dezembro 2014 vol. 1 num. 1 - X Congresso Brasileiro de Engenharia Química

Artigo - Open Access.

Idioma principal

AVALIAÇÃO DO ESTADO TRÓFICO DA ÁGUA NA BARREIRA FLUTUANTE DE SANTANA EM PIRAÍ - RJ

PINTO, E.S.; SIQUEIRA, C.S.; NOGUEIRA, R.M.; PEREIRA, O.S.;

Artigo:

A água é fundamental para a vida, por isso deve atender a requisitos de qualidade e quantidade adequadas ao consumo da população para garantir a manutenção da saúde e preservação do ecossistema. O objetivo deste trabalho foi analisar o estado trófico da água na barreira flutuante de Santana em Piraí – RJ, no período de seca, utilizando os cálculos de IET (Índice de Estado Trófico) a fim de identificar os principais indicadores de eutrofização, visando à conservação do ecossistema encontrado no rio. O rio Piraí caracteriza-se pelo elevado grau de impacto humano devido constante despejo de esgoto doméstico e atividades agropecuárias e apresenta uma acentuada proliferação de plantas aquáticas em toda sua extensão gerando altos níveis de nutrientes e cargas orgânicas em suas águas, impossibilitando a sua incorporação pelo sistema aquático e provocando assim, um desequilíbrio ecológico. Dentro deste contexto, buscou-se avaliar os parâmetros indicativos da qualidade da água próximo à barreira flutuante de Santana. Neste caso, torna-se fundamental a obtenção do pH, da concentração de clorofila a e do fósforo total. As amostragens foram realizadas em dois pontos da barreira. O valor do Índice de Estado Trófico (IET) foi calculado de acordo com os modelos propostos por Carlson (1977), Toledo (1983) e Lamparelli (2004), a fim de compará-los para uma melhor caracterização da qualidade da água.De acordo com as análises das amostras, o Índice proposto por Carlson (1977) classificou a água como Eutrófico, o Índice proposto por Toledo (1983) classificou a água entre Mesotrófico e Eutrófico e o Índice proposto por Lamparelli (2004) classificou a água entre Eutrófico e Supereutrófico.

Artigo:

Palavras-chave: eutrofização, IET de Carlson, IET Modificado por Toledo, IET de Lamparelli, Rio Piraí, Barreira Flutuante de Santana,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/chemeng-cobec-ic-01-ea-002

Referências bibliográficas
  • [1] ANA. Agência Nacional de Águas. Portal da Qualidade das Águas. Indicadores de Qualidade – Índice de Estado Trófico. 2009.
  • [2] BRANCO, S.M. (1991). Água e o Homem. In: PORTO, R.L.L. (org.) Hidrologia Ambiental. São Paulo: EDUSP/ABRH. p. 3-26. BRASIL. Ministério do Meio Ambiente, Conselho Nacional de Meio Ambiente, CONAMA. Resolução CONAMA nº 357, de 17 de março de 2005.
  • [3] BREZONIC,P.L. Planktonic communities in Florida soft water lakes of varying pH. Canada. Journal Fish Aquatic, p. 46-56, 1976.
  • [4] CARLSON, R. E. A trofic state index for lakes. Limnology and Oceanography. Vol. 22, p. 361-369. 1977.
  • [5] CARVALHO, S. L. Eutrofização Artificial: Um Problema em Rios, Lagos e Represas. Artigo publicado no jornal Correio de Três Lagoas, 28 de Agosto de 2004.
  • [6] CETESB - Companhia Estadual de Tecnologia de Saneamento Básico e Defesa do Meio Ambiente. Água: rios e reservatórios.
  • [7] CETESB. Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, Governo do Estado de São Paulo, Secretaria do Meio Ambiente. Índices de Qualidade das Águas, Critérios de Avaliação da Qualidade dos Sedimentos e Indicador de Controle de Fontes. 2008. (Série Relatórios)
  • [8] CETESB. Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, Governo do Estado de São Paulo, Secretaria do Meio Ambiente. Qualidade das Águas Interiores no Estado de São Paulo. Significado Ambiental e Sanitário das Variáveis de Qualidade das Águas e dos Sedimentos e Metodologias Analíticas e de Amostragem. 2009. (Série Relatórios – apêndice A)
  • [9] CRUZ, M.J. Andamp; BRAZ, R. (2000) A eutrofização dos sistemas aquáticos. Disponível em: Andlt;http://naturlink.sapo.pt/article.aspx?menuid=4Andamp;cid=874Andamp;bl=1Andgt;. Portal Naturlink.pt. Acesso em 10 de setembro de 2012.
  • [10] DUARTE, M.A.C.; CEBALLOS, O.; SUSANA, B.; ANNEMARIE, K.; MELO, H. N. M.; ARAÚJO, J. A. H.. Índice de Estado Trófico de Carlson (IET) aplicado em corpos aquáticos lênticos do nordeste do Brasil. In: CONGRESSO INTERAMERICANO DE INGENIERÍA SANITARIA Y AMBIENTAL, 26., Lima, 1998. Resumes... Lima: Associación Peruana de Ingenierya Sanitária y Ambiental – AIPS, AIDIS, p.1-5. 1998.
  • [11] DUSSART, B.H. Sur quelques copepodes d’Amerique du Sud, IV. Revista Brasileira de Biologia, 44, p.255- 265. 1984.
  • [12] ESTEVES, F.A. Considerações sobre a aplicação da tipologia de lagos temperados e lagos tropicais. Acta Limnológica Brasiliensia. 2:3 – 28. 1988.
  • [13] ESTEVES, F. A. Lagoas Costeiras: origem, funcionamento e possibilidades de manejo. In: Esteves, F. A., Ecologia das Lagoas Costeiras do Parque Nacional da Restinga de Jurubatiba e do Município de Macaé – RJ. Núcleo de Pesquisas Ecológicas de Macaé (NUPEM). Vol., RJ, Ed UFRJ. 63-87. 1998.
  • [14] FIA, R.; MATOS, A.T.; CORADI, P.C.; PEREIRA-RAMIREZ, O. Estado trófico da água na bacia hidrográfica da Lagoa Mirim, RS, Brasil. Ambi-Agua, Taubaté, v.4, n.1, p.132-141 2009.
  • [15] Gonçalves, E.F., Vasconcellos, J.M., Pinese, J.P.P., Correa, G.T., França, V., Souza Filho, E.E.. Levantamentos Preliminares da Saúde Coletiva com Base na Geoquímica das Águas Superficiais do Entorno das Ilhas Mutum e Porto Rico, Alto Rio Paraná (PR – BRASIL). 2009.
  • [16] GTZ/SEAMA. Relatório de qualidade de água. Microbacia do Rio Jacaraípe – Vitória – ES. Governo do Estado para assuntos do Meio Ambiente. Convênio Cooperação Técnica Brasil / Alemanha. 2000.
  • [17] HENRY, R., TUNDISI, J.G., CURI, P.R. Fertilidade Potencial em Ecossistemas Aquáticos: Estimativa através de Experimentos de Eutrofização Artificial. Ciência e Cultura. v.35, n.6, p.789-800, 1983.
  • [18] KARABIN, A.; EJSMONT-KARABIN, J.; KORNATOWSKA, R. Eutrophication process in a shallow, macrophyte-dominated lakefactors influencing zooplankton structure and density in Lake Luknajno (Poland). Hydrobiologia, Netherlands, 342-343: 401- 409. 1997.
  • [19] LAMPARELLI, M. C. Grau de trofia em corpos d’água do estado de São Paulo: avaliação dos métodos de monitoramento. Tese (Doutorado em Ecologia Aplicada) – Universidade de São Paulo, Instituto de Biociências, São Paulo, 2004.
  • [20] LEAL, P.R. Avaliação de Indicadores do Estado Trófico de uma Lagoa Costeira: Lagoa Jacuném em Serra – ES. Vitória, Espírito Santo. 2006.
  • [21] LORENZEN, C. J. Determination of chlorophyll and phaeo-pigments: spectrophotometric equations. Limnology and Oceanography. Vol. 12, p. 343-346. 1967.
  • [22] MARGALEFT, R. Limnologia. Barcelona: Omega, 1983.
  • [23] MELLO, A. G. B. Programa de Pós– Graduação em Tecnologia de Processos Químicos e Bioquímicos. Influência da Deformação Plástica na Corrosão de Aço Cabrono, Aço Inoxidável e Cobre em Sistemas de Resfriamento. 2008.
  • [24] MOTA, S. Introdução à Engenharia Ambiental. 4.ed. Rio de Janeiro: Abes,.388p. 2006.
  • [25] NOGUEIRA, V. P. Q. Qualidade da água em lagos e reservatórios. In: Hidrologia Ambiental, Coleção ABRH de Recursos Hídricos (Branco et al.) Vol. 3. São Paulo, Ed. da Universidade de São Paulo, p.p. 165-200. 1991.
  • [26] OISHI, M.K. Determinação do Potencial Trófico das Águas dos Componentes da Bacia Hidrográfica da Represa do Lobo (Itirapina- SP) através de Ensaio Algal. Tese (Dissertação de Mestrado em Engenharia Hidráulica e Sanitaria), Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo. São Carlos. 131p. 1990.
  • [27] PASSAVANTE, J. Z. O. Estudo ecológico da região de Itamaracá, Pernambuco- Brasil XIX Biomassa do nano e microfitoplâncton do Canal de Santa Cruz. Trabalhos Oceanográficos da Universidade Federal de Pernambuco. Recife, 1981.
  • [28] PINTO-COELHO, R.M. Effects of eutrophication on seasonal patterns of mesozooplankton in a tropical reservoir: a 4-year study in Pampulha Lake, Brazil. Freshwater Biology, London, 40: 159-173. 1998.
  • [29] PIVELI, Roque Passos. Qualidade das águas e poluição: aspectos físico-químicos: Ferro, Manganês e Metais Pesados em águas. São Paulo: ABES, 2006.
  • [30] POMPÊO, M. L. M. Macrófitas aquáticas e perifíton aspectos ecológicos e metodológicos. São Carlos, SP. Ed. RiMa, p.7-21. 2003.
  • [31] ROUND, F. E. Biologia das algas. 2. ed. Rio de janeiro: Guanabara Dois, 1973. Smith, V.H. Andamp; Schindler, D.W. Eutrophication science: where do we go from here? Trends in Ecology and Evolution 24: 201-207. 2009.
  • [32] SILVA, A.A.M.J.; ROSA, A.H.; MORETTI, J.P.; DUARTE, J.G.C.; PITTA, J.A.B. Avaliação Sazonal e Espacial do Estado Trófico do Reservatório de Itupararanga – SP. Campus de Sorocaba - Departamento de Engenharia Ambiental. São Paulo, 2009
  • [33] SILVEIRA, C.; Rosa, L.; MEES, J.B.R.; BORTOLI, M.M. Determinação do Índice de Estado Trófico de um Manancial Receptor de Efluentes de Estação de Tratamento de Esgoto. II Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental. Londrina, Paraná. 2009.
  • [34] SILVA, S.C.; NISHIMURA, P.Y.; PÔMPEO, M.L.M; CARLOS, V.M. Caracterização Limnológica das Águas Superficiais do Reservatório Billings em São Paulo – SP. VIII Congresso de Ecologia do Brasil. Caxambu, Minas Gerais. 2007.
  • [35] SOUZA, D.A. Bacia do Riberão e Represa do Lobo: Bases Ecológicas para o Planejamento Regional, Manejo e Conservação. Tese (Dissertação de Doutorado em Engenharia Civil) – Escola de Engenharia de São Carlos , Universidade de São Paulo. São Carlos158 p. 1993.
  • [36] SPERLING, E. Avaliação do Estado Trófico de Lagos e Reservatórios Tropicais. Bio Engenharia Sanitária e Ambiental. p. 68-71, 1996.
  • [37] TIETENBERG, T.H. (1994). Administrando a transição para um desenvolvimento sustentável: O papel dos incentivos econômicos. In: MAY, P.H. Andamp; MOTTA, R.S. (orgs.). Valorando a natureza: a análise econômica para o desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro. Ed. Campos. p. 93-109.
  • [38] TOLEDO, A.P.; TALARICO, M.; CHINEZ, S.J.; AGUDO, E.G. A aplicação de modelos simplificados para a avaliação do processo da eutrofização em lagos e reservatórios tropicais. Congresso Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental. Balneário Camboriú, Santa Catarina. 1983.
  • [39] TUNDISI, J.G. A crise da água: eutrofização e suas consequências. In. TUNDISI, J.G. Água no século XXI: enfrentando a escassez. Rima, IIE, São Carlos. 247 p. 2003.
  • [40] UNEP-IETC. Planejamento e gerenciamento de lagos e represas: uma abordagem integrada ao problema de eutrofização. Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente Instituto Internacional de Ecologia, São Carlos, 385 p. (edição em português). 2001.
  • [41] WETZEL, R.G. Limnologia. Fundação Calouste Gulbenkian. 1011 p. 1993.
Como citar:

PINTO, E.S.; SIQUEIRA, C.S.; NOGUEIRA, R.M.; PEREIRA, O.S.; "AVALIAÇÃO DO ESTADO TRÓFICO DA ÁGUA NA BARREIRA FLUTUANTE DE SANTANA EM PIRAÍ - RJ", p. 23-29 . In: . São Paulo: Blucher, 2014.
ISSN 2359-1757, DOI 10.5151/chemeng-cobec-ic-01-ea-002

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações