Artigo Completo - Open Access.

Idioma principal

CINÉTICA DA DEGRADAÇÃO DO ÓLEO DA AMÊNDOA DA CASTANHA DE CAJU (Anacardium occidentale L.) PELA AÇÃO DA TEMPERATURA

de LIMA, L. C. M.; de SÁ, L. A.; de CARVALHO, J. M.;

Artigo Completo:

Sendo uma planta tropical originária do Brasil, o cajueiro (Anacardium occidentale L.) é encontrado em todo o território nacional. A composição da amêndoa de castanha de caju apresenta como ácidos graxos predominantes: ácidos esteárico, linoleico e oleico com respectivamente, 12%, 19% e 61% da sua composição, alguns destes ácidos graxos podem ser susceptíveis a oxidação pela ação do calor. O presente artigo é divido em introdução, materiais e métodos, resultados e discussões e conclusões. O objetivo foi avaliar a cinética de degradação da fração oleosa da ACC, verificando sua estabilidade frente a processos de aquecimento e sendo avaliada pelos índices de acidez e peróxido.

Artigo Completo:

Palavras-chave: ,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/chemeng-cobeqic2015-275-33121-266534

Referências bibliográficas
  • [1] ANGELIS, R. C. Novos conceitos em nutrição – reflexões a respeito do elo dieta e saúde. Arq. 16 Gastroenterol. V.38, n.4. p.269-271, 200
  • [2] AGENCIA NACIONAL DE VIGILANCIA SANITARIA - ANVISA. Resoluçao de diretoria colegiada. Diário Oficial da União; Poder Executivo, 2005.
  • [3] BRASIL.Agência Nacional de Vigilância Sanitária – ANVISA. Resolução RDC nº 270, de 22 de setembro de 2005. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, de 23 de setembro de 2005.
  • [4] BOSKOU, D. Vegetables Oils if Food Technology: 18 Compostitions, properties and uses. Oxford, UK: Blackwell Publishing/ CRC Press LLC (USA 19 and Canada), 2002.
  • [5] CARVALHO, J.M. Óleo de amêndoa de castanha de caju virgem e extra virgem: processamento, caracterização, avaliação sensorial e bioatividade. 201 156f. Tese de Doutorado. Doutorado em Ciência de Alimentos. Universidade Federal do Ceará.
  • [6] INSTITUTO ADOLFO LUTZ (IAL). Métodos físico-químicos para análise de alimentos. São Paulo: Instituto Aldolfo Lutz, 2008.
  • [7] JONNALA, R. S. Tocopherol, phystosterol and phospholipid compostitions of new high oleic peanut cultivars. Journal of Food Compostition and Analysis, 2006.
  • [8] KROSS, K.R. Processamento de amêndoas de castanha de caju: secagem, extração e estabilidade do azeite. 200 99f. Tese (Doutorado em Engenharia de Processos). Universidade Federal de Campina Grande. Campina Grande. 200
  • [9] LIMA, J. R. Caracterizaçao da fracao lipídica de amêndoas de castanha de caju fritas e salgadas. Curitiba: Boletim do CEPPA, 1998.
  • [10] OLIVEIRA, V. H. Cajucultura – produção, processamento e certificação. Fortaleza: Instituto Frutal, 2005.
  • [11] PAIVA, F. F. DE A. Aproveitamento industrial do caju. Fortaleza: Embrapa-CNPAT/SEBRAE/CE, 2000.
Como citar:

de LIMA, L. C. M.; de SÁ, L. A.; de CARVALHO, J. M.; "CINÉTICA DA DEGRADAÇÃO DO ÓLEO DA AMÊNDOA DA CASTANHA DE CAJU (Anacardium occidentale L.) PELA AÇÃO DA TEMPERATURA", p. 1812-1817 . In: Anais do XI Congresso Brasileiro de Engenharia Química em Iniciação Científica [=Blucher Chemical Engineering Proceedings, v. 1, n.3]. ISSN Impresso: 2446-8711. São Paulo: Blucher, 2015.
ISSN 2359-1757, DOI 10.5151/chemeng-cobeqic2015-275-33121-266534

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações