dezembro 2014 vol. 1 num. 1 - X Congresso Brasileiro de Engenharia Química

Artigo - Open Access.

Idioma principal

AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DO COEFICIENTE DE DESOXIGENAÇÃO NA AUTODEPURAÇÃO DE UM CORPO HIDRICO

Carvalho, M.; Ricciardone, P.; Torres, D.M.; Pereira, C.S.S.; Pereira, O.S.;

Artigo:

Diante da necessidade de estudos que avaliem o potencial de poluição e degradação de corpos hídricos impactados pelos processos de urbanização, o presente trabalho realizou o estudo da capacidade de autodepuração do Rio das Mortes situado no Município de Vassouras/RJ. Este rio é a principal drenagem da sede do município e recebe esgoto doméstico bruto sem tratamento de diversas casas ao longo de sua extensão, até seu encontro com o Rio Paraíba do Sul. As bases matemáticas para os modelos de simulação de qualidade da água foram estabelecidas pelos pesquisadores Streeter e Phelps, em 1925, originando um modelo conhecido como modelo de Streeter Andamp; Phelps, clássico dentro da Engenharia Ambiental. O modelo de Streeter e Phelps é constituído, de forma genérica, por duas equações diferenciais ordinárias: uma modela a oxidação da parte biodegradável da matéria orgânica e outra, o fluxo de oxigênio proveniente da dinâmica da reaeração atmosférica. Essas equações são nomeadas de equações de desoxigenação e de reaeração, respectivamente. O estudo foi realizado no período de seca, período em que ocorre diminuição da diluição no corpo hídrico, objetivando-se avaliar a capacidade de autodepuração do rio nesta época. Objetivou-se avaliar a utilização do coeficiente de desoxigenação (K1), obtido experimentalmente, para simular a capacidade de autodepuração do rio das Mortes nos perfis de OD ao longo do trecho estudado. Com a determinação do coeficiente de desoxigenação de modo experimental, as simulações apresentaram uma análise mais real do processo de autodepuração do rio estudado.

Artigo:

Palavras-chave: Modelagem Matemática, DBO.,

Palavras-chave: ,

DOI: 10.5151/chemeng-cobec-ic-01-ea-008

Referências bibliográficas
  • [1] ALMEIDA, T. V. - Índice de Qualidade da
  • [2] Biológico de Águas Residuarias: Introdução da Qualidade das Águas e ao Tratamento de Esgotos Volume 1, 2a Edição revisada, DESA-UFMG, Belo Horizonte, MG, 1996.
  • [3] DEZOTTI, M. (2008) Processo e Técnicas para o Controle Ambiental de Efluentes Líquidos. Série Escola Piloto em Engenharia Química COPPE/UFRJ, v.5, editora e-papers. ISBN 978-85-7650-173-2.
  • [4] HESPANHOL, K. M. H. (2008). “Monitoramento e diagnóstico da qualidade da água do Ribeirão Morangueiro”. Universidade Estadual de Maringá. Dissertação de Mestrado.
  • [5] NUNES, D.,G. Modelagem da autodepuração e qualidade da água do rio turvo sujo. Dissertação. (Mestrado em Engenharia Agrícola) Universidade Federal de Viçosa. Viçosa: UFV, 2008.
  • [6] RICCIARDONE, P., PEREIRA, O. S., PEREIRA, C. S. Avaliação da Capacidade de Autodepuração do Rio das Mortes no Município de Vassouras/RJ, Revista Eletrônica TECCEN, Vassouras, 2011.
  • [7] STREETER, H. W, PHELPS, E. B. - A study of the natural purification of the Ohio River.Public Health Bulletin 146, U.S. Washington: Public Health Service, 1925.
  • [8] VON Sperling, M. (2005). Princípios do tratamento biológico de águas residuárias. 3a. ed. Belo Horizonte: Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental/UFMG.
  • [9] VON SPERLING, M.. Estudo e modelagem da qualidade da água de rios. 3. ed. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais / Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental. Princípios do tratamento biológico de águas residuárias, v. 7, 2007, 588 p.
Como citar:

Carvalho, M.; Ricciardone, P.; Torres, D.M.; Pereira, C.S.S.; Pereira, O.S.; "AVALIAÇÃO DA INFLUÊNCIA DO COEFICIENTE DE DESOXIGENAÇÃO NA AUTODEPURAÇÃO DE UM CORPO HIDRICO", p. 6-10 . In: . São Paulo: Blucher, 2014.
ISSN 2359-1757, DOI 10.5151/chemeng-cobec-ic-01-ea-008

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações