame da safena. Naquela época não havia ultrassonografia e ele sempre considerou a flebografia um exame invasivo, com risco de alergia e flebite e portanto não indicava o exame para pacientes com problemas estéticos. Dizia que mesmo se a paciente fosse assintomática, sem veia safena palpável mas tivesse uma “tufo de telangiectasias” sobre a safena… a safena precisava ser retirada para que a lesão venosa fosse eliminada. Os anos se passaram e hoje em dia temos a disposição aparelhos de ultrassonografia de alta definição e portáteis, transiluminadores de pele e também a Realidade Aumentada (RA ). Aparelhos de RA filmam a pele e projetam sobre a pele uma imagem das veias que estão abaixo da pele. Tudo isso é feito em uma fração de segundos e nos permite ter a sensação que estamos vendo as veias que estão a profundidades de até 5mm. Conhecimentos adquiridos do Dr Hiroshi e o uso de tais tecnologia no dia-a-dia desde 2005 nos fez desenvolver o “Superficial Venous Score 9-1” uma classificação específica para o tratamento de fleboestética visto que as classificações existentes como o CEAP não visam determinar se há ou não a presença de veias nutrícias; o que consideramos fundamental para o sucesso no tratamento das lesões venosas estéticas de perna. Nessa aula discutiremos os diferentes tipos de classificação assim como as opções terapêuticas para cada uma delas.

Resumo:

Palavras-chave: fleboestética, varizes, IVC, tratamento de varizes,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/medpro-flebo-SIF_16

Referências bibliográficas
Como citar:

Miyake, K.; "Como Classificar o Paciente em Fleboestética", p. 35 . In: In Anais do V Simpósio Internacional de Flebologia [=Blucher Medical Proceedings, n.1, v.1]. São Paulo: Blucher, 2014.
ISSN 2357-7282, DOI 10.5151/medpro-flebo-SIF_16

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações