Abstract - Open Access.

Idioma principal

Avaliação da Atividade Antibacteriana de Dois Méis de Abelhas Indígenas Sem Ferrão Contra Bactérias de Importância Alimentar

Avaliação da Atividade Antibacteriana de Dois Méis de Abelhas Indígenas Sem Ferrão Contra Bactérias de Importância Alimentar

Nishio, Erick Kenji; Krupiniski, Mariane Trizotti; Kobayashi, Renata Katsuko Takayama; Proni, Edson Aparecido; Nakazato, Gerson;

Abstract:

O mel é utilizado desde a antiguidade como alimento e considerado como parte da medicina tradicional. Os méis além de serem importantes pelas propriedades nutricionais destacam-se pelas propriedades funcionais e biológicas como atividade antioxidante, anti-inflamatória, antitumoral e antimicrobiana, podendo ser utilizado para a prevenção de doenças e promoção da saúde. As abelhas indígenas sem ferrão são nativas da região do Paraná e seus méis são bastante apreciados possuindo um preço de mercado superior ao mel de Apis. Neste estudo avaliamos a atividade antibacteriana de dois méis de abelhas indígenas sem ferrão contra bactérias de importância alimentar. Os méis de Scaptotrigona bipunctata (SB) e S. postica (SP), coletados na região de Londrina-PR e Mauá da Serra-PR foram diluídos em água destilada, esterilizados em filtro com poros de 0,22 Andamp;#956;m e testados contra Staphylococcus aureus ATCC 25923, Enterococcus faecalis ATCC 29212, Escherichia. coli ATCC 25922 e Salmonella enterica sorovariedade Enteritidis ATCC 13076. Para a avaliação da atividade antibacteriana foram realizados os testes de poço-difusão em ágar e determinação da concentração inibitória mínima (CIM). Para a análise cinética do efeito antibacteriano foi construída uma curva de crescimento e morte. Para o mel SB, os diâmetros dos halos de inibição variaram entre 23 e 25 mm, e a CIM foi de 0,62 e 1,25 % para S. aureus e E. faecalis, respectivamente. Para E. coli e S. Enteritidis, os halos de inibição variaram entre 14 e 25 mm, respectivamente, e a CIM foi de 5 % para ambas. Já para o mel SP, os halos de inibição variaram entre 22 e 28 mm para S. aureus e E. faecalis, respectivamente, e a CIM foi de 1,25 % para ambas. Já para E. coli e S. Enteritidis, os halos de inibição foram de 14 mm e CIM de 5 % para ambas. Pela curva de crescimento e morte, pode-se observar eliminação total do crescimento bacteriano em 7h de incubação para ambos os méis. Tais resultados comprovam que os méis de abelhas indígenas sem ferrão testados apresentam uma boa atividade antibacteriana ressaltando o benefício deste produto natural que pode ser utilizado como ingrediente para diferentes alimentos, além do possível uso para conservação de alimentos em substituição aos antimicrobianos comerciais que causam uma pressão seletiva, resultando no surgimento de micro-organismos multirresistentes.

Abstract:

Palavras-chave: Atividade antibacteriana, Abelhas indígenas, Mel,

Palavras-chave:

DOI: 10.5151/foodsci-microal-279

Referências bibliográficas
Como citar:

Nishio, Erick Kenji; Krupiniski, Mariane Trizotti; Kobayashi, Renata Katsuko Takayama; Proni, Edson Aparecido; Nakazato, Gerson; "Avaliação da Atividade Antibacteriana de Dois Méis de Abelhas Indígenas Sem Ferrão Contra Bactérias de Importância Alimentar", p. 25-26 . In: Proceedings of the XII Latin American Congress on Food Microbiology and Hygiene [=Blucher Food Science Proceedings, v.1, n.1]. São Paulo: Blucher, 2014.
ISSN 2359-201X, DOI 10.5151/foodsci-microal-279

últimos 30 dias | último ano | desde a publicação


downloads


visualizações


indexações