Artigo - Open Access.

Idioma principal

Bases filosóficas de Memórias Póstumas de Brás Cubas

Menezes, Manoela Paiva;

Artigo:

Pretende-se discutir em que termos Machado de Assis recorre à obra de Schopenhauer no romance Memórias Póstumas de Brás Cubas, publicado em 1881 como livro. Para isso, focamos no capítulo VII, “O Delírio”, em que há referências contundentes a aspectos da filosofia de Schopenhauer, como os conceitos de Vontade, Corpo, Ideia e Fenômeno. Recorremos ao trabalho analítico de Roberto Schwarz em Um mestre na periferia do capitalismo, em que se expõe a noção de volubilidade como princípio formal, como ponto crucial do romance, que acarretará a identificação da fisionomia de classe do narrador Brás Cubas e seu papel no panorama histórico-social do Brasil de então. Nosso intuito é distinguir o uso irônico que Machado faz da obra de Schopenhauer, e argumentar em favor da hipótese de que se trata de um retrato crítico e real de um mecanismo social do Brasil contemporâneo a Machado. Em Memórias póstumas, o defunto-autor Brás Cubas narra retrospectivamente seu percurso, de acordo com as reflexões que lhe convêm: representa-se assim satiricamente o comportamento prepotente da classe dominante brasileira. Em consonância com o que afirma Schwarz, defendemos que há uma alternância sistemática de perspectivas expressas no comportamento de Brás Cubas. Portanto, a influência da obra de Schopenhauer é mais uma perspectiva dentre outras tantas, filosóficas, literárias etc. que são apresentadas, adotadas e descartadas ao longo do curso do romance.

Artigo:

Palavras-chave: Machado de Assis, Schopenhauer, teoria crítica,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/phipro-sofia-026

Referências bibliográficas
  • [1] ASSIS, Joaquim Maria Machado de. Memórias póstumas de Brás Cubas. In: Coutinho, Afrânio (Org.). Machado de Assis: Obra completa, vol. I. Rio de Janeiro: Editora José Aguilar, 1959.
  • [2] SCHARWZ, Roberto. Um mestre na periferia do capitalismo: Machado de Assis São Paulo: Duas Cidades, 2000.
  • [3] SCHOPENHAUER, Arthur. Metafísica do belo. Tradução, apresentação e notas de Jair Barboza. São Paulo: Editora UNESP, 200
  • [4] ______________________. O mundo como vontade e como representação. Tradução, notas de Jair Barboza. São Paulo: Editora UNESP, 2005.
Como citar:

Menezes, Manoela Paiva; "Bases filosóficas de Memórias Póstumas de Brás Cubas", p. 198-204 . In: Anais da VIII Semana de Orientação Filosófica e Acadêmica [= Blucher Philosophy Proceedings, n.1, v.1]. São Paulo: Blucher, 2014.
ISSN 2358-6567, DOI 10.5151/phipro-sofia-026

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações